União Libanesa da Diáspora afiliada à União Libanesa Cultural Mundial.   secretaria@uniaolibanesa.net.br

Além dos caminhões tanques … procure pelo Raissi *

Por Sami Klaib – Jornalista Libanês

A visão dos caminhões tanques de diesel iranianos vindo por mar do Irã e cruzando por terra na Síria, e chegando sem qualquer objeção ao Hezbollah no Líbano, não é algo comum. O que aconteceu é semelhante aos grandes eventos ocorridos na região há décadas . Portanto, lidar com isso com cálculos políticos internos estreitos no Líbano é uma ilusão ou um desequilíbrio estratégico que trouxe o país e a região ao que se alcançou.

É um pouco semelhante, por exemplo, à decisão do Hezbollah de se envolver na guerra síria. Naquela época, foi a liderança do partido que decidiu e persuadiu o Irã a apoiar a liderança síria, porque alguns dos líderes iranianos estavam hesitantes, e alguns deles eram contra o presidente Bashar al-Assad, e entre eles, por exemplo, o ex-presidente Ahmadinejad. O mesmo considerava que Assad estava “acabado” e criticava a violência contra os manifestantes, mas o Líder da Revolução, Ali Khamenei resolveu a questão e entregou as chaves ao Sayyed Hassan Nasrallah e ao comandante da Força Quds, General Qassem Soleimani.

Hoje, é importante vincular a etapa dos caminhões à chegada do Sr. Ibrahim Raissi à presidência do Irã, e também é importante olhar para o retorno do Irã à lógica do rigor nas negociações nucleares com os Estados Unidos e o Ocidente sem fechar a porta para negociações incondicionadas. Em terceiro lugar, é importante olhar para a recusa do Irã em pressionar Ansar Allah, os Houthis, a encerrar a guerra no Iêmen, apesar das três rodadas de negociações Irã-Saudita. Em quarto lugar, é importante monitorar o Movimento iraniano nos dias de hoje em direção ao Iraque antes das eleições legislativas, e monitorá-lo também em relação à presença americana na Síria, a fim de perceber que há um novo clima em Teerã que sugere uma revisão profunda da estratégia externa e elevação do nível de extremismo, mesmo que se trate de confronto.

Não é possível compreender este novo clima, sem conhecer o profundo e distante protagonismo que Sayyed Nasrallah desempenha em vários dossiês regionais do Iraque ao Iémen, Palestina e Líbano, porque é ele quem gere boa parte do que está acontecendo, e o Irã, nesse sentido, depende dele e não o contrário. Alguém realmente sabe que tipo de reuniões ele realiza com os partidos da região para endurecer a posição do eixo de resistência?

Desta vez, sob a liderança de Raissi e a liderança de Khamenei, o Irã não precisou de um grande esforço persuasivo de Nasrallah. O partido, que é um de seus pilares externos mais importantes, decidiu no momento de confusão americana e prontidão para se retirar do Afeganistão e no momento de uma aliança séria entre Teerã, China e Rússia, que existe uma grande oportunidade estratégica para romper o cerco. Pela força no Líbano e na Síria, ele enviou uma mensagem, por mar e por terra, sobre os limites do confronto.

Todas as informações indicavam que Teerã e o partido estavam prontos para responder militarmente se os petroleiros fossem atacados por Israel ou os EUA. Quando o partido apresentou a ideia a Teerã, ela respondeu rapidamente, porque o assunto é totalmente consistente com a atual atmosfera geral desde que os dois presidentes (do Irã e da Síria) tomaram posse.

Há quem diga que isso aconteceu por meio de um entendimento tácito com Washington. Isso parece difícil no momento. A América, ao contrário, apressou-se em buscar ajuda do Egito e da Jordânia para extrair gás egípcio e eletricidade da Jordânia, e chegou até a excluir este assunto da lei de César para preceder o petróleo iraniano para o Líbano. Este movimento do partido foi precedido por uma elevação de alto nível do discurso de Nasrallah contra a embaixadora americana em Beirute, Dorothy Shea.

Não há dúvida de que resolver o nó da chegada do petróleo iraquiano a Beirute também foi resolvido após a visita do primeiro-ministro Mustafa Al-Kazemi a Teerã, que está disposto a obter luz verde implícita da liderança iraniana para permanecer no cargo de primeiro-ministro para um segundo mandato, porque alguns partidos internos no Iraque que são afiliados ao Irã hesitam muito, e até trabalha contra a sobrevivência de Kazemi.

No Iraque, onde o Irã tem uma presença central distribuída entre os Guardas Revolucionários e a inteligência  “Ittilaat”, o quadro parece confortável para Teerã cerca de três meses antes da retirada militar americana, apesar dos esforços do Golfo para modificar o quadro.

É claro que a região testemunha na atualidade um movimento coerente e integrado de um “eixo” que se estende de Teerã ao Iraque, Síria e Líbano a Palestina, movimento que não reconhece implicitamente as fronteiras no âmbito do projeto estratégico, e aumenta as chances de sua dependência do Leste Sino-Russo.

É claro também que o eixo oposto, seja localmente no Líbano, seja regional ou internacionalmente, não tem um projeto claro ou efetivo, o que deixa amplo espaço para fazer a seguinte pergunta: e se a América optasse por lidar com essa maré estratégica com uma base xiita, como fato consumado, E ela escolheu que o mais adequado para ela no futuro é contar com as minorias?

A questão é posta, assim como também está sendo levantada, a possibilidade de Israel escapar de seus controles e tentar quebrar esses episódios interligados com uma aventura militar na crença de que as perdas hoje, por mais severas que sejam, são “melhores” do que as perdas amanhã quando o eixo deste eixo se solidificar mais e se aproximar fortemente das fronteiras da Palestina.

Os árabes próximos ao eixo ocidental estão tentando contornar o que está acontecendo. Eles se reúnem ao nível do Egito, Jordânia e Iraque, e estão se aproximando da Síria, e alguns deles estão estreitando as relações com Israel, mas não está claro como eles podem depois de hoje, repelir essa expansão iraniana, que teve sucesso, pelo menos até agora, está se impondo em cinco países árabes: Iraque, Síria, Líbano, Iêmen e Palestina. Quando a última cúpula de Bagdá para o Diálogo e a Parceria foi realizada, o ministro das Relações Exteriores iraniano assumiu a liderança e agiu como se fosse um presidente e não apenas um ministro de Relações Exteriores.

Com base em tudo o que precede, talvez o movimento dos petroleiros trans fronteiriços deva ser visto, não de uma perspectiva local estreita, mas desta perspectiva ampla, que se baseia na mudança que ocorreu no Irã desde a adesão de Ibrahim Raissi à presidência.

Com isso, o partido conseguiu dar um golpe notável social, político, de segurança e de mídia, ao restaurar o brilho de que o povo precisava desde o levante de 17 de outubro de 2019, ao ameaçar os cartéis dos monopólios do petróleo, ao golpear a ideia de Neutralidade que o Patriarca Bechara Al-Rahi professou, e na vinculação das relações libanesas-sírias diretas. O governo, que precisa do seu apoio, permaneceu em silêncio apesar de perceber que o que ele está fazendo transcende o estado e quebra as fronteiras. Apoiadores ou aspirantes à vitória eleitoral do partido e afeto político apoiaram a movimentação dos tanques, e grande parte da população do Líbano se alegrou com a chegada do petróleo a eles depois de terem sofrido humilhações, mas isso não importa, o mais importante é que estamos em uma nova etapa isso requer outra leitura, especialmente desde a última cúpula russo-síria e o que se seguiu com Teerã, importa confirmar que o eixo está agindo com uma postura de força e quer que a América reconheça seu fato consumado, se quiser negociar.

Mas está resolvido aqui? Não é certo, o eixo ocidental, junto com Israel, também pensa em como responder, pois isso também aumenta as capacidades da China, que é a preocupação mais importante da América e do Ocidente. Será que os EUA aumentarão as tensões ou irão para as negociações? Esta é a questão.

  • Raissi – É o Presidente Ibrahim Raissi eleito recentemente na República Islâmica do Irã

Deixe seus comentários

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar essas HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>