A União Libanesa Cultural Mundial sediada no prédio do Ministério de Exterior do Líbano é o órgão representativo oficial da Diáspora Libanesa. A União Libanesa da Diáspora é sua filial em São Paulo.    A União Libanesa da Diáspora é uma Associação Brasileira que agrega líderes e membros da Comunidade Libanesa no Brasil com sede em São Paulo.

A visita de Biden… e a possível explosão no Oriente Médio por Abdallah Al Sanawi

Por Abdalla Al Sanawi – escritor árabe do Egito – Traduzido por Assad Frangieh – reproduzido do site libanês 180post

Em situações de ansiedade na qual a ordem internacional está sendo atingida e um novo poder que pode surgir após o fim da guerra ucraniana, surgiram medos generalizados em duas outras possíveis explosões, uma – perto da China sobre o destino de “Taiwan”, e o segundo – aqui no Oriente Médio sob o pretexto de construir uma aliança militar regional, simbolicamente liderado pelos Estados Unidos e na verdade liderado por Israel, para enfrentar o chamado “inimigo iraniano” comum.

As duas explosões potenciais estão presentes em dois graus diferentes nas cenas internacionais e regionais em chamas. O primeiro caso no Mar da China, é quase excluído pelo equilíbrio de poder, que não permite aventuras desse tipo. No segundo caso, é possível, sem ter certeza, apostar em um papel israelense na proteção dos Estados do Golfo contra quaisquer ameaças iranianas reais e imaginárias. Nas duas possíveis explosões, o presidente dos EUA, Joe Biden, é o responsável pela escalada até os limites que lembram uma declaração de guerra.

Durante sua viagem à Ásia para apertar o cerco à China em seus arredores estratégicos imediatos, ele sugeriu o uso da força se a China pensasse em anexar “Taiwan” por invasão armada, enquanto a Rússia seguia na Ucrânia. Por um momento, a opção da guerra EUA-China parecia estar presente, mas regrediu rapidamente no dia seguinte, com o Departamento de Estado dos EUA confirmando a persistência de suas políticas, que chama de “China única”. Os grandes fatos falaram, não há guerra com a China, os custos são insuportavelmente aterrorizantes. Assediar a China política e estrategicamente e impedir qualquer possibilidade de qualquer aliança sólida com a Rússia é uma coisa, e envolver-se em guerra com ela é outra bem diferente.

Pela força dos fatos no terreno, as sanções sem precedentes dos EUA e da Europa não conseguiram impor a derrota a Moscou, ou prendê-la no atoleiro ucraniano com suprimentos de armas, que se espalharam pela Ucrânia no que se assemelha a uma guerra por procuração. Nem a Rússia foi humilhada nem o Ocidente ganhou, e a guerra está aberta a outros longos períodos que podem custar ao mundo crises mais severas em alimentos, energia e estabilidade internacional. Se um confronto militar americano ocorrer de uma forma ou de outra, direta ou indireta, com o dragão chinês com sua força econômica e militar superior, um destino incomensuravelmente pior acontecerá diferente da guerra ucraniana. Nem o mundo nem a América podem suportar isso.

A situação é diferente no Oriente Médio, as possibilidades de escalada militar estão aumentando, sem nenhum grau de dissuasão do mundo árabe! Esta é uma tragédia completa, mas a força dos fatos históricos, geográficos e humanos impede que esses jogos cheguem ao fim com a facilidade que imaginam. Antes de Biden partir, em meados de julho, para o Oriente Médio em uma viagem que inclui uma visita a Israel e aos territórios palestinos ocupados em seguida uma cúpula em Jeddah com nove países árabes, os estados do Golfo, além de Egito, Jordânia e Iraque, Washington emitiu muitos sinais que afirmavam com notável urgência seu compromisso com a segurança de Israel, e isso não é novidade. O que é novo e perigoso é sua promessa anterior ao primeiro-ministro israelense, “Naftali Bennett”, como ele mesmo revelou, de integrar Israel na região, ou expandir o escopo da cooperação econômica, de segurança e militar com ele, e avançar qualitativamente novos passos na normalização livre sem o menor compromisso com qualquer retirada israelense das terras árabes ocupadas, exceto pelo que ele pode repetir. Biden em Ramallah expressou seu compromisso com a solução de dois estados sem fazer nada de valor significativo, nem exercer qualquer pressão sobre o governo Bennett para levar à justiça aos assassinos da jornalista palestino-norte americana Shireen Abu Akleh.

O que os árabes podem ganhar são expressões sem conteúdo e o que os israelenses podem ganhar são ações no terreno. Nesta rodada, Washington parece disposta a adotar o projeto israelense de construir uma potência regional, uma aliança militar e de segurança, sob o pretexto de enfrentar a suposta “ameaça iraniana” e proteger a segurança do Golfo, quando na realidade precisa de alguém para proteger (Israel)! O problema de Washington – aqui – é que o agravante da crise energética no contexto do conflito com a Rússia é a essência de sua visita ao Oriente Médio, não os projetos de expansão e normalização com Israel, mas não se importa em estar alinhado com os objetivos israelenses se os países petrolíferos e não petrolíferos concordam e estão prontos! Certamente, não se quer uma guerra em grande escala no Oriente Médio na qual estará envolvido, mas não se importa de presidir formalmente a aliança militar proposta, deixando sua liderança realista para Israel para retirar o constrangimento sobre os árabes países que podem participar!

Os EUA não querem encerrar a maratona nas Conversações de Viena para reviver o acordo nuclear com o Irã em que o ex-presidente “Donald Trump” congelou unilateralmente, mas temem mais que apareçam em uma situação diplomaticamente derrotada. Há uma diferença entre negociar escaramuças e ir para a guerra. Há manobras públicas e não declaradas que antecipam possíveis entendimentos sobre o que está acontecendo entre a Agência Internacional de Energia Atômica e as autoridades iranianas, quase uma pausa às vezes seguida de pedidos de continuidade das negociações. A submissão da AIEA às vontades ocidentais é quase certa, e a intervenção de Israel no arquivo fornecendo à agência informações de inteligência é quase certa. Não há nenhum problema real em declarar o renascimento do acordo nuclear. Quase tudo é acordado entre as partes que participam das “conversações de Viena”. O problema está no rescaldo de reviver o acordo, ou os arranjos e cálculos de poder na região que seguem o levantamento das sanções dos EUA ao Irã. A luta pelo próprio Irã, suas políticas e papéis regionais e a natureza de seu relacionamento com Israel. Este é o ponto crucial da situação agora.

Israel está tentando aproveitar o momento e se apresentar como manchete em qualquer acordo possível, e é isso que o Irã não deve aceitar. Aumentar o medo da ameaça iraniana é o principal elemento no projeto de construção de uma aliança militar planejada. Israel está ameaçada em sua existência, e o Irã está prestes a adquirir uma arma nuclear dentro de semanas. Medo e força juntos em um discurso de segurança. Bennett passou a intimidar que existem células iranianas armadas que podem ter como alvo soldados e turistas israelenses na Turquia, especialmente em Istambul. Esse aviso foi um alvo velado de qualquer entendimento possível agora, ou no futuro, entre o Irã e a Turquia. É uma tentativa de chantagear a ambiciosa Turquia para que tenha um papel maior nos cálculos da região, como resultado da mediação que faz com Moscou a favor da OTAN na guerra ucraniana sob forte pressão, seja de Israel ou do Irã. Ou Ancara, com seu consentimento, desempenha um papel crescente na região, ou se encontrará presa na trincheira iraniana!

Estas contas são ilusórias. Com as mesmas ilusões, pode-se imaginar que está em uma nova situação política e estratégica, que pode, por meio de chantagem econômica, construir uma aliança militar mais extensa do que os Estados do Golfo, aparecer como um mediador declarado no Golfo e fazer direcionar seus investimentos e fundos excedentes para o Egito, Jordânia e Iraque!

O maior problema de toda a história é que é impossível superar a causa palestina ignorando ou exibindo armas ou simulando inimigos virtuais. Os custos políticos são insuportáveis ​​em países como Egito, Jordânia e Iraque, cuja segurança nacional será ameaçado com gravidade inimaginável. A consequência mais perigosa do projeto de aliança militar é que as explosões atingirão todo o Oriente Médio, seus países, sistemas e povos, e não permanecerá pedra sobre pedra. Isso é exatamente o que Israel quer, mas pagará um preço muito alto.

Deixe seus comentários

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar essas HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>