União Libanesa da Diáspora afiliada à União Libanesa Cultural Mundial.   secretaria@uniaolibanesa.net.br

A Rússia derruba o euro: será que o Banco Central Europeu reagirá?

Por Dr. Mahmoud Jebaee.

Na manhã de segunda-feira, 11 de julho, a Rússia fechou o gasoduto “North Stream-1” para a Europa sob o pretexto de realizar manutenção até 21 de julho. Esta medida é acompanhada pelo aumento dos receios no mercado europeu quanto à escassez de gás, o que contribuirá para um forte aumento dos preços dos combustíveis no mercado europeu, e agravará a crise inflacionária, que, antes do anúncio desta decisão, atingiu os limites de 8% na maioria dos países da União Europeia. Esses fatores afetaram diretamente o valor do euro e a direção de outras moedas, já que ontem atingiu seu nível mais baixo em relação ao dólar em 20 anos e registrou uma queda abaixo do limite de US$ 1,01.

Este colapso surge à luz da perturbação da indústria energética e da crise ucraniana, que afetou fortemente a economia europeia como um todo devido ao impacto das sanções mútuas entre a Rússia e o Ocidente. A Alemanha registrou o seu primeiro déficit comercial mensal desde 1991, sabendo que é uma das maiores economias da União Europeia. As pressões das cadeias de suprimentos também desaceleraram a atividade econômica nas maiores economias da zona do euro, que dependem fortemente da importação de energia para operar suas fábricas e fábricas, o que pode causar uma grande recessão econômica nas mesmas, sabendo que a Europa é atualmente o elo mais fraco na economia global como ela é hoje estando na mira das repercussões da crise ucraniana e da crise energética global.

O Banco Central Europeu poderá reagir?

À luz da atual crise que assola a Europa, por um lado, e a Rússia, por outro, esta última possui armas econômicas letais diante do Ocidente, que lhe impôs muitas duras sanções econômicas. A Rússia possui uma arma de gás e energia que lhe permite infligir a morte econômica e financeira aos europeus. A Europa encontra-se hoje impotente perante a sua necessidade de gás russo, que é o principal motor das suas fábricas, e está se esforçando para encontrar uma alternativa o mais rapidamente possível, mas até hoje é praticamente incapaz de o conseguir por várias razões, com destaque para os altos custos de fornecimento de gás a partir de países geograficamente distantes. Isto obrigará o Banco Central Europeu a intervir de imediato elevando as taxas de juro, tal como o fez o seu homólogo americano, e o objetivo da intervenção será, por um lado, combater a inflação dos preços, bem como travar o colapso do euro por o outro.

Note-se que esta medida pode não alcançar os resultados desejados devido à gravidade da crise e à ausência de fontes alternativas na Europa para garantir energia e gás, bem como uma grande recessão que pode ocorrer como resultado adverso do aumento das taxas de juros, que conduzirá inevitavelmente a um declínio da atividade econômica devido à diminuição da procura de consumo em vários setores das sociedades.

Deixe seus comentários

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar essas HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>