União Libanesa da Diáspora afiliada à União Libanesa Cultural Mundial.   secretaria@uniaolibanesa.net.br

Beatos Leonard Melki e Tuma Saleh

Tema: Eventos Marcantes

Periodo: De 2020 até 2022

Pais: Líbano

Cidade ou vilarejo: baabdat

Tipos de arquivo: Fotos

Família: Melki

Família: Saleh

O Líbano ganhou dois novos beatos. Leonard Ouaiss Melki e Tuma Saleh. Quem são eles?
 
Leonard Owais Melki nasceu em 1881 em Baabdat, batizado na Igreja Maronita. Logo depois, o pessoal em Baabdat se dividiu entre maronitas e latinos. Segundo Fares Melki, que está familiarizado com o caso de beatificação, relata que “os parentes de Leonardo se mudaram para a Igreja latina e foi confirmado nela”, acrescentando: “Quando cresceu, ele se juntou ao monastério capuchinho em seguida seu família o enviou para o seminário na Turquia e lá estudou por cerca de 12 anos, graduou-se e obteve o certificado de missionário papal e que lhe conferiu em 1906 a autorização para missionário nas regiões para as quais foi designado. Leonard Melki estava em contato com os jovens na Turquia e foi mentor da Irmandade de São Francisco. Segundo Fares Saleh “quando a guerra mundial explodiu, os cristãos na Turquia foram perseguidos e Leonard Melki preso, torturado e morto em 11 de junho de 1915″.
 
Quanto a Tuma Saleh, ele também nasceu em Baabdat em 1879. Ainda criança, foi batizado na Igreja Maronita, sua família mudou-se para a Igreja Latina, filiou-se ao Monastério dos Capuchinhos e estudou na Turquia. Fares Melki conta que “Leonard Melki estava no distrito de Martin, enquanto Tuma Saleh estava em Diyarbakir na Turquia”. Complementa, “Os monges foram expulsos de Deir Bakr, então eles foram para outro mosteiro em Urfa, onde os turcos invadiram o bairro armênio quando um padre armênio que estava no meio fugiu e se escondeu no mosteiro dos capuchinhos, onde estava o padre Saleh, que cuidou e o protegeu por mais de um ano. Quando os turcos pegaram o padre armênio, eles prenderam todos os monges do mosteiro e os levaram a julgamento perante a corte otomana. Os otomanos transportaram os monges capuchinhos a pé de Urfa para a cidade de Adana, uma distância de quase 300 km. Durante esse período, Saleh foi infectado com o vírus da tifo, e no meio da estrada, especificamente na cidade de Marash, morreu em 18 de janeiro de 1917.
 
A Ordem dos Capuchinhos apresentou um pedido de beatificação de Leonard Owais Malaki e Tuma Saleh, e levou o caso ao Sínodo dos Santos em Roma. Após a beatificação, a Igreja Católica e a Ordem dos Capuchinhos do Líbano celebraram as beatificações neste dia 4 de junho no Mosteiro da Cruz em Jal El Dib ao norte de Beirute. Os monges Leonard Melki e Tuma Saleh recebem o título de Beatos na Igreja Católica Apostólica Romana.