A União Libanesa Cultural Mundial sediada no prédio do Ministério de Exterior do Líbano é o órgão representativo oficial da Diáspora Libanesa. A União Libanesa da Diáspora é sua filial em São Paulo.    A União Libanesa da Diáspora é uma Associação Brasileira que agrega líderes e membros da Comunidade Libanesa no Brasil com sede em São Paulo.

Cristãos estão preocupados com o destino dos seus entes queridos na Faixa de Gaza

Os cristãos na Faixa de Gaza, que tem testemunhado uma guerra devastadora desde 7 de Outubro, não celebrarão o Natal, tal como os seus compatriotas palestinianos fazem em todo o país ocupado. Os seus familiares fora de Gaza expressam a sua preocupação pelos seus entes queridos no meio do massacre cometido pela ocupação israelita.

Khalil Sayegh é um deles, que há dois meses não consegue dormir ou viver normalmente devido ao sentimento de medo e ansiedade pela sua família na Faixa de Gaza. Poucos dias antes do Natal, recebeu a notícia da morte do seu pai dentro de uma igreja para a qual tinha sido deslocado na Cidade de Gaza, no norte da Faixa de Gaza, que está sitiada e alvo da ocupação.

Sayegh, de 29 anos, que vive nos Estados Unidos da América, disse à Agence France-Presse: “Os meus pais frequentaram a Igreja Católica da Sagrada Família. A minha irmã também está nessa igreja. A minha outra irmã e o seu marido estão em na Igreja de Porfírio (afiliada ao Patriarcado Ortodoxo Grego de Jerusalém) com seus três filhos, um deles nascido durante a trégua implementada em novembro passado e que durou uma semana.

Sayegh acrescenta: “Recebi a notícia da morte do meu pai numa estrada próxima em Ramallah (no centro da Cisjordânia ocupada). Um dos padres contatou-o”, explicando que a sua morte ocorreu devido à falta de cuidados médicos adequados. para ele. É digno de nota que o sistema de saúde no norte da Faixa de Gaza entrou em colapso total, segundo confirmou recentemente a Organização Mundial da Saúde.

Sayegh explica que a comunicação com os membros da sua família é muito rara, tendo em conta as grandes interrupções de eletricidade, Internet e comunicações desde o início da guerra em Gaza. E continua: “Há semanas que não comunico diretamente com eles”, lembrando que o que normalmente acontece é que um dos deslocados que tem um cartão SIM pertencente a uma rede celular comunica com uma pessoa fora da Faixa de Gaza, e esta última leva cuidado de transmitir a notícia, “e assim um de nós diz ao outro que sua família está bem.”, por exemplo

Não há voz para o povo na Faixa de Gaza

Sayegh, que trabalha na área da investigação política nos Estados Unidos da América, descreve como “passam dias e dias sem recebermos qualquer notícia. Vivemos com medo e um sentimento de incerteza. Não sabemos se eles (os pais) estão vivos ou não, se estão com fome ou comendo. “Se têm acesso à água ou não.” Enfatizando que “não há alimentos disponíveis e que há uma grave escassez de água, de alimentos e de necessidades básicas”, ele descreve o assunto como “muito difícil”.

É digno de nota que 1,9 milhões de residentes da Faixa de Gaza foram deslocados, segundo dados das Nações Unidas, em consequência do bombardeamento, que tem sido acompanhado desde 27 de Outubro passado por um ataque terrestre e batalhas no terreno.

Khalil Sayegh diz que a sua vida realmente parou, sublinhando: “Não consigo trabalhar a 100 por cento. A única coisa que me faz continuar é falar sobre o que está a acontecer. Lembro-me que as pessoas em Gaza não têm voz”. Sayegh interrompeu os estudos, através dos quais pretendia obter uma licenciatura em direitos humanos depois da guerra, “porque já não vejo forma de a aplicar neste momento”, além das pressões que sente que o impedem de se concentrar.

Sayegh, que cresceu em Gaza, não conhece a família há anos. Mas ele acompanha as notícias dela e diz que sua irmã deu à luz uma criança “na época da trégua e lhe deu o nome de Khadr. Não vi a foto dele. Tudo que sei sobre ele é que ele existe”. Sayegh tem um irmão mais novo na cidade de Khan Yunis, no sul da Faixa de Gaza, e “ele está doente (…) fazendo sessões de diálise lá”.

As igrejas da Faixa de Gaza estão na mira da ocupação

No passado dia 19 de Outubro, a Igreja de São Porfírio foi alvo de um bombardeamento israelita, durante o qual cerca de 20 palestinianos que se tinham refugiado nas instalações da igreja foram martirizados por pensarem que estavam mais seguros do que as suas casas. No dia 16 de Dezembro, duas mulheres foram martirizadas na Igreja da Sagrada Família, na Cidade de Gaza, em circunstâncias semelhantes. O Papa Francisco denunciou na altura que “civis desprotegidos estavam a ser alvo de bombardeamentos e tiroteios”, enquanto as autoridades israelitas afirmavam que militantes do Hamas estavam presentes na área.

Autoridades das igrejas cristãs na Faixa de Gaza relatam que o número de cristãos que vivem hoje na Faixa de Gaza está perto de mil, abaixo dos sete mil antes de 2007. Uma freira na Jerusalém ocupada, que pediu para permanecer anônima, disse à Agence France-Presse que duas freiras da Ordem do Santo Rosário estão atualmente na Igreja da Sagrada Família na Cidade de Gaza. Ela ressalta que “a comunicação com eles ocorre com grande dificuldade, uma vez a cada três ou quatro dias. Tudo o que ouvimos deles é que eles (os da igreja) estão bem. Eles nos pedem para orar por eles”.

A freira explica que às vezes a comunicação é interrompida e “recebemos mensagens de voz via WhatsApp”. Ela acrescentou: “Eles nos disseram na segunda-feira passada que não havia água disponível. Todas as pessoas não tomavam banho há duas semanas e a água potável mal era suficiente”. A própria freira confirma que “a situação é muito ruim. Que Deus os ajude”. Ela continua: “Temos vergonha do sofrimento que toda a população de Gaza está sofrendo, muçulmanos e cristãos”.

Natal em meio à guerra na Faixa de Gaza

Na Jerusalém ocupada, o Padre Ibrahim Nino, oficial de comunicações do Patriarcado Latino, disse à Agence France-Presse: “A comunicação com o nosso povo na Igreja da Sagrada Família (na Cidade de Gaza) ocorre através do padre assistente, das freiras ou de outros indivíduos. … Depois de muitas tentativas (. ..) podemos ouvir as notícias deles.”

Sobre a situação dos que estão atualmente na Igreja da Sagrada Família, o Padre Nino diz: “Há comida, água e eletricidade disponíveis para alguns dias, por isso estão a trabalhar para reduzir o seu uso tanto quanto possível”.

Os responsáveis ​​da Igreja na Jerusalém ocupada e o município da cidade de Belém, na Cisjordânia ocupada, tomaram a decisão no mês passado de não organizar “qualquer celebração desnecessária” do Natal em solidariedade com os residentes de Gaza. Mas o Padre Nino salienta que os cristãos em Gaza celebrarão a missa de Natal.

Para Khalil Sayegh, “o Natal deveria ser um momento de esperança. “É muito difícil celebrar ou sentir qualquer alegria enquanto o massacre continua em Gaza contra muçulmanos e cristãos, e enquanto civis inocentes morrem.”

Sayegh acrescenta: “Na verdade, estou muito exausto e deprimido, mas ainda me alegro pelo facto de sabermos que Deus está connosco (…) Ele sente a dor das pessoas, de todas as pessoas, não só dos cristãos, mas de todas as pessoas em Gaza que sofrer de dor, fome, morte e destruição.”

Fonte: Al Araby – Traduzido pelo Dr. Assad Frangieh

Deixe seus comentários

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar essas HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>