União Libanesa da Diáspora afiliada à União Libanesa Cultural Mundial.

Acordo de Taif assinado na Arábia Saudita em 1989 que pôs fim à Guerra Civil Libanesa

Este acordo, que pôs fim à guerra civil no Líbano, foi negociado em Ta’if, na Arábia Saudita, em setembro de 1989 e aprovado pelo parlamento libanês em 4 de novembro de 1989.

I. Princípios Gerais e Reformas:

I. Princípios Gerais

A. O Líbano é um país soberano, livre e independente e uma pátria definitiva para todos os seus cidadãos.

B. O Líbano é árabe em pertencimento e identidade. É membro ativo e fundador da Liga Árabe e está comprometido com a carta da liga. É um ativo e fundador membro da Organização das Nações Unidas e está comprometido com seus estatutos. O Líbano é um membro do movimento não alinhado. O estado do Líbano deve incorporar estes princípios em todas as áreas e esferas, sem exceção.

C. O Líbano é uma república parlamentar democrática fundada no respeito pelas liberdades, especialmente a liberdade de expressão e crença, na justiça social e na igualdade de direitos e deveres entre todos os cidadãos, sem discriminação ou preferência.

D. O povo é a fonte do Poder. São soberanos e exercerão sua soberania através das instituições constitucionais.

E. O sistema econômico é um sistema livre que garante a iniciativa individual e propriedade.

F. O desenvolvimento cultural, social e economicamente equilibrado é um dos pilares do da unidade do Estado e da estabilidade do sistema.

G. Esforços (serão feitos) para alcançar justiça social abrangente por meio de ações fiscais, reforma econômica e social.

H. O solo do Líbano é unido e pertence a todos os libaneses. Todo libanês tem direito viver e desfrutar de qualquer parte do país sob a supremacia da lei. As pessoas não podem ser categorizadas com base em qualquer afiliação e não deve haver fragmentação, sem partição e sem repatriação [de palestinos no Líbano].

I. Nenhuma autoridade que viole a carta de convivência comum será legítima.

II. Reformas políticas

A. Câmara dos Deputados:

A Câmara dos Deputados é a autoridade legislativa que exerce controle total sobre política e atividades do governo.

1. O porta-voz da Câmara e o seu suplente serão eleitos durante o mandato termo da câmara.

2. Na primeira sessão, dois anos depois de eleger o seu presidente e vice-presidente, a câmara meu voto apenas uma vez para retirar a confiança de seu presidente ou vice-presidente com 2/3 maioria dos seus membros e de acordo com uma petição apresentada por pelo menos 10 deputados. Caso a confiança seja retirada, a câmara se reunirá imediatamente para preencher o cargo vago.

3. Nenhum projeto de lei urgente apresentado à Câmara dos Deputados pode ser emitido sem que seja incluído na ordem do dia de uma sessão pública e lido em tal sessão, e a menos que a graça prazo estipulado pela constituição passa sem resolução sobre tal projeto de lei com a aprovação do gabinete.

4. A circunscrição eleitoral é a governadoria.

5. Até que a Câmara dos Deputados aprove uma lei eleitoral livre de restrição sectária, os assentos parlamentares serão divididos de acordo com as seguintes bases:

a. Igualmente entre cristãos e muçulmanos.

b. Proporcionalmente entre as denominações de cada seita.

c. Proporcionalmente entre os distritos.

6. O número de membros da Câmara dos Deputados será aumentado para 108, compartilhados igualmente entre cristãos e muçulmanos. Quanto aos distritos criados com base nesta
documento e os distritos cujos assentos ficaram vagos antes da proclamação deste documento, seus lugares serão preenchidos apenas uma vez em caráter de emergência por meio de
nomeação pelo governo do acordo nacional que está planejado para ser formado.

7. Com a eleição da primeira Câmara dos Deputados em base nacional, não sectária, um senado será formado e todas as famílias espirituais serão representadas nele. O senado
poderes devem ser confinados a questões cruciais.

B. Presidente da República:

O presidente da república é o chefe do estado e um símbolo da unidade do país. Ele contribuirá para melhorar a constituição e preservar a independência do Líbano, unidade e integridade territorial de acordo com as disposições da Constituição. Ele é o comandante supremo das forças armadas que estão sujeitas ao poder do gabinete. O presidente exercerá os seguintes poderes:

1. Dirigir o gabinete [reunião] quando quiser, mas sem votar.

2. Dirigir o Conselho Supremo de Defesa.

3. Emite decretos e exige sua publicação. Ele também terá o direito de pedir ao gabinete reconsiderar qualquer resolução que tomar no prazo de 15 dias a contar da data de deposição da resolução com o gabinete presidencial. Caso o gabinete insista na resolução adotada, ou se o prazo de carência passar sem emitir e devolver o decreto, o decreto da resolução será válida e deverá ser publicada.

4. Promulgar as leis de acordo com o prazo de carência estipulado pela constituição e exigir sua publicação mediante ratificação pela Câmara dos Deputados. Depois de notificar do gabinete, o presidente também pode solicitar o reexame das leis dentro da graça períodos previstos pela constituição e de acordo com os artigos da constituição. Caso as leis não sejam emitidas ou devolvidas antes do fim da graça períodos, são válidos por lei e devem ser publicados.

5. Remete os projetos que lhe forem apresentados pela Câmara dos Deputados.

6. Nomear o primeiro-ministro designado em consulta com a Câmara dos Deputados orador com base numa consulta parlamentar vinculativa, cujo resultado o presidente deve familiarizar oficialmente o orador.

7. Emitir o decreto que nomeia o primeiro-ministro de forma independente.

8. De acordo com o primeiro-ministro, emita o decreto que forma o gabinete.

9. Emitir decretos aceitando a renúncia do gabinete ou de ministros do gabinete e decretos dispensando-os de suas funções.

10. Nomear embaixadores, aceitar o credenciamento de embaixadores e conceder o estado medalhas por decreto.

11. De acordo com o primeiro-ministro, negociar a conclusão e assinatura de tratados internacionais que se tornarão válidos somente após a aprovação do gabinete. o gabinete deverá familiarizar a Câmara dos Deputados com tais tratados quando o interesse e a segurança do Estado tornam possível tal familiarização. Quanto aos tratados envolvendo as condições relativas às finanças do Estado, tratados comerciais e outros tratados que não podem ser revogados anualmente, não podem ser concluídos sem a aprovação da Câmara dos  deputados.

12. Quando necessário, dirigir mensagens à Câmara dos Deputados.

13. De acordo com o primeiro-ministro, convocar a Câmara dos Deputados para realizar sessões especiais por decreto.

14. O presidente da república tem o direito de apresentar ao gabinete qualquer questão urgente além da agenda.

15. De acordo com o primeiro-ministro, convoque o gabinete para realizar uma sessão especial sempre que julgar necessário.

16. Conceder perdão especial por decreto.

17. No desempenho de suas funções, o presidente não será responsável, salvo se violar a constituição ou comete alta traição.

C. Primeiro-ministro:

O primeiro-ministro é o chefe do governo. Ele a representa e fala em seu nome. Ele é responsável pela implementação da política geral elaborada pelo gabinete. O primeiro-ministro exercerá os seguintes poderes:

1. Dirija o gabinete.

2. Realizar consultas parlamentares para formar o gabinete e co-assinar com o presidente o decreto que a forma. O Gabinete deve apresentar a sua declaração do Gabinete à Câmara de Deputados para um voto de confiança no prazo de 30 dias [da sua formação]. O gabinete não pode exercer seus poderes antes de ganhar a confiança, após sua demissão, ou quando for considerado aposentado, salvo no sentido estrito de dispor de assuntos.

3. Apresentar a política geral do governo à Câmara dos Deputados.

4. Assine todos os decretos, exceto os decretos que nomeiam o primeiro-ministro e os decretos de aceitação renúncia do gabinete ou por considerá-lo aposentado.

5. Assinar o decreto convocando uma sessão especial e os decretos que emitem leis e solicitam o reexame das leis.

6. Convocar o gabinete para se reunir, elaborar sua agenda, familiarizar o presidente da república com antecedência com os assuntos incluídos na agenda e com os assuntos urgentes a serem discutidas e assinar a ata habitual da sessão.

7. Observar as atividades dos órgãos e instituições públicas; coordenar entre os ministros, e emite instruções gerais para assegurar o bom andamento dos trabalhos.

8. Realizar sessões de trabalho com os órgãos estatais interessados ​​na presença do ministro em causa.

9. Por lei, atuar como vice-presidente do Conselho Supremo de Defesa.

D. Gabinete:

O poder executivo será investido no Gabinete.

Dentre os poderes por ele exercidos, estão:

1- Fixa a política geral do Estado em todos os domínios, elabora projetos de lei e decretos, e toma as decisões necessárias para a sua implementação.

2. Zelar pela implementação de leis e regulamentos e supervisionar as atividades de todas as agências estatais, sem exceção, incluindo as civis, militares e de segurança departamentos e instituições.

3. O gabinete é a autoridade que controla as forças armadas.

4. Nomear, demitir e aceitar a demissão de funcionários do Estado de acordo com a lei.

5. Tem o direito de dissolver a Câmara dos Deputados a pedido do presidente da a república se a câmara se recusar a reunir-se durante uma sessão ordinária ou extraordinária com duração não inferior a um mês, ainda que seja convocado duas vezes consecutivas, ou se o Câmara devolve o orçamento na íntegra com o objetivo de paralisar o governo. Este direito não pode ser exercido novamente pelas mesmas razões que exigiram dissolvendo a câmara em primeira instância.

6. Quando o presidente da república está presente, ele dirige as sessões de gabinete. O gabinete reunir-se-á periodicamente em sede especial. O quórum legal para uma reunião de gabinete é 2/3 dos membros do gabinete. O gabinete adotará suas resoluções por consentimento. Se impossível, depois por votação. As deliberações serão tomadas por maioria dos membros presentes. Como para questões importantes, exigem a aprovação de 2/3 dos membros do gabinete. A seguir serão consideradas questões principais: O estado de emergência e sua abolição, guerra e paz, mobilização geral, acordos e tratados internacionais, orçamento geral do Estado, planos de desenvolvimento abrangentes e de longo prazo, a nomeação de autoridades civis de alto nível servidores ou equiparados, reexame da divisão administrativa, dissolvendo-se a Câmara dos Deputados, a lei eleitoral, a lei da cidadania, as leis do estatuto pessoal e a demissão de ministros.

E. Ministro:

Os poderes do ministro devem ser reforçados de forma compatível com o governo política geral e com o princípio da responsabilidade coletiva. Um ministro não deve ser dispensado de seu cargo a menos que por decreto do gabinete ou a menos que a Câmara dos Deputados retira sua confiança dele individualmente

F. Renúncia do Gabinete:

Considerando o Gabinete Demissionado e a Demissão de Ministros:

1. O gabinete será considerado demissionado nos seguintes casos:

a. Se o seu presidente renunciar.

b. Se perder mais de 1/3 de seus membros, conforme determinado pelo decreto que o constitui.

c. Se seu presidente morrer.

d. No início do mandato de um presidente.

e. No início do mandato da Câmara dos Deputados.

f. Quando a Câmara dos Deputados lhe retirar sua confiança por iniciativa da própria câmara e com base num voto de confiança.

2. O ministro é destituído por decreto assinado pelo presidente da república e pelo primeiro-ministro, com aprovação do gabinete.

3. Quando o gabinete renunciar ou for considerado aposentado, a Câmara dos Deputados deverá, por lei, será considerado convocado em sessão especial até a formação de novo gabinete. Seguir-se-á uma sessão de voto de confiança.

G. Abolição do sectarismo político:

Abolir o sectarismo político é um objetivo nacional fundamental.

Para alcançá-lo, é necessário que os esforços sejam feitos de acordo com um plano faseado. A eleição da Câmara dos Deputados com base na partilha igualitária entre cristãos e muçulmanos deve adotar as medidas adequadas para atingir esse objetivo e formar um conselho nacional que é chefiada pelo presidente da república e que inclui, além do primeiro-ministro ministro e presidente da Câmara dos Deputados, notáveis ​​políticos, intelectuais e sociais. A tarefa do conselho será examinar e propor os meios capazes de abolir sectarismo, apresentá-los à Câmara dos Deputados e ao gabinete, e observar implementação do plano faseado. O seguinte deve ser feito no período intermediário:

a. Abolir a base de representação sectária e contar com capacidade e especialização em empregos públicos, o judiciário, os militares, segurança, instituições públicas e conjuntas, e no
agências independentes de acordo com os ditames do acordo nacional, excluindo os empregos de alto nível e empregos equivalentes que devem ser compartilhados igualmente por cristãos e Muçulmanos sem alocar nenhum trabalho específico a nenhuma seita.

b. Abolir a menção de seita e denominação no bilhete de identidade.

III. Outras reformas

A. Descentralismo Administrativo:

1. O Estado do Líbano será um Estado único e unido com uma autoridade central forte.

2. Os poderes dos governadores e dirigentes administrativos distritais serão ampliados e todas as administrações estaduais serão representadas nas províncias administrativas no mais alto nível possível, de modo a facilitar o atendimento aos cidadãos e a satisfação das suas necessidades localmente. 3. A divisão administrativa deve ser reconhecida de maneira que destaque a fusão no âmbito da preservação da convivência comum e da unidade do solo, pessoas e instituições.

4. A descentralização administrativa ampliada deve ser adotada no nível das menores unidades administrativas [distritais e unidades menores] através da eleição de um conselho, encabeçado pelo dirigente distrital, em cada distrito, para garantir a participação local.

5. Um plano de desenvolvimento abrangente e unificado capaz de desenvolver as províncias econômica e socialmente serão adotadas e os recursos dos municípios, municípios unificados, e as uniões municipais devem ser reforçadas com os recursos financeiros.

B. Tribunais:

[1] Garantir que todos os funcionários e cidadãos estejam sujeitos à supremacia da lei e assegurar a harmonia entre a ação dos poderes legislativo e executivo sobre a por um lado, e os dados da convivência comum e os direitos básicos dos libaneses como estipulado na constituição, por outro lado:

1. O conselho superior que é estipulado pela constituição e cuja tarefa é tentar presidentes e ministros serão formados. Uma lei especial sobre as regras de julgamento antes deste conselho ser promulgado.

2. É criado um conselho constitucional para interpretar a constituição, observar as constitucionalidades das leis, e para dirimir disputas e disputas emanadas de eleições presidenciais e parlamentares.

3. As seguintes autoridades terão o direito de revisar o conselho constitucional em assuntos relativas à interpretação da constituição e à observância da constitucionalidade das leis:

a. O presidente da república.

b. O orador da Câmara dos Deputados.

c. O primeiro-ministro.

d. Uma certa porcentagem de membros da Câmara dos Deputados.

[2] Para assegurar o princípio da harmonia entre religião e Estado, os chefes dos As seitas libanesas podem revisar o conselho constitucional em assuntos relativos

1. Assuntos de status pessoal.

2. Liberdade de religião e prática de ritos religiosos.

3. Liberdade de educação religiosa.

[3]. Para garantir a independência do Judiciário, um certo número do Superior Judiciário, o Conselho será eleito pelo órgão judiciário.

D. Lei Eleitoral Parlamentar:

As eleições parlamentares serão realizadas de acordo com uma nova lei com base nas províncias e à luz de regras que garantem a convivência comum entre os libaneses, e que assegurem uma representação política sólida e eficiente de todos os facções e gerações das pessoas. Isso deve ser feito após a revisão do processo administrativo divisão dentro do contexto da unidade do povo, da terra, e as instituições.

E. Criação de um conselho socioeconômico para o desenvolvimento:

Será criado um conselho socioeconômico para assegurar que os representantes dos diversos setores participam da elaboração da política socioeconômica do estado e prestam assessorias e propostas.

F. Educação:
1. A educação será fornecida a todos e será obrigatória para o ensino fundamental estágio, pelo menos.

2. A liberdade de educação deve ser enfatizada de acordo com as leis gerais e regulamentos.

3. A educação privada deve ser protegida e o controle estatal sobre as escolas particulares e livros didáticos devem ser fortalecidos.

4. A educação oficial, profissional e tecnológica será reformada, fortalecida e desenvolvidos de forma a ir ao encontro das necessidades de desenvolvimento e reconstrução do país. As condições da Universidade Libanesa serão reformadas e a ajuda será fornecida para universidade, especialmente para suas faculdades técnicas.

5. Os currículos devem ser revistos e desenvolvidos de forma a fortalecer os pertencimentos, fusão, abertura espiritual e cultural, e que unifica os livros didáticos sobre as disciplinas de história e educação nacional.

G. Informações:

Todos os meios de informação devem ser reorganizados sob o dossel da lei e dentro o quadro de liberdades responsáveis ​​que atendem às tendências cautelosas e ao objetivo de acabar com o estado de guerra. Em segundo lugar, espalhar a soberania do Estado do Líbano sobre todos os libaneses territórios:

Considerando que todas as facções libanesas concordaram com o estabelecimento de um estado forte fundado com base no acordo nacional, o governo do acordo nacional elaborará em plano detalhado de um ano cujo objetivo é difundir a soberania do Estado de Líbano sobre todos os territórios libaneses gradualmente com as próprias forças do estado. As principais linhas do plano devem ser as seguintes:

A. A dissolução de todas as milícias libanesas e não libanesas deve ser anunciada. As armas das milícias devem ser entregues ao Estado do Líbano no prazo de 6 meses, começando com a aprovação da carta do acordo nacional. O presidente da república será eleito. Um gabinete de acordo nacional será formado, e as reformas políticas serão ser aprovado constitucionalmente.

B. As forças de segurança interna serão reforçadas por meio de:

1. Abrindo a porta do voluntarismo a todos os libaneses sem exceção, começando a formação de voluntários de forma centralizada, distribuindo os voluntários para as unidades do
províncias, e submetendo-os a cursos de treinamento periódicos organizados.

2. Fortalecimento da agência de segurança para garantir o controle sobre a entrada e saída de indivíduos dentro e fora do país por terra, ar e mar.

C. Fortalecimento das forças armadas:

1. A tarefa fundamental das forças armadas é defender a pátria e, se necessário, proteger a ordem pública quando o perigo exceder a capacidade das forças de segurança interna para lidar com tal perigo por conta própria.

2. As forças armadas serão utilizadas para apoiar as forças de segurança interna na preservação segurança sob condições determinadas pelo gabinete.

3. As forças armadas devem ser unificadas, preparadas e treinadas para que possam assumir suas responsabilidades nacionais no confronto com a agressão israelense.

4. Quando as forças de segurança interna estiverem prontas para assumir suas tarefas de segurança, as forças armadas devem regressar aos seus quartéis.

5. A inteligência das forças armadas será reorganizada para servir aos objetivos militares exclusivamente.

D. O problema dos deslocados libaneses deve ser resolvido fundamentalmente, e o direito de todo libanês despejado desde 1975 para retornar ao local de onde foi despejado deve ser estabelecido. Legislação para garantir esse direito e assegurar os meios de reconstrução será emitida. Considerando que o objetivo do Estado do Líbano é espalhar sua autoridade sobre todos os territórios libaneses por meio de suas próprias forças, representadas principalmente pelas forças de segurança interna, e tendo em conta as relações fraternas que vinculam Síria para o Líbano, as forças sírias devem ajudar as forças dos legítimos Governo libanês vai espalhar a autoridade do Estado do Líbano dentro de um período definido
de não mais de 2 anos, começando com a ratificação da carta do acordo nacional, eleição do presidente da república, formação do gabinete do acordo nacional e aprovação constitucional das reformas políticas. Ao final desse período, os dois governos — o Governo Sírio e o Governo Libanês do Acordo Nacional — decidirá redistribuir as forças sírias na área de Al-Biq’a de Dahr al-Baydar para o linha Hammana-al-Mudayrij-‘Ayn Darah e, ​​se necessário, em outros pontos a serem determinado por um comitê militar conjunto libanês-sírio. Um acordo também deve ser concluído pelos dois governos para determinar a força e a duração da presença das forças sírias na área acima mencionada e definir a relação dessas forças com as autoridades do estado libanês onde as forças existem. O Comitê Tripartite Árabe é preparado para ajudar os dois Estados, se assim o desejarem, a desenvolver este acordo.
Terceiro, libertar o Líbano da ocupação israelense:

Recuperar a autoridade do Estado sobre os territórios que se estendem aos territórios internacionalmente reconhecidos.

As fronteiras libanesas exigem o seguinte:

A. Esforços para implementar a resolução 425 e outras resoluções do Conselho de Segurança da ONU pedindo a eliminação total da ocupação israelense.

B. Adesão ao acordo de trégua celebrado em 23 de março de 1949.

C. Tomando todas as medidas necessárias para libertar todos os territórios libaneses do território israelense ocupação, para estender a soberania do Estado sobre todos os territórios, e para implantar o exército libanês exército na zona fronteiriça adjacente Israel; e fazendo esforços para reforçar a presença das forças da ONU no sul do Líbano para assegurar a retirada israelense e proporcionar a oportunidade para o retorno da segurança e estabilidade na zona fronteiriça.

Relações libanesas-sírias:

O Líbano, com sua identidade árabe, está ligado a todos os países árabes por verdadeiras relações fraternas. Entre o Líbano e a Síria há uma relação especial que deriva sua força de
as raízes das relações de sangue, história e interesses fraternos conjuntos. Este é o conceito em que se baseia a coordenação e cooperação dos dois países, e que será consubstanciado pelos acordos entre os dois países em todas as áreas, de forma que realiza os interesses dos dois países irmãos no âmbito da soberania e independência de cada um deles. Assim, e porque o reforço das bases de segurança cria o clima necessário para desenvolver esses laços, o Líbano não deve ser autorizado a constituir uma fonte de ameaça à segurança da Síria, e a Síria não deve ser autorizados a constituir uma fonte de ameaça à segurança do Líbano em qualquer circunstância. Consequentemente, o Líbano não deve permitir-se tornar-se um caminho ou uma base para qualquer força, estado ou organização que procura minar sua segurança ou a segurança da Síria. Síria, que anseia pela segurança, independência e unidade do Líbano e pela harmonia entre seus cidadãos, não deve permitir qualquer ato que represente uma ameaça à segurança do Líbano, independência e soberania.

 

Deixe seus comentários

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar essas HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>