União Libanesa da Diáspora afiliada à União Libanesa Cultural Mundial.   secretaria@uniaolibanesa.net.br

Depois do Donbass… Zelensky se humilha ou tenta convocar “Pedro, o Grande”!

Por Samih Saab – publicado no site libanês 180post.com – traduzido por Dr. Assad Frangieh

E o Donbass? As portas do assentamento se abrirão ou a guerra continuará? Como Kiev pode suportar mais perdas humanas e materiais? Não é hora de os Estados Unidos se convencerem de que o caminho para derrotar a Rússia implica um preço muito alto para o Ocidente suportar… e com ele o mundo?

A maioria dos relatórios ocidentais convergem quando dizem que as táticas adotadas pelo exército russo desde sua retirada da região de Kiev em abril passado conseguiram obter ganhos para ele nas regiões de Lugansk e Donetsk no Donbass, e que com a queda de Severdonesk nos próximos dias, a Rússia estará totalmente no controle de Lugansk. Depois disso, vai pressionar o resto das cidades ainda sob o controle do exército ucraniano em Donetsk.

É duvidoso que a Ucrânia consiga reverter esse curso no Donbass, depois de receber os avançados lançadores HIMARS dos EUA. Para a Rússia, o Donbass poderia constituir uma base suficiente para o presidente Vladimir Putin anunciar a cessação da “operação especial russa” na Ucrânia e se preparar para negociações com base nos ganhos de campo que ele alcançou até agora. Resta saber até que ponto o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky está pronto para seguir um caminho mais realista e embarcar na busca de um acordo com o lado russo.

Aqui há um ponto que deve ser desmistificado: os objetivos de Washington na Ucrânia são os objetivos de Zelensky, ou tem objetivos que vão além da Ucrânia para o conflito mais amplo com a Rússia e por trás dele a China? Nesse contexto, pode-se observar como a França, Alemanha e Itália começaram a divergir da posição americano-britânica-polonesa no dossiê ucraniano. Quanto à visita conjunta do presidente francês Emmanuel Macron, do chanceler alemão Olaf Scholz e do primeiro-ministro italiano Mario Draghi a Kiev na quinta-feira passada, não pode ser apenas uma visita para anunciar apoio à Ucrânia sem que os três líderes tenham abordado Zelensky sobre a questão das negociações. Talvez a adoção pela Comissão Europeia de uma recomendação que torna a Ucrânia candidata à adesão à União Europeia seja um prêmio de consolação para Zelensky, mas em troca os três líderes querem ver um fim rápido para a guerra, porque seus países de alguma forma se encontram em meio dela. Foi o que admitiu Macron às vésperas de uma visita às forças francesas na Romênia, quando disse que a França havia entrado em uma “economia de guerra”. A Alemanha e a Itália pressionaram suas economias ao reduzir sua dependência do fornecimento de energia russo.

Nos próprios Estados Unidos, a inflação atingiu seu nível mais alto em 40 anos, e o Federal Reserve elevou as taxas de juros em 0,75 ponto percentual para combater a inflação, o que não acontecia desde 1994. O presidente dos EUA, Joe Biden, retirou sua “renúncia” à Arábia Saudita e decidiu ir a Riad e encontrar-se com o príncipe herdeiro Mohammed Bin Salman, mas não aos pares. Na Grã-Bretanha, Boris Johnson está lutando para conter a inflação de 11% e está implementando planos de estímulo econômico semelhantes aos que implementou ao lidar com os efeitos negativos do fechamento causado pelo vírus Corona. E não é detalhado, os repetidos avisos emitidos pelas Nações Unidas e organizações humanitárias, de que a continuação da guerra russo-ucraniana ameaça dezenas e talvez centenas de milhões em todo o mundo com fome, devido à suspensão das exportações de produtos russos em grãos e óleos ucranianos, bem como que mais de 11 países no Oriente Médio e África ameaçados de agitação social e política, devido à escassez de alimentos. Esses desenvolvimentos não são efeitos colaterais da guerra, mas se tornaram efeitos diretos dela.

Parece além de tudo familiar e lógico que as armas “pesadas” que o Ocidente entregará a Kiev serão capazes de remover esses vestígios. Mesmo a busca de alternativas na Europa ao petróleo e gás russos não acontecerá por mágica, mas levará anos e anos antes de dar frutos. Em um panorama abrangente das perdas sofridas pela Ucrânia, a revista americana “The National Interest” publicou uma reportagem, na qual falava que, além das milhares de baixas, o custo da guerra na economia ucraniana foi devastador. Um estudo da Escola de Economia de Kiev mostrou que a Ucrânia perdeu 600 bilhões de dólares como resultado da guerra. Do custo total, há 92 bilhões de dólares como resultado da destruição da infraestrutura, enquanto 195 fábricas foram desativadas. Os danos às empresas ucranianas levarão a sérias repercussões para a economia do país, que o Banco Mundial previu que encolherá 45%.

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento anunciou o fechamento de metade das empresas ucranianas, enquanto outras operarão com menos capacidade. Indústrias ucranianas proeminentes, como aço, ferro e madeira, quase cessaram. Com a destruição da fábrica de Azovstal e da última refinaria de petróleo ucraniana, restaurar a capacidade de produção aos níveis anteriores à guerra exigirá um enorme encargo financeiro. Além disso, as forças russas destruíram cerca de 24.000 quilômetros de estradas, cuja reparação levaria anos. Mesmo que a Ucrânia saia vitoriosa da guerra, enfrentará uma situação econômica difícil. Reduzir essas perdas através da possibilidade de alcançar um cessar-fogo aliviaria o ônus financeiro que aguarda a Ucrânia. Diante desses fatos, o vice-presidente do Conselho de Segurança Nacional da Rússia, Dmitry Medvedev, não exagera quando diz que a guerra levará ao “desaparecimento da Ucrânia do mapa”.

E se a aposta ocidental era que a longa guerra por si só seria capaz de exaurir a Rússia militar e economicamente e fazê-la deixar a Ucrânia humilhada, assim como a União Soviética saiu do Afeganistão, o que se conseguiu agora é a solidez econômica da Rússia e sua adaptação militar à derrotas que sofreu nos dois primeiros meses da guerra, enquanto isso o que parece é que a inflação que atinge a Europa e a América é o maior aliado de Putin em sua guerra contra a Ucrânia.

Uma frase que Putin repete em todos os seus principais discursos é que a guerra, independentemente das perdas humanas e econômicas que infligiu à Rússia, “encerrou a era da unipolaridade”. Diante dos alertas europeus de uma longa guerra, Putin invoca Pedro, o Grande, que lutou na “Grande Guerra do Norte” por 21 anos, e que o mundo há décadas não reconheceu São Petersburgo como território russo, mas a considera como território sueco, aludindo ao que se passa hoje na Ucrânia. Um fator muito importante permanece no confronto global de hoje, que é que a China não permitirá que o Ocidente destrua a Rússia, e o que Moscou pode perder nos mercados europeus pode ser compensado nos mercados da China.

Há alguns dias, o presidente chinês Xi Jinping ligou para seu “velho amigo” Vladimir Putin, pela primeira vez desde o final de fevereiro. O que é notável sobre a chamada é que ela veio após a recente intensificação da guerra de palavras entre Washington e Pequim sobre a ilha de Taiwan. No final, as negociações continuam sendo o caminho mais curto para parar uma guerra que está drenando não apenas a Rússia, mas também o mundo. E os lançadores dos EUA, quando chegarem à Ucrânia, podem piorar a situação.

Deixe seus comentários

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar essas HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>