União Libanesa da Diáspora afiliada à União Libanesa Cultural Mundial.   secretaria@uniaolibanesa.net.br

Da economia de serviços para a economia do dinheiro vivo, qual delas queremos para o Líbano?

Pelo Consul Mohamad Al Jozo* – tradução dr. Assad Frangieh – publicado no Al-Hiwar News e Jornal libanês Al-Liwaa.

Os especialistas concordam quase unanimemente que o modelo econômico que prevaleceu no Líbano desde a independência até o final de 2019 entrou em colapso objetivamente e não pode mais ser reproduzido. O papel que foi retratado para o Líbano naquela época como um ponto de encontro entre o Ocidente e o Oriente, ou como um país de serviços de qualidade, não existe mais. A opinião internacional não estabeleceu um novo papel para o Líbano como resultado dos conflitos que estão ocorrendo entre as partes influentes na tomada de decisão internacional e regional, e é lamentável que o Líbano, com suas forças vivas, ainda não tenha iniciado uma discussão nacional sobre este assunto, e as forças políticas do governo e da oposição ainda estão procurando seus interesses e assentos, sem perceber que eles estão procurando assentos em um barco afundando a não ser que…

O presidente francês Emmanuel Macron foi franco quando disse aos chefes dos blocos parlamentares durante sua reunião com eles em Beirute: É preciso desenvolver o sistema de governo. O apelo do presidente francês tem como alvo o sistema político preso entre democracia e o consensual, pois é uma bela expressão de sectarismo, cotas e despojos feios, visando o sistema econômico, é claro. O que nos interessa neste artigo é destacar o modelo econômico da República Libanesa, que é possível à luz das grandes transformações ao nível das economias dos países da região. Depois do colapso contínuo da moeda nacional, sem que haja esperança de aplicar medidas legais e financeiras capazes de acabar com esse colapso, Qual setor econômico conseguirá se reerguer e produzir serviços ou bens capazes de competir no exterior?

1- O setor do turismo registou um movimento relativamente ativo durante o último verão em resultado da afluência de expatriados libaneses, mas não consegue transformar-se num setor competitivo para os setores do turismo em países vizinhos ou distantes, nem em termos de serviços nem em termos de custos. De acordo com dados do Ministério da Cultura e Turismo da Turquia (por exemplo, mas não limitado a), o número de turistas que chegam à Turquia registrou um crescimento de 186,52% em fevereiro passado, em comparação com o mesmo mês do ano passado. Vale ressaltar que as receitas de turismo da Turquia alcançaram um crescimento de 103% durante o ano de 2021, em comparação com o ano anterior. Esses indicadores são suficientes para mostrar o tamanho do fosso entre o Líbano e os países da região, de modo que não se pode falar de um setor de turismo sem visão estratégica, uma administração governamental eficaz, um setor privado cooperativo, incentivos, controles, supervisão, publicidade e marketing, e tudo isso não está disponível agora.

2- O setor industrial está dando seu último suspiro diante do crescimento dos setores industriais em vários países árabes, incluindo os países do Golfo. Registra-se aqui que as fábricas sírias que operam dentro da Síria, ou aquelas de propriedade de industriais sírios em vários países árabes, como Egito e Jordânia, alcançaram avanços sem precedentes no campo da produção de alimentos. Qual é o papel que o Líbano está procurando, que é o mais ausente para acompanhar esses desenvolvimentos e vive uma grande crise política com vários países árabes que influenciam a tomada de decisões financeiras e econômicas, não apenas na região, mas no mundo?

3- Um dos diferenciais do Líbano foi e ainda é investir em educação e recursos humanos, por isso é preciso investir em “cidades inteligentes”, que buscam proporcionar um ambiente digital ecologicamente correto que estimule o aprendizado e a criatividade, contribuindo para proporcionar um ambiente sustentável que promove uma sensação de felicidade e saúde. De uma forma geral, as cidades inteligentes antecipam o futuro a nível económico e social, e tem como objetivo proporcionar um ambiente digital amigo do ambiente que estimule a aprendizagem e a criatividade, e contribui para proporcionar um ambiente sustentável que promova a sensação de felicidade e saúde.

4- O setor de comércio e serviços obteve a maior parte do crescimento em detrimento dos setores produtivos, especialmente a agricultura e a indústria. Assim, após o Acordo de Taef, o setor de serviços foi fortalecido, mas infelizmente não conseguiu se desenvolver nas condições de governança no Líbano e por outras razões também. A economia do Líbano se transformou em uma economia frágil e desestabilizada, e depende diretamente das importações estrangeiras. O valor das importações em 2013 atingiu US$ 22 bilhões, que é o número mais alto dos últimos dez anos. Se olharmos para os números das importações nos últimos dez anos, podemos notar que os controladores das articulações da economia, são um grupo de monopolistas, especialmente porque o Líbano é um país que importa mais de 80% de suas necessidades, o que significa que o Líbano é um país dolarizado por excelência, e há três décadas no Líbano começou a fortalecer o caminho do suicídio para que uma moeda local fraca coexistisse, e o Banco Central enganou o povo que foi fixado através dos juros altos e das tentações que ele ofereceu aos depositantes em troca de uma moeda forte moeda global que o Líbano precisa para cobrir suas necessidades de importação e de transferências para o exterior por mais de um motivo, como mão de obra estrangeira, para citar alguns.

Chegado o momento de contar, no próximo período, com a economia produtiva, na qual a indústria constitui um dos principais pilares para o avanço econômico e o estabelecimento de uma economia estruturada sólida, baseada na produção local e na sustentabilidade econômica. Em períodos anteriores, a indústria contribuía com cerca de 22% do PIB, até que esse número caiu para cerca de 8,5% do PIB, e até que a indústria libanesa se viu lutando na ausência de uma política industrial dirigida pelo Estado. Como resultado dos muitos desafios enfrentados pela indústria, várias fábricas foram forçadas a fechar. ou se mudar para o exterior. A indústria enfrenta muitos obstáculos que contribuem para torná-la fraca e pouco competitiva pelos seguintes motivos:

Os custos adicionais que oneram os industriais, o desinteresse do Estado em estabelecer zonas industriais dotadas de infraestrutura básica e avançada, a ausência de qualquer tipo de proteção contra o dumping dos mercados locais, nos últimos anos, os governos aumentaram as taxas alfandegárias em mais de dez setores com o objetivo de proteger a produção nacional, mas esse passo não foi bem pensado em termos da presença de quantidades de produção local de produtos que o Estado visa proteger, o que levou ao aumento dos preços das commodities, o índice de financiamento industrial é baixo em 12,9% do total de empréstimos, o contrabando excessivo nas fronteiras, a existência de concorrência desleal por instituições não licenciadas, a fraca produtividade e competitividade devido à falta de mão de obra competente e a ausência de máquinas modernas e avançadas.

Desde 2019, os resultados da crise começaram a aparecer na balança comercial. De acordo com as estatísticas alfandegárias libanesas, o déficit comercial diminuiu em 2020 para atingir US$ 7.765 milhões, comparado a US$ 15.508 milhões em 2019. Isso resultou de uma queda de 25,9% no importações e um aumento nas exportações. Em 19,4%, observando aqui que o Líbano estava seguindo o plano de apoiar a cesta de alimentos subsidiados, em que as commodities incluídas representavam 46,9% do total das importações, e, portanto, o restante das commodities não declinou em mais de 27,8% durante o período de colapso bancário, monetário e econômico. As estatísticas indicam que as importações do Líbano totalizaram 11.309 milhões de dólares no final de 2020, em comparação com 19.239 milhões de dólares em 2019, em comparação com exportações no valor de 3.544 milhões de dólares em 2020 e 3.731 milhões de dólares em 2019. A queda nas importações começou a aparecer a partir do terceiro mês do ano de 2020, e continuou em ritmo decrescente para mais da metade até novembro, quando voltou e se aproximou do mesmo percentual do ano de 2019 devido à entrada de recursos do exterior após a explosão de 4 de agosto, que levou a um aumento no movimento de importações e consumo.

Reduzir o déficit da balança comercial no Líbano é uma necessidade urgente para reduzir o déficit na balança de pagamentos e parar o sangramento de moedas estrangeiras no exterior. No entanto, tendo em conta os valores das importações, que mostravam que baixou a um nível inaceitável, sobretudo tendo em conta que a moeda nacional perdeu cerca de 94% do seu valor, esta deterioração da moeda teve de refletir inevitavelmente uma diminuição significativa das importações e do poder de compra dos consumidores ao mesmo tempo. Nas maiores economias do mundo, que gozam do status de “economia livre”, o governo recorre a medidas e decisões rápidas para enfrentar a crise, mesmo às custas do sistema econômico liberal livre, a fim de proteger sua economia da deterioração e trabalhar para enfrentar a crise que o país atravessa. Diante da crise, o Estado ainda está negociando com o Fundo Monetário Internacional um empréstimo de US$ 3,3 bilhões. Em contrapartida, foram registrados gastos de US$ 10 bilhões em luxos até 2022. Soma-se a isso mão-de-obra estrangeira transferências no ano passado, que somaram 2,1 bilhões de dólares.

O Estado deve seguir o exemplo dos países de economia livre, que costumam tomar decisões lógicas impostas por regras e fundamentos econômicos intuitivos, devendo ser tomadas decisões para restringir as importações, mesmo que temporariamente, e reduzir o sangramento de divisas para trabalhadores estrangeiros e outros, mesmo que essas decisões não sejam satisfatórias para grandes comerciantes e cartéis. Também é notável no Líbano que o mercado ainda consiga financiar o alto custo de importação, por isso não podemos esquecer aqui a quantidade de transferências bancárias que ocorreram desde 2019 para os políticos privilegiados, grandes comerciantes e proprietários de capital à custa de pequenos depositantes, o que os levou a colher enormes somas de dinheiro que lhes permite beneficiar para especulação e para obter lucros imaginários, a segunda razão deve-se às remessas de expatriados.

Por fim, deve-se destacar que o PIB entre 2018 e 2022 caiu em uma taxa de regressão de 55 bilhões de dólares para 15 bilhões de dólares. Por outro lado, desde o início da crise em 2019, a dependência da economia monetária passou de 30% da produção para 200% no corrente ano, e dadas as regras económicas, este tipo de economia abre caminho para lavagem de dinheiro, evasão fiscal e aumento da taxa de corrupção. É isso que nós queremos para o Líbano?

É a pergunta mais difícil.

* Membro do Conselho Econômico, Social e Ambiental

Deixe seus comentários

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar essas HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>