União Libanesa da Diáspora afiliada à União Libanesa Cultural Mundial.   secretaria@uniaolibanesa.net.br

66 anos depois, o Líbano abandonará o sigilo bancário por exigência do FMI?

BeiruteAli Zeineddine para Alshark Al Awsat – tradução Dr. Assad Frangieh

O Líbano está prestes a abandonar o sistema de sigilo bancário que adotou por mais de seis décadas, como um dos principais requisitos que foram acordados pelas autoridades executivas e legislativas libanesas, em exigência de um acordo de financiamento no valor de 3 bilhões de dólares ao longo de 4 anos, pelo Fundo Monetário Internacional.

Um preocupado alto funcionário do sistema bancário confirmou a Asharq Al-Awsat que o projeto de lei em caráter emergencial, destinado a aprovar um pacote de emendas propostas a um conjunto de leis efetivas relacionadas ao sigilo bancário, estabeleceria uma nova era bancária com os mais recentes requisitos internacionais para bloquear suspeitas saídas de dinheiro e impedindo a sua passagem pelos canais bancários. Desta forma, o véu de “secretismo” que levanta suspeitas de danos que excedem os espólios que podem ser obtidos seria completamente afastado.

Os meios financeiros e bancários contam que o governo e a Câmara dos Deputados farão uma importante brecha no processo de aceleração da aprovação do conjunto de leis – condições, durante as próximas duas semanas e antes das eleições em meados do próximo mês. Há sinais encorajadores de uma conclusão qualitativa do mandato do atual parlamento e de um lançamento forte e preventivo da nova assembleia, baseado na possibilidade do parlamento realizar uma ou mais sessões que consigam amadurecer e aprovar um número de projetos de reforma encaminhados pelo governo, além do projeto de lei orçamentária do ano corrente.

O alto funcionário afirma o que o Líbano adota de sistemas de poupança e gestão de investimentos não estão mais de acordo com as regras atualizadas no sistema financeiro global e com as exigências emitidas por órgãos internacionais preocupados em impedir as transações ou transferências de dinheiro pelos canais bancários. A atualização da estrutura legal de gestão de fundos e do sistema bancário, que por sua vez se encontra em plano de reestruturação, não só confirmaria o compromisso do Estado Libanês com as condições do Fundo Monetário Internacional, como corrigiria as condições de todo o setor financeiro e prepararia o seu adequado reposicionamento nos mercados internacionais.

Essas mudanças são de particular importância para responder às notas técnicas recebidas sucessivamente pelo Tesouro dos Estados Unidos, especialmente diante do controle do dólar sobre a economia libanesa e as transações monetárias. Os depósitos em dólares, que atualmente somam cerca de 102 bilhões de dólares no sistema bancário, constituem cerca de 80% do total de depósitos. Além disso, as remessas de libaneses que trabalham no exterior e expatriados são feitas principalmente em dólares e somam uma média de cerca de US$ 7 bilhões. Atualmente, é quase o único pulmão que garante entradas de moeda forte no Líbano. O Departamento do Tesouro dos EUA reitera seu pedido dos bancos libaneses para que tomem medidas mais efetivas para proteger o sistema financeiro libanês da corrupção, realizando auditorias financeiras nas contas de figuras politicamente proeminentes e determinando as fontes de seus fundos monetários.

Também lembra que os bancos que não tomarem as medidas necessárias podem estar sujeitos a penalidades. Entretanto, as administrações bancárias esforçam-se por demonstrar a sua firmeza no combate de lavagem de capitais e ao financiamento do terrorismo, cumprindo as normas internacionais, e que estão a abrir as suas portas à comunidade internacional no combate a todo o tipo de financiamento ilegal. A fundamentação da proposta de lei relativa ao sigilo bancário está expressamente incluída em alterações que se estendem a alguns artigos da mesma lei de 1956, e alterações paralelas que incluem o Código de Processo Penal, a Lei Monetária e de Crédito e a Lei de Processo Tributário .

Isso faz parte do acordo inicial com a missão do FMI sobre um programa de recuperação econômica e financeira chamado “Extended Credit Facility”. Decorre destas alterações que é proibida a abertura de contas numeradas e o aluguel de cofres de ferro a clientes cujos proprietários sejam apenas conhecidos dos gestores bancários ou dos seus agentes, com a obrigação de transferir as contas existentes e os cofres alugados, no prazo de seis meses a contar da data de entrada em vigor da lei, às contas regulares que cumpram todos os requisitos de combate à lavagem de dinheiro e de capitais e ao financiamento do terrorismo, bem como ao adiamento de quaisquer levantamentos de fundos de contas de depósito numeradas e cofres durante o período de intervenção para a sua conversão em contas normais.

Paralelamente, será possível a apreensão de fundos e bens com bancos, por decisão da Comissão Especial de Investigação (do Banco Central) nos termos da Lei de Combate à Lavagem de Dinheiro e Financiamento do Terrorismo, ou por decisão de um autoridade judiciária competente nos termos da lei, ou por decisão de qualquer outra autoridade encarregada dessa validade. As alterações propostas ao artigo 7º da Lei do Sigilo Bancário no Líbano assumem uma importância excecional face às atuais repercussões da crise financeira e monetária no país. À medida que os bancos são obrigados a divulgar e fornecer informações, isso amplia o escopo especificado exclusivamente para as autoridades judiciais em casos de enriquecimento ilícito, para incluir as mesmas autoridades em crimes de corrupção e financeiros previstos na Lei de Combate à Lavagem de Dinheiro e Financiamento do Terrorismo , pela Comissão Especial de Investigação e a recém-criada Autoridade Nacional Anticorrupção, a Comissão de Controle Bancário, a Corporação Nacional de Seguro de Depósitos e o Banco Central do Líbano.

Essas autoridades e órgãos também podem trocar informações entre si, sujeito às obrigações de usar tais informações. Nas alterações ao Código de Processo Penal, será possível ao Ministério Público nos Tribunais de Cassação e aos Procuradores da Relação solicitar aos bancos a prestação de informações protegidas pelo sigilo bancário, no âmbito das atribuições de apoio à investigação de crimes financeiros e na verificação de crimes financeiros.

Deixe seus comentários

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar essas HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>