A União Libanesa Cultural Mundial sediada no prédio do Ministério de Exterior do Líbano é o órgão representativo oficial da Diáspora Libanesa. A União Libanesa da Diáspora é sua filial em São Paulo.    A União Libanesa da Diáspora é uma Associação Brasileira que agrega líderes e membros da Comunidade Libanesa no Brasil com sede em São Paulo.

Como o estado hebreu chegou ao dilúvio? – Escrito pelo Professor Pierre El Khoury

(Dilúvio do Aqsa é o nome da operação de guerra desencadeada em Gaza)

A década de 1990 marcou as características de um importante acordo de longo prazo no Oriente Médio. Os Acordos de Oslo e Wadi Araba foram assinados entre Israelenses e Palestinos e, o falecido Presidente Hafez al-Assad iniciou negociações sérias sobre terras em troca de paz.

Os árabes foram até os israelenses pedindo para “dar-lhes” algo em troca da Paz. A Organização para a Libertação da Palestina reconheceu Israel em troca de uma solução provisória baseada no autogoverno. Parecia que tudo caminhava rapidamente para uma solução para o conflito de cinquenta anos, centenas de milhares de pessoas deslocadas à força, vidas e devastação.

Um extremista sionista matou um ícone importante do movimento sionista – Itshak Rabin e saiu levantando sinais de vitória, em seguida, Yasser Arafat – Abu Ammar, foi eliminado envenenado.

Israel optou pela estratégia de desarmar qualquer pacifista sionista e a opinião pública israelita tornou-se mais atraída pela retórica mais extrema. Desde então, Israel travou seis guerras em Gaza e uma grande guerra no Líbano sem conseguir qualquer variável estratégica que garantisse a eliminação da ansiedade que controla os judeus de Israel.

Quanto mais o medo aumenta, mais aumenta o extremismo, e Israel perde o momento possível de conquistar o seu Estado em condições que sugerem ao seu povo que ele foi dado a partir da posição dos fortes e capazes. O Estado hebreu avançou gradualmente para conflitos, cujo momento foi escolhido pelos adversários, enquanto deslizava para conflitos internos que se aprofundavam à medida que o nível de ansiedade aumentava.

Existe uma curva de aprendizagem que se desenvolveu entre as potências do Eixo da Resistência (Líbano, Síria, Iraque, Irã e Iêmen) impulsionada pela compreensão das fraquezas de Israel e pela perda do projeto de paz no Oriente Médio. Estas forças desenvolveram uma estratégia de longo prazo e apostam na impossibilidade de se chegar a uma paz desequilibrada e que o Ocidente não pode desempenhar um papel não alinhado com Israel, e isto por si só é razão suficiente para aprofundar o conflito.

Perder a oportunidade para a liderança israelita é também perder a oportunidade para os Estados Unidos liderarem o mundo. Israel encontra-se agora num difícil dilema estratégico: haverá muito sangue e mais dor, mas o prestígio de Israel e a segurança dos seus cidadãos caíram das formas mais horríveis.

A lógica da dissuasão caiu nas telas dos telefones e nas redes sociais, e as licitações caíram entre os muçulmanos mais ligados à Palestina.

Três perguntas precisam ser respondidas agora:

1- Poderá Israel entrar numa guerra de longo prazo sem correr o risco de o clima árabe e islâmico se transformar num estado de espírito violento e mobilizado?

2- Existe uma falha da inteligência ocidental semelhante à falha da inteligência israelita, ou será que o mundo está convencido de que a arrogância, o racismo e a agressão de Israel são o que impede qualquer progresso desde Oslo e, portanto, o que está a acontecer hoje pode trazer Israel de volta a algum senso?

3- Será que os Estados Unidos sozinhos ainda são capazes de gerir o equilíbrio do Médio Oriente, ou será que o modelo chinês de reunir árabes e iranianos pode ser repetido, desempenhando o papel de um mediador justo na aproximação dos poderosos e diversos no Médio Oriente?

O Professor Pierre El Khoury é acadêmico, pesquisador e autor de diversos livros em Economia e Economia Política.

Deixe seus comentários

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar essas HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>