União Libanesa da Diáspora afiliada à União Libanesa Cultural Mundial.   secretaria@uniaolibanesa.net.br

Alan Biffany revela as bases da corrupção política e bancária com números e fatos

Em um recente estudo econômico que trata da crise no Líbano, o ex-Diretor Geral do Ministério das Finanças, Alain Biffany, viu que o Líbano está enfrentando uma crise multifacetada. Ele ressaltou que a crise econômica não é resultado apenas de políticas erradas, mas também da insistência dos políticos em esvaziar o Líbano de seu dinheiro.

A Milícia e o Estado

Bifani acredita – segundo estudo intitulado “A origem da crise no setor bancário libanês” e publicado no dia 28 de setembro, no Hoover Institute for Public Policy, com sede nos Estados Unidos da América – que a vitória da milícia sobre o estado pode ser a primeira razão para o colapso, esperando que esta milícia política triunfe mais uma vez sobre as instituições do Estado. Bifani prevê que o Líbano, que está à beira do abismo, pode estar em um encontro com potencial caos em grande escala, se não armado internamente. Por outro lado, Bifani concluiu, que a corrupção política, a “ilusão da flexibilidade do setor bancário”, a propaganda da mídia sobre o que se pode chamar de força do setor bancário e a burla do governador do Banque du Liban sobre as regras legais, além de distribuir fundos públicos aos bancos sob o pretexto de engenharia financeira, foram as causas subjacentes ao colapso esperado.

A Corrupção Política

Bifani acredita que a corrupção política foi o primeiro elo para causar o colapso, e a história do início da corrupção política remonta aos anos 90, com a bênção e participação da dupla – Nabih Berri (o atual Presidente do Parlamento) e ex-Premiê – O Ministro Rafic Hariri, que procurou estabelecer o que pode ser chamado de corrupção dentro das instituições. Seguindo esta abordagem, o Parlamento Libanês está se tornando um parceiro ativo na corrupção, paralisando assim completamente a função de supervisão crítica do ramo legislativo. Os dois homens (Bari-Hariri), com o apoio de outros partidos, conseguiram paralisar também o trabalho do judiciário, depois de paralisar o papel do poder legislativo e esvaziá-lo de sua essência, e isso por meio de duas ferramentas: A primeira: nomear personalidades corruptas no corpo judiciário e, em alguns casos, assumi-las em cargos importantes. A segunda: deixar os órgãos de supervisão judiciária vagos, para esvaziá-los de seu papel. Sem supervisão parlamentar ou judicial, a corrupção começou a crescer e o sistema perdeu sua impenetrabilidade. Assim, todos os partidos queriam sua parte, e a oposição mudou da vontade de responsabilizar o governo e seus membros para pressionar por uma parte do “bolo” ou pela divisão de lucros e dinheiro. Foi assim que a história começou. Em 1992, a lira libanesa entrou em colapso, a maior parte dos libaneses perdeu suas economias e a classe média foi eliminada, até o surgimento de Rafik Hariri, o campeão da estabilidade da moeda, segundo Bifani. No momento em que o Líbano entrou na era Hariri no final de 1992, a lira se estabilizou em paralelo com o fluxo de fundos do Golfo e investimentos para o regime. Para poder controlar a administração do país, Hariri foi forçado a regular esses fluxos financeiros redistribuindo fundos para senhores da guerra, novas elites e todas as autoridades de fato no local. Nomeou Riad Salameh governador do Banque du Liban. Eles (Hariri – Salameh) tentaram fazer com que a lira subisse muito lenta e regularmente em relação ao dólar, apesar do alto custo, para confirmar a influência de Hariri.

A lira e o dólar

O segundo motivo para chegar a esta crise foi a lira libanesa. Salameh atrelou-o ao dólar, mas sem nenhuma ação legal ou regulatória para restringir a atrelagem. Isso teve custos muito elevados, pois foi um dos principais motivos do esgotamento das reservas cambiais. Pode-se argumentar que a estabilidade surgiu por causa da atrelagem entre a lira e o dólar. E pode ser verdade. Mas o resultado é ruim. O link foi um catalisador para a importação de bens e serviços, em vez de produzir localmente. A balança comercial e a conta corrente apresentam déficits muito grandes, ano após ano. Apesar disso, o sistema continuou a atrair entre 7 e 10 bilhões de dólares a cada ano por dois motivos: Primeiro: pague juros mais altos. O segundo é a ilusão da força excepcional do setor bancário, ou a chamada resiliência libanesa, que foi capaz de desafiar a lógica e a gravidade. Isso significa que a origem da crise começou na década de 1990, quando o banco central precisava constantemente de ingressos de dólares para compensar o déficit em conta corrente.

A verdadeira falência do Líbano

O Líbano já enfrentou falência várias vezes, mas este caso não estava claro, o que podemos observar através de: – Em 1998, o regime estava à beira da falência e Rafik Hariri lutava para encontrar uma saída. Mas ele falhou, pois encontrou em sua batalha política com Emile Lahoud uma oportunidade de se juntar à oposição e adiar o colapso econômico. Depois de retornar ao palácio, ele imediatamente iniciou a política de abertura das fronteiras, reduzindo significativamente as taxas alfandegárias e outras medidas que inundaram o mercado libanês com produtos estrangeiros concorrentes e dizimaram setores produtivos e empregos. O governo esperava uma recuperação do crescimento. Mas a economia real começou a pagar um preço muito alto: o Ministério da Fazenda, por exemplo, estava sangrando com taxas mais baixas e imposto de renda mais baixo. Em 2002, estimou-se que as reservas líquidas caíram para menos de US $ 3 bilhões. Naquela época, o presidente francês Jacques Chirac tentou salvar seu amigo próximo, e Hariri convocou uma conferência de doadores para o Líbano na capital francesa. A conferência arrecadou promessas no valor de US $ 4,4 bilhões em apoio ao vacilante sistema libanês, e esta foi uma oportunidade para adiar o grande colapso. Depois de quase duas décadas, pode-se concluir que os episódios da conferência de Paris foram um poderoso ímpeto para uma política desastrosa e um sistema corrupto. – Em 2005, com o assassinato de Hariri, o cenário começou a mudar: um estado de incerteza prevaleceu no Líbano, e com grande habilidade, Riad Salameh, o governador do Banco Central, aproveitou a oportunidade para substituir “Hariri” como uma figura de estabilidade, e utilizou com força todo o possível para criar uma imagem ou propaganda. O banco central gastou muito dinheiro para apoiar a mídia e vários grupos de opinião. – Em 2006, a devastadora guerra israelense no Líbano causou a realização da Conferência de Doadores Paris III, e US $ 7,6 bilhões foram prometidos ao Líbano (quase metade desse montante foi desembolsado). Isso foi o suficiente para dar ao país algum tempo extra, e o governador do banco central não estava preparado para soar o alarme. Ele estava ocupado construindo uma imagem de si mesmo como um super-herói que poderia lidar com todas as situações. – Em 2008, o Líbano recebeu enormes ingressos de dinheiro devido à fuga de investidores para os países em desenvolvimento. Como resultado, o setor bancário do Líbano recebeu novos depósitos equivalentes a 59 por cento do PIB. – Em 2009, despejou no Líbano um total de US $ 20,7 bilhões. Em vez de aproveitar essa grande oportunidade para atualizar a infraestrutura e melhorar as redes de segurança, o governo abusou do superávit orçamentário. No final de 2011, a situação era grave. A guerra síria começou, o que levou ao aumento da volatilidade no Líbano. Além disso, instabilidade política, distúrbios comerciais e de trânsito. Os estados do Golfo começaram a esvaziar seus imóveis e depósitos libaneses, em resposta ao crescente papel do Hezbollah no Líbano e sua intervenção na Síria. Todos esses fatores contribuíram para a queda do balanço de pagamentos, atingindo um nível baixo: 26,2% do PIB em 2014. colapso da pirâmide Salameh escondeu os dados financeiros e nem mesmo o Presidente da República, o Primeiro-Ministro ou mesmo os seus deputados os viram. Na época, os bancos comerciais estavam sob pressão do banco central para encontrar maneiras de atrair dólares do exterior. O Banco Central optou por intervir entre o governo e os bancos para comprar papéis do governo a preços baratos em libras e vender certificados de depósito aos bancos a taxas mais altas. É claro que isso permitiria aos bancos comerciais manter a “ilusão” de lucros crescentes, com os quais enganaram os depositantes. Foi então que alguns banqueiros começaram a se perguntar: Como os bancos em particular podem atrair depositantes de outros bancos pagando dinheiro extra aos depositantes? De fato, o princípio da “engenharia financeira” lançado pelo Banque du Liban em 2016, fez com que os bancos trouxessem novos dólares do exterior em troca de Eurobônus concedidos pelo banco central. Paralelamente, trazer títulos do tesouro denominados em lira para o banco central em troca de pagamentos em dinheiro em libras gera uma porcentagem muito alta de retornos de até 35%. E então o Bankmed e o Bank Audi se beneficiaram disso no final de 2015. Quando o Bankmed enfrentou a ameaça de falência devido à sua forte exposição ao Oger saudita, Riad Salameh decidiu usar dinheiro público para salvar os bancos, sem permissão de ninguém. Essas operações teriam exigido um ato do Parlamento, mas ele não o fez. Meses após o início dessas operações, outros banqueiros começaram a reclamar com os políticos, e o governador teve que admitir que já havia fornecido dinheiro, e como resultado da grande pressão dos políticos, para tratar os bancos em pé de igualdade, os fundos públicos foram distribuídos para as demais instituições financeiras.

Reestruturando a dívida libanesa

Como uma tentativa de salvar a situação, o então Ministro das Finanças Ali Hassan Khalil anunciou no início de 2019 que ele estava trabalhando para reestruturar a dívida libanesa antes do declínio. Em poucos dias, a Moody’s rebaixou o Líbano para Caa1, e a Fitch e o CCC fizeram o mesmo. O Líbano já estava pagando 20% a mais em dólar. No final da primavera de 2019, os bancos comerciais haviam introduzido sérias restrições ao saque dos depositantes, e esse foi um dos fortes motivos do movimento popular iniciado em 17 de outubro de 2019. Naquele momento, os bancos – com o apoio da Central Governador do banco – decidiu fechar. Após a renúncia do Primeiro Ministro Saad Hariri, o governo decidiu pagar $ 1,6 bilhão aos detentores de títulos internacionais. Essa quantia deixou o país imediatamente, na ausência de controles de capital. O país foi dividido entre aqueles que estavam sugando dólares até o último centavo e aqueles que viram suas economias desaparecerem. Hariri e seus ministros, que representam as várias elites, controlam o país e são acionistas dos bancos. E quando o novo governo tomou posse em fevereiro de 2020, a inadimplência era inevitável, especialmente depois que os bancos restringiram o acesso a dólares a quantias muito pequenas, enquanto o banco central não divulgou os números interessantes. Neste ponto, o Líbano se tornou único em termos da situação em que o governador do Banco Central pode impedir o presidente e o primeiro-ministro de acessarem as informações. Biffany e sua equipe, juntamente com consultores da Lazard, elaboraram um plano de recuperação, desenvolveram um diagnóstico adequado e cobriram várias ações necessárias, incluindo reestruturação da dívida, reestruturação do banco central e do setor bancário como um todo, reforma fiscal e a criação de redes de segurança social. O plano foi aprovado por unanimidade em abril de 2020. Esta foi a primeira vez que o governo libanês apresentou um diagnóstico adequado ao reconhecer as perdas reais no sistema. Mas as perdas foram enormes e aceitá-las teria consequências terríveis para o sistema criminal, então o plano foi interrompido.

Conluio do Banco Central e dos bancos

O ataque à central foi muito violento por parte dos depositantes por causa do plano de Hair Cut, ao qual ele recorreu para atrasar o colapso e ganhar tempo. Nesse ínterim, todos os bancos rejeitavam esse plano, o que poderia ser considerado uma posição absurda, mas populista, uma vez que foram os bancos que impuseram cortes sistemáticos a todos os depositantes que queriam sacar dinheiro de suas contas. Embora o plano do governo fosse especificamente proteger todos os depositantes médios e pequenos. Em contrapartida, os bancos ainda estavam descarregando Eurobônus e Hair Cut, mas além disso, o dinheiro é contrabandeado para o exterior para o benefício dos mais fortes, e talvez para alguns políticos, parlamentares ou acionistas de bancos. E tudo isso à sombra do sigilo bancário. Alguns banqueiros estavam dizendo a seus colegas americanos que o plano do governo era entregar o setor bancário ao Hezbollah, enquanto os mesmos banqueiros reclamavam no dia seguinte aos líderes do Hezbollah que o plano do governo é colocar o sistema sob supervisão do FMI para restringir a liberdade do partido de ação no sistema financeiro. Eles também disseram a vários diplomatas que a auditoria forense se destinava apenas a ir atrás do banco central em um lado do espectro político, enquanto o plano do governo incluía auditorias de demanda legítima em todas as compras públicas e empresas estatais. Paralelamente, os banqueiros trabalharam para desenvolver seu próprio plano de reestruturação, que se resume em vários pontos: Primeiro: Transferir a propriedade de todos os ativos públicos para o setor bancário. Embora não haja uma avaliação precisa desses ativos. Segundo: o plano depende do congelamento dos depósitos por um longo tempo, ao invés de aceitar que isso é um corte de cabelo muito grande nos depósitos, e os banqueiros se recusam a reestruturar a dívida denominada em liras para limitar o tamanho de suas perdas sem tomá-la em consideração. cumplicidade política O governador perdeu muito tempo imprimindo uma grande quantidade de liras, inflamando assim a moeda local em relação ao dólar e permitindo muito um hair cut nos depósitos em dólares (Lollars), que prejudicaram tantos depositantes, que até o FMI mostrou-se muito preocupado com o dano que atrapalha depositantes e a população, em meio à indiferença à autoridade política. A lira seria fixada em cerca de 4.000 por dólar em dois anos, protegendo os depositantes médios de qualquer perda e atraindo cerca de US $ 27 bilhões em novos dólares em cinco anos. Esse processo está normalizando algumas coisas até o final de 2022, mas as elites políticas, em vez disso, optaram deliberadamente por não fazer nada, fazendo com que a lira desmoronasse para tão baixo quanto 20.000 por dólar, sem espaço para impedir seu declínio. Eles também decidiram que todos os depositantes perdessem cerca de 90% de seu dinheiro até o momento e impediriam o Líbano de acessar novos fundos grandes.

Bifani concluiu, dizendo: “Para aqueles políticos e banqueiros, que argumentam que os bancos libaneses mais uma vez serão capazes de atrair bilhões de dólares de depositantes após o retorno da confiança, eles devem ser questionados, o que você fará com esses bilhões e onde você vai colocá-los? Eles também devem ser perguntados, onde você tem essa confiança no retorno do fluxo de fundos para o Líbano O banco central falido não será capaz de usar a estratégia de juros altos para atrair fundos, e o mercado interno não pode absorver bilhões de empréstimos e, portanto, a entrada de fundos no Líbano precisa ser repensada.

Deixe seus comentários

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar essas HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>