União Libanesa da Diáspora afiliada à União Libanesa Cultural Mundial.   secretaria@uniaolibanesa.net.br

As repercussões econômicas e geopolíticas da explosão do porto de Beirute

13 de Agosto de 2021 pelo Professor Maroun Khater*

O bombardeio do porto de Beirute coincidiu com a intensificação da crise econômica e da saúde, e constituiu o som retumbante do colapso prometido. Em 4 de agosto de 2020, o porto de Beirute e Beirute foram destruídos, o coração do Líbano foi apunhalado e seu rosto explodiu! A explosão portuária tem repercussões de dimensões econômicas e geopolíticas, todas entrelaçadas e entrelaçadas interna e externamente.

Na economia, o abastecimento de alimentos, 85% dos quais importados, foi afetado. O portal de entrada e de saída do Líbano para o mundo foram fechados. A instalação que protege mais de 70% do tráfego comercial e quase 90% do tráfego de contêineres foram destruídas. O Estado perdeu uma grande quantidade de receita, estimada em meio bilhão de dólares por ano. O Líbano ficou sem nada além de oportunidades perdidas devido à incapacidade logística e técnica de reiniciar o porto em um futuro previsível por um lado, e por causa da perda de confiança no fracassado Estado Libanês por outro lado.

Economicamente, o dia 4 de agosto se tornou o dia em que o Líbano foi declarado um país desastrado. O UNICEF indica, com base em uma pesquisa realizada em julho de 2021, que 70% das famílias pesquisadas solicitaram assistência alimentar após o bombardeio, que sua situação ainda é ruim e que sua necessidade de assistência está aumentando constantemente. Por outro lado, os resultados da pesquisa indicam que 50% dos adultos ainda sofrem pressões psicológicas devido ao horror do desastre. O bombardeio que destruiu instituições, empresas e negócios levou à perda de milhares de empregos, obrigando-os a buscar ajuda para atender às necessidades de seus familiares, especialmente crianças. A propagação da Pandemia do Corona contribuiu para a exacerbação da crise de vida e saúde do povo libanês. Dados da ONU indicam que pelo menos uma pessoa em cada quatro famílias contraiu COVID-19 desde o bombardeio. Em um contexto relacionado, a pesquisa da UNICEF mencionada acima indicou que quase 70% das famílias pesquisadas não receberam cuidados de saúde ou medicamentos desde aquele dia fatídico. O bombardeio causou danos de vários graus de gravidade a mais de 160 escolas, afetando a educação de quase 90.000 alunos em escolas públicas e privadas. O atentado de 4 de agosto exauriu o que restava da resistência do povo libanês.

As Nações Unidas estimam que mais de dois milhões de libaneses precisam de ajuda humanitária para cobrir suas necessidades básicas, incluindo acesso a alimentos, saúde, educação e água. Quanto à dimensão geopolítica da explosão portuária, ela está conectada, causalmente ou em consequência, ao conflito de longa data dos portos da bacia do Mediterrâneo Oriental. Neste contexto, não há dúvida de que a destruição do porto constitui um serviço ou mesmo uma meta real para o inimigo israelense, que deseja substituir o porto de Beirute pelo porto de Haifa como ponte econômica entre o Oriente e o Ocidente, entre outros objetivos. Em outro contexto conectado às dimensões geopolíticas e geoestratégicas, a reconstrução do Porto de Beirute acende a competição entre potências e eixos conflitantes dispostos a investir em uma era pós-Líbano.

Um aspecto dessa rivalidade duvidosa é a iniciativa chinesa de reviver a antiga Rota da Seda, que passa pelo porto ocupado de Haifa. O plano chinês se cruza com o desejo da Rússia de consolidar sua posição neste ponto quente e gordo, sem negligenciar o interesse iraniano em tomar um porto seguro e fortificado no Mediterrâneo. Por outro lado, os países ocidentais, especialmente os europeus, e por trás deles os Estados Unidos, buscam preservar seus privilégios pressionando por soluções que evitem transformações. A multiplicidade de ofertas de um lado, e o silêncio do Estado libanês, que está atolado em suas crises a respeito, de outro, indica a presença do Líbano no centro da tempestade de tensões regionais e internacionais. O porto arruinado e quebrado de Beirute se assemelha ao Estado Libanês ferido, paralisado e relutante em se levantar, esperando por uma palavra secreta que pode ser: “Seus pecados estão perdoados, levante-se, pegue sua cama e ande.”

Com base no exposto, podemos dizer que a reconstrução do Porto de Beirute deve estar ligada, orgânica e estrategicamente, aos motivos de seu bombardeio. Portanto, supondo que os demais fatores sejam iguais, e se a reconstrução do porto de Beirute estiver ligada à identidade de quem vai construí-lo e de quem está por trás, esse crime tem como alvo a face, a identidade e a posição histórica do Líbano. O bombardeio, em suas causas e objetivos, se identificam com as causas e objetivos da crise econômica, em dois precedentes que alertam para a mistura de papéis que podem mudar as características do Líbano e empurrá-lo para incógnitas mais sombrias. 4 de agosto, uma ferida aberta a todas as possibilidades, os dias não curam e a verdade pode curá-la! Pode ser …

O professor Maroun Khater é um Acadêmico Libanês e pesquisador em assuntos financeiros e econômicos. Ele pode ser seguido no Twitter em: @professorkhater

Deixe seus comentários

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar essas HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>