União Libanesa da Diáspora afiliada à União Libanesa Cultural Mundial.   secretaria@uniaolibanesa.net.br

A Era da Falta de Paz

Por Gaby Tabarani

Traduzido por Assad Frangieh

O mundo está mudando e com ele sua geografia política, que começou a assumir uma nova forma, longe das grandes guerras diretas, para se transformar em conflitos de outro tipo. Muitos observadores presumiram que o futuro da geopolítica seria decidido em uma batalha naval no estreito de Taiwan ou em algum afloramento rochoso ou atol do Mar da China Meridional. No entanto, provavelmente podemos aprender mais sobre a geopolítica do século XXI examinando o tratamento de alguns milhares de refugiados desesperados em terras esquecidas.

Começando com a Hidrovia Inglesa. Outrora o local de alguns dos confrontos mais dramáticos da história, desde a frota espanhola e as Guerras Napoleônicas até os desembarques na Normandia, este canal não é mais o teatro de políticas de grande poder. Em vez disso, a morte de 27 civis semanas atrás, cujo barco inflável virou no Canal da Mancha depois de deixar a costa francesa, transformou o canal no local de uma tragédia humana. Em vez de trabalhar em solidariedade com a França para erradicar os contrabandistas de migrantes responsáveis ​​pelas mortes, o primeiro-ministro britânico Boris Johnson imediatamente procurou explorar politicamente o incidente perante seu público doméstico, culpando os franceses em uma carta aberta postada no Twitter. Longe de ser uma manobra política mesquinha e infantil, a negligência de Johnson quanto à liderança provavelmente terá consequências terríveis e de longo alcance.

Com a eleição presidencial francesa se aproximando na primavera europeia, na qual se espera que a imigração seja uma questão delicada, o presidente Emmanuel Macron rejeitou a franqueza de Johnson e barrou a ministra do Interior da Grã-Bretanha, Priti Patel, na reunião dos ministros do Interior europeus em Calais. Dada a desconfiança de ambos os lados do canal, cada governo acredita que o outro está usando o conflito como parte de um jogo de poder mais amplo que se estende ao comércio, defesa e política externa. Embora a imigração tenha se tornado uma bola de futebol política na Europa Ocidental, ela foi usada como uma arma entre a Bielo-Rússia e a Polônia.

Embora não seja um destino popular para os viajantes do Oriente Médio, a Bielo-Rússia trouxe migrantes do Iraque, Afeganistão e Síria para seu território e os encaminhou para a fronteira com a Polônia e a promessa de facilitar sua entrada na União Europeia. O motivo por trás do presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko, é claro: pressionar os governos europeus a aliviar e apertar as sanções impostas ao seu regime após as eleições presidenciais fraudadas do ano passado e depois que ele forçou um avião comercial a desembarcar um de seus passageiros levado para prisão. Lukashenko sabe que alguns milhares de imigrantes não serão suficientes para conquistar a Polônia, ou mesmo a Lituânia. Mas ele percebeu que o campo de batalha mais importante hoje são as mentes das pessoas, não o território. Trabalhando para recriar e replicar as imagens criadas pela crise migratória de 2015 na UE, ele pretende, em última instância, usar os migrantes como um ato de guerra de informação.

A especialista acadêmica e política americana Kelly Greenhill mostrou que Lukashenko não é o primeiro a transformar os imigrantes em uma ferramenta de política governamental. Ele documentou mais de 75 momentos em que governos, incluindo os do Marrocos, Rússia, Líbia e Turquia, forçaram os civis a deixar suas casas e o país (ou os encorajaram a fugir) para atingir algum objetivo político, militar ou econômico. O uso da imigração como arma se tornou complementar a outras formas de pressão, como sanções, informações, guerra eletrônica, políticas comerciais e infraestrutura. Neste contexto, tanto a campanha da Bielorrússia como o conflito pelo Canal da Mancha são sintomas de um ambiente de política externa em mutação, em que as guerras estão sendo substituídas por novas formas de agressão. Conexões e conexões entre pessoas e países são as novas moedas favoritas de poder e influência.

O teórico militar prussiano, general Carl von Clausewitz (1780-1831), descreveu a guerra como uma continuação da política por outros meios. Porém, em nossa era nuclear, a guerra é muitas vezes uma escolha incompreensível, então a política global teve que continuar por outros meios, o que Mark Leonard, diretor do Conselho Europeu de Relações Exteriores, chamou de “lutas de comunicação”, onde os governos manipulam exatamente as coisas que ligam entre si: cadeias de abastecimento, fluxos financeiros, movimento de pessoas, pandemias, alterações climáticas e, sobretudo, Internet. Enquanto a pandemia de coronavírus coloca toda a humanidade contra uma doença infecciosa, outra pandemia está deliberadamente se espalhando das sombras. Comportamentos tóxicos tornaram-se contagiosos à medida que os líderes nacionais respondem transformando a conectividade e as conexões em armas, respondendo na mesma moeda.

A tendência de queda resultante será difícil de reverter, porque as “dificuldades de comunicação” tendem a emergir sob uma nuvem de hipocrisia e negação. Lukashenko pode argumentar, mas não de forma convincente, que os imigrantes do Oriente Médio viajaram para a Bielo-Rússia por vontade própria. Do mesmo modo, a União Europeia pode alegar que a sua decisão de suspender a certificação do gasoduto Nord Stream 2 que liga a Alemanha diretamente ao aprovisionamento de gás russo foi tomada por motivos processuais e não políticos. A natureza informal de tais conflitos torna difícil saber por que certas decisões foram tomadas. Os governos e as empresas ainda precisam encontrar as estruturas apropriadas para avaliar até mesmo suas próprias escolhas. Por exemplo, quando se trata de decisões sobre migração, como o governo deve priorizar o direito internacional, a segurança humana e o impacto da migração? As políticas comerciais visam aumentar o lucro ou o poder e a influência nacionais? Se o seu objetivo for reduzir o custo para o consumidor no curto prazo, ou proteger os produtores locais da concorrência desleal, dando assim ao consumidor mais escolha no longo prazo? Em vez de eliminar as tensões entre os países, a comunicação fornece novos meios para competir e entrar em conflito. Não é de se admirar que a linha entre guerra e paz esteja se tornando cada vez mais tênue. Entramos em uma era de conflito perpétuo, em que a maioria dos combatentes e quase todas as vítimas serão civis. E no que eu chamo de “era da falta de paz”, os miseráveis ​​da terra tornaram-se relíquias involuntárias.

Gaby Tabarani é editor-chefe da revista eletrônica Aswaaq Al Arab em Londres. É autor de cinco livros em árabe e inglês, incluindo “O conflito israelense-palestino: da declaração de Balfour à declaração de Bush” (2008); “Como o Irã planeja confrontar a América e dominar o Oriente Médio” (2008); e “As novas fortalezas da Jihad: Por que o Ocidente não conseguiu conter o fundamentalismo islâmico” (2011). Ele pode ser acompanhado em seu site: www.gabrielgtabarani.com ou no Twitter: @GabyTabarani

Deixe seus comentários

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar essas HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>