União Libanesa da Diáspora afiliada à União Libanesa Cultural Mundial.   secretaria@uniaolibanesa.net.br

Banco Central do Líbano promete dias difíceis aos libaneses. E agora?

Os libaneses, estejam no Litoral ou no Interior, devem se preparar para um inverno rigoroso. Isto é o que lhes promete o Banco Central do Líbano, que não tardará a cumprir a sua contínua asfixia de seus meios de subsistência. Em menos de um mês, o Banco Central suspenderá seu apoio total a todos os combustíveis, e os preços passarão da lira libanesa para o dólar norte americano de forma irreversível.

Membro do Sindicato dos Proprietários de Postos de Combustível, George Al-Barraks, afirmou em entrevista ao Al-Ahed que esse cenário acontecerá em um futuro próximo, e disse que “o subsídio do Banco continua em 20% apenas e se esta política permanecer no mesmo ritmo, testemunharemos durante as próximas duas semanas um fim total desse subsídio.”

Segundo Al-Barraks, a decisão cabe exclusivamente ao Banco Central, e os preços não serão baseados no câmbio oficial, mas de acordo com as taxas do mercado negro. O que resta do apoio até hoje é de apenas 20%, e o banco vai decidir se vai dividir o aumento gradativamente em 10% na próxima semana, e depois 10% na semana seguinte, de acordo com as estimativas de Al-Barraks.

Al-Barraks indicou que o banco informa periodicamente ao Ministério da Energia as taxas do subsídio além das empresas importadoras de petróleo. Na véspera do inverno, as coisas vão piorar. Isso é o que se entende e fica claro nas palavras de Al-Barraks, que disse a Al-Ahed que “estamos caminhando para um inverno muito difícil por causa dos preços do diesel vindo do Mar Negro, e isso é inevitavelmente afetado pelo mercado russo e a crise ucraniana.” Acrescentou: “O fluxo de combustível da Rússia para os países europeus tornou-se quase fechado, diesel e gás, e por esta razão, as quantidades de importação diminuíram nesta região, incluindo o Líbano.”

Al-Barraks esperava que “o aquecimento do óleo combustível na temporada de inverno leve a uma segunda crise diante das quantidades insuficientes no Líbano, paralelamente à necessidade dos países europeus de diesel para a mesma finalidade. Mas a ironia é que esses países já começaram a fazer planos para racionalizar o consumo de energia, como é o caso da França.”

Al-Barraks salientou que “ninguém pode determinar o preço do galão de óleo diesel no inverno”, explicando que “o assunto está relacionado à base de oferta e demanda, o preço do barril de petróleo e os desenvolvimentos da situação entre a Rússia e a Ucrânia.” Ele destacou que as empresas importadoras estão fazendo grandes esforços para garantir quantidades de combustível para o Líbano.

Ressalta-se que em termos de crise energética mundial, o gasoduto Nord Stream-1, principal fornecedor de gás natural na Europa, está suspenso, e a Rússia responsabiliza os europeus, bem como as dificuldades na entrega dos embarques de gás, enquanto vários os países temem enfrentar a escassez de gás.

Deixe seus comentários

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar essas HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>