A União Libanesa Cultural Mundial sediada no prédio do Ministério de Exterior do Líbano é o órgão representativo oficial da Diáspora Libanesa. A União Libanesa da Diáspora é sua filial em São Paulo.    A União Libanesa da Diáspora é uma Associação Brasileira que agrega líderes e membros da Comunidade Libanesa no Brasil com sede em São Paulo.

Chipre impõe condições impossíveis para permitir que bancos libaneses continuem operando

Relato econômico e financeiro do Asharq Al-Awsat– Por Ali Zein El Din – tradução dr. Assad Frangieh

Um grupo de bancos libaneses que operam em Chipre chegou à decisão de abandonar definitivamente a sua rede de unidades espalhadas na ilha, devido às preocupações do Banco Central de Chipre sobre o risco crescente decorrente do agravamento da crise no Líbano, e a intensificação das pressões políticas e judiciais internas no Líbano sobre o setor financeiro, e a consequente disseminação de “incertezas” entre as autoridades monetárias estrangeiras quanto à presença direta de instituições bancárias libanesas.

O jornal Asharq Al-Awsat informou que as comunicações tratadas pelo Banco Central do Líbano e a Comissão de Controle Bancário, bem como as tentativas dos departamentos bancários envolvidos, não fizeram nenhum progresso com o Banco Central de Chipre que suavizariam sua posição em termos das “condições impossíveis” que impôs às unidades bancárias libanesas, em troca de lhe permitir continuar as suas atividades na ilha.

À luz do fracasso dos esforços, espera-se que a autoridade monetária em breve emita instruções diretas ou uma circular oficial de que a continuação das atividades bancárias diretas em Chipre não seja viável, devido à falta de oportunidades de atividade de crédito ou financiamento através do recursos disponíveis na rubrica de depósitos, e para não suportar perdas e custos. Nos orçamentos dos principais centros bancários, especialmente no que diz respeito ao cumprimento da condição de levar novas transferências em divisas em troca da manutenção de recursos não operáveis, independentemente das capacidades disponíveis para cada banco separadamente, que o Banque du Liban prefere depositar em bancos correspondentes que continuam a cooperar com bancos locais. O Banco Central exige a formação de reservas obrigatórias iguais a 105% do total de depósitos listados nos balanços das agências cipriotas dos bancos libaneses, e a imposição de uma taxa anual de 5 por mil sobre essas garantias, o que significa automaticamente “esterilização ” de todos os recursos financeiros destas agências e impedindo quaisquer investimentos no mercado de financiamento, fora do seu capital, bem como o custo humano e técnico de gestão de fundos de depositantes com retornos negativos.

Notou-se que as correspondências do Banco Central de Chipre com o seu homólogo libanês e com os departamentos dos bancos envolvidos incluem anexos contendo extratos de relatórios internacionais e instituições de classificação sobre a alta gravidade dos riscos que envolvem o setor financeiro libanês, e avisos publicados na mídia, e verbalmente em comunicações diretas e conversas, mostrando grande preocupação com acusações políticas. Casos locais dirigidos ao Banco Central e ao sistema bancário, bem como os processos contra o Governador do Banque du Liban, Riad Salameh, e os chefes dos maiores bancos que operam no Líbano.

Um funcionário libanês preocupado diz: “Estamos cientes de que o que o Banco Central de Chipre solicitou para depositar 105% dos depósitos das agências bancárias libanesas que operam em Chipre é uma decisão injusta , e provavelmente nos informou dessa saída voluntária. O governador cipriota escreveu-nos sobre o assunto e explicou a impossibilidade de implementação para quem pretenda preservar a sua atividade, com a nossa disponibilidade para tranquilizar todos os titulares de direitos e garantir a reserva máxima de depósitos superiores às taxas aprovadas. crise económica e financeira na ilha”. Fontes bancárias e acompanhamento de Asharq Al-Awsat indicaram uma contínua expansão do fenômeno de pressões que assediam a expansão regional e internacional dos bancos libaneses, sob os mesmos pretextos.

Nos últimos desenvolvimentos, as administrações dos bancos libaneses que operam na França viram uma tendência semelhante entre suas autoridades monetárias de impor condições severas e solicitar a injeção de reservas e garantias excepcionais para manter as atividades das agências e escritórios bancários afiliados. Um alto funcionário bancário observa o custo moral e financeiro, que não é compensável, pela forte contração no mapa da propagação regional e internacional do setor financeiro libanês como resultado da eclosão das crises financeira e monetária no início, e sob o peso das acusações de atores políticos de esbanjamento do dinheiro dos depositantes investindo em investimentos junto ao Banco Central e em carteiras de dívida.

Por outro lado, o setor financeiro carece de um guarda-chuva legal de proteção devido à persistência em retardar a emissão da Lei de Remessas e Restrição de Capital (Capital Controle) para ajudá-lo a enfrentar as condições impossíveis a que recorrem as autoridades financeiras nos países do expansão do setor financeiro libanês, e evitar a geração de queixas contra ele em tribunais estrangeiros nos moldes da decisão.  Esta última proferida por um tribunal britânico, enquanto o governo anterior liderado por Hassan Diab levou à expulsão do Líbano dos mercados financeiros internacionais com a sua decisão, na primavera de 2020, de suspender o pagamento de obrigações de dívida, de modo a vencer a carteira total de obrigações governamentais “Eurobonds” programadas anualmente até 2037, com um valor atualmente em torno de 35 bilhões de dólares.

Com a antecipação da saída iminente de nove sucursais de bancos libaneses em Chipre, é provável que a maioria das carteiras de depósitos sejam transferidas para três bancos detidos por bancos e investidores libaneses, mas com uma identidade cipriota ou europeia nas suas licenças, salientando que a migração de empresas e famílias libanesas e as operações imobiliárias estão registrando um aumento constante para a ilha, o que privará os bancos que partem de oportunidades excepcionais para aumentar as suas atividades nas áreas de captação de depósitos e bombeá-los em operações de crédito para o benefício de novos clientes que automaticamente desfrutam de solvência por meio de seus negócios e economias.

A perda da presença direta no mercado cipriota representa a estação mais próxima de acabar com a presença de bancos libaneses em 6 países e, portanto, é um fim “trágico” para um longo período de atividade que remonta a meados dos anos setenta do século passado, quando a ilha formou uma plataforma próxima para transformar muitas atividades financeiras fugindo da fornalha das guerras internas libanesas. As sanções à Síria garantiram a transferência do restante da presença bancária libanesa, de unidades independentes de propriedade e administradas por bancos no centro, para unidades sírias com contribuições libanesas. Observe que as sanções dos EUA anteriormente obrigavam os bancos libaneses a sair do Sudão ou reduzir suas atividades ao mínimo.

Deixe seus comentários

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar essas HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>