União Libanesa da Diáspora afiliada à União Libanesa Cultural Mundial.

Depois da terceira sessão adiada, quais são os possíveis candidatos para a PR do Líbano? – Opinião Pessoal

Por Tarek Tarshishi para o jornal libanês Aljamhourye

Vários políticos veteranos e alguns preocupados com as eleições presidenciais encontraram nos resultados da sessão de eleições presidenciais de ontem (dia 20/10) o que pode ser chamado de transição da fase de nomeação do deputado Michel Mouawad para a fase de nomeação do Comandante do Exército General Joseph Aoun, como evidenciado peas recentes declarações emitidas pela equipe de oposição chefiada pelo chefe do Partido das Forças Libanesas, Samir Geagea, que disse ao canal do Catar Al-Jazeera que “não temos objeções à chegada do comandante do exército à presidência”, enquanto o chefe do Movimento Patriótico Livre, MP Gebran Bassil, se opõe a ele.

Esses políticos acreditam que a equipe da oposição esgotou a candidatura de Mouawad na sessão de ontem, apesar de o homem ter saído da sessão, confirmando sua firmeza em sua candidatura e reiterando seus princípios e programa no caso de chegar à presidência, o que significa que as eleições entraram em uma nova era chamada competição entre o chefe do atual Movimento Marada” Suleiman Frangieh e o comandante do exército, especialmente porque alguns dos pilares da oposição, incluindo partidários e independentes, reiteraram que não vão nomear Mouawad na próxima sessão ou sessões eleitorais, e irão para novas opções, que se acontecerem, farão com que os 42 ou 44 votos que Mouawad ganhou ontem serão diminuídos. A partir da sessão de segunda-feira, sabendo que o candidato tem o direito de continuar a sua candidatura, e vê que ele tem uma chance, contando com apoio parlamentar adicional para ele mais tarde. No entanto, a nomeação do chefe do exército ainda não foi aprovada pelos deputados do Bloco de Mudança e outros que acreditam que sua eleição requer uma emenda constitucional difícil de implementar ou fornecer o quórum de dois terços necessário.

Enquanto isso, a “dupla xiita” está trabalhando para reconciliar Frangieh e o chefe do “Movimento Patriótico Livre”, o deputado Gibran Bassil, de acordo com uma estratégia de trabalho baseada em dados que indicam que a eleição presidencial ficou limitada a Frangieh e Joseph Aoun, enquanto Bassil declara que não apoia nenhuma candidatura. Qualquer um deles, o que significa que sua permanência nessa posição destruiria essa equação, pois quando Bassil sentir que a competição ocorreria entre Frangieh e Aoun, ele disse que era contra as duas opções, mas não percebeu que não havia uma terceira opção na mesa, pois parece que «a dupla xiita» pode não apoiar a chegada do chefe do exército e pressionar pela eleição de um presidente que « protege as costas da resistência, e vê que tal presidente é aquele que não teme as sanções dos EUA e de fora dos EUA.

Deste ponto de vista, alguns estão procurando o que Bassil quer, mas ao mesmo tempo esquecem o que a “dupla xiita”, especificamente o Hezbollah, quer na direção estratégica. Se Bassil nomeia um nome para a presidência, ele deve perceber que esse nome “não deve apenas confortá-lo, mas sim aliviar a resistência e, portanto, é quase impossível propor um nome do meio ou para os nomes que protegem as costas da resistência independentemente do desejo da “dupla”. que se opõe à ideologia da resistência e é apoiado pelas potências ocidentais, e essa expansão consiste nas forças cristãs que conquistaram nas últimas eleições parlamentares mais de 75% dos votos cristãos.

Este grupo de políticos diz que se um presidente for trazido de acordo com o desejo de Bassil, este presidente ficará sob o domínio do “outro grupo” por razões ideológicas, intelectuais e culturais, porque os maronitas nas fileiras da equipe 8 de março são raros, e, portanto, qualquer nome que Bassil possa propor será de fora desse grupo, como Ziyad Baroud, por exemplo. Se assumirmos para argumentar que Baroud foi eleito presidente da república, as pressões sobre Bassil aumentarão por razões ideológicas e culturais, incluindo a proximidade de Baroud, e talvez outros nomes que Bassil possa apresentardo Ocidente e seus interesses com este Ocidente, e o Hezbollah não pode aceitá-lo, especialmente porque será afetado pelas “Forças Libanesas”, e deste ponto de vista, qualquer presidente deste tipo estará sujeito à influência das “forças” e seus aliados.

Mas, por outro lado, acrescentam os próprios políticos, que não há inimizade e animosidade entre Frangieh e Basil, mas sim divergências pessoais que podem ser resolvidas entre eles e se encontram em estratégia, pois Frangieh não tem ambições populares no Monte Líbano e tem insistido desde 2005 na nomeação do movimento “Marada”. Para as eleições parlamentares em Batroun, onde tem uma presença histórica equilibrada. Como não tem ambições populares, mas sim um contraste pessoal com Bassil, sua ascensão à presidência constitui para ele uma garantia política diante da maré de “forças” que têm uma história de sangue com a família Frangieh. Consequentemente, o pega-pega real será neste caso entre Frangieh e Geagea, que é o que conforta Bassil, além disso, esse assunto será garantido pela “dupla xiita”.

No entanto, no caso de Joseph Aoun ser eleito Presidente da República, que é o comandante do exército, sabe-se até que ponto o Movimento Patriótico Livre está ligado ao exército, o que pode afetar negativamente Bassil, que nunca concordou com o comandante do exército por cinco anos devido a considerações políticas, sem mencionar que Joseph Aoun está sendo recompensado pelos americanos, enquanto Gibran está sendo punido pelos mesmos. Quanto a dizer que existe a possibilidade de entrar em um longo vácuo presidencial, ou buscar esse vácuo e apostar na retirada das sanções norte-americanas de Bassil e o desejo de chegar à presidência depois disso, esta é uma afirmação que, se verdadeira, não é realista, mesmo impossível.

Por isso, políticos veteranos acreditam que “o realismo político exige que Bassil aborde a pasta presidencial com total objetividade e aposte na magnanimidade de Frangieh no trato, o que cumpriria se ele prometesse até mesmo o depoimento de seus adversários”. Então, “o assunto que você está pedindo foi decidido”. Há cinco anos, um dos deputados entre os veteranos do bloco 14 de março disse: “A competição pela presidência entre Frangieh e o comandante do exército não começou hoje, mas começou há cinco anos”, que é o que está caminhando a direção da eleição presidencial agora.

 

 

 

Deixe seus comentários

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar essas HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>