A União Libanesa Cultural Mundial sediada no prédio do Ministério de Exterior do Líbano é o órgão representativo oficial da Diáspora Libanesa. A União Libanesa da Diáspora é sua filial em São Paulo.    A União Libanesa da Diáspora é uma Associação Brasileira que agrega líderes e membros da Comunidade Libanesa no Brasil com sede em São Paulo.

Dia Internacional do Imigrante Libanês é comemorado no Líbano num evento na Ordem dos Advogados do Líbano

Pela esquerda – Dr. Samer Baalbaki, Ministro Abdallah Bouhabib, Dr. Nader Kaspar, Deputado Hagob Pakradonian, Presidente da ULCM Abbas Fawaz

Por Dr. Assad Frangieh – 15 de março – Dia Internacional do Expatriado Libanês

O Ministro das Relações Exteriores e Expatriados do governo interino, Dr. Abdallah Bouhabib, vê a necessidade de pensar no desenvolvimento de políticas que simulem a especificidade da diáspora libanesa geograficamente, e talvez setorial e profissionalmente, a fim de se beneficiar deles indo ao encontro da realidade e aspirações dos expatriados. Esta pauta foi apresentada num workshop entre a Ordem dos Advogados do Líbano e o Ministério das Relações Exteriores e Expatriados. O Ministrou saudou a “contribuição da Ordem, em cooperação com a Câmara dos Deputados, para qualquer futuro workshop para atualizar as leis relacionadas aos expatriados”.

As palavras do Ministro Bouhabib vieram durante sua participação da conferência “O Expatriado Libanês – Realidade e Desafios”, no “Dia Internacional do Expatriado Libanês”, a convite de Nader Kaspar, Presidente da Ordem dos Advogados de Beirute e do Comitê para o Proteção dos Direitos do Expatriado Libanês, na Ordem dos Advogados de Beirute – Casa do Advogado – Grande Sala de Conferências, na presença do Ministro Interino do Turismo Walid Nassar, os Relatores da Comissão de Relações Exteriores e Expatriados no Parlamento Hagop Pakradounian, Qablan Qablan e Nasser Jaber, Ex-Diretor Geral de Expatriados Haitham Jomaa, Presidente da União Libanesa Cultural Mundial Abbas Fawaz, membros do Conselho Sindical, representantes de várias embaixadas, diplomatas, Presidente do Sindicato Geral dos Trabalhadores, Dr. Bechara Al-Asmar, e uma multidão de expatriados e funcionários seniores.

Palavras de Baalbaki
Após os hinos nacional e da Ordem dos Advogados, o doutor em direito internacional, Samer Baalbaki, fez um discurso ao Comitê dos Direitos do Expatriado Libanês, no qual destacou que “a relação do Líbano com seus expatriados deve partir de um plano traçado pelo Estado através do qual se procura envolvê-los na vida pública e preservar seus direitos”. Enfatizou “trabalhar para restaurar a confiança dos expatriados em sua terra natal, especialmente após a recente crise financeira e confisco de seus depósitos, adotando conceitos modernos de proliferação e estabelecendo mecanismos adequados de comunicação entre o Líbano residente e o Líbano expatriado em todos os níveis, estabelecendo uma base de informações que contribua para desenvolver as estratégias necessárias para construir parceria entre as duas alas do país, encontrando condições melhores. O quadro legal que incentiva os expatriados a contribuir para projetos de investimento no Líbano, o envolvimento dos expatriados na vida pública através de uma lei eleitoral justa e equitativa, trabalho para ativar escolas de línguas ocidentais para mulheres expatriadas e ativar instituições expatriadas.

Palavras de Kaspar
Em seguida, o Presidente da Ordem dos Advogados fez um discurso no qual disse: “Se o Aeroporto de Beirute tivesse um coração, teria chorado o nosso choro, desde a nossa infância nos despedindo de nossos entes queridos imigrantes, e eles foram separados de nós por anos e anos. Eles migraram para o vasto país de Deus buscando viver com dignidade, amor, segurança e paz. Eles estabeleceram famílias. Eles construíram Lares, eles estabeleceram empresas e instituições, eles assumiram posições e cargos, e eles puseram o nome do Líbano em alto nos fóruns internacionais.” Ele acrescentou: “Nosso povo emigrou e não abandonou seu amado país, o Líbano. Eles sabem que o Líbano os ama. Eles são seus filhos fiéis e leais. De seu solo e para seu solo eles retornarão. Eles sabem que o estrangeiro em seu pátria é um rei, e o rei no exílio é um estrangeiro. Os expatriados são a coragem; o pilar científico, econômico e financeiro de sua pátria.” Cada um deles é um embaixador do Líbano no exterior e um herói entre seus heróis famosos, ” frisando que “a esperança dos expatriados é voltar para sua pátria, o Líbano. Eles vivem entre nós em pensamento. Levem-me, levem-me para a minha pátria.” E dizemos-lhes: sois o nosso povo, sois os nossos filhos, sois a nossa esperança. “E no dia do regresso a vossa pátria vos chamará e contareis as novas da glória sobre você”, como declarou Wadih al-Safi.

Continuou ele: “Os expatriados têm direitos sobre nós. Seus interesses e propriedades no Líbano devem ser preservados. Seus depósitos em bancos, seus imóveis e terras que não foram pesquisados, além da necessidade de incentivá-los a registrar seus filhos em um registo civil, sem complicações e sem impor condições impossíveis. Também facilitar a restituição da nacionalidade a eles e aos seus filhos.” Concluiu: “Sim. Os expatriados devem ser encorajados a retornar ao seu país de origem, o Líbano, caso contrário, visitá-lo periodicamente e anualmente, e passar os belos dias em suas partes. Nós nos alegramos com eles e eles se alegram conosco. A eles dizemos: Vocês são nossos embaixadores. Nós amamos vocês.”

Palavras de Fawaz
O Presidente da União Cultural Libanesa Mundial, Abbas Fawaz, disse em seu discurso: Estou honrado em estar entre vocês nesta plataforma, a plataforma da palavra certa e a postura ousada por ocasião do “Dia Internacional do Expatriado”, uma ocasião cara aos nossos corações, nós expatriados, especialmente os membros da “União Cultural Libanesa Mundial”. Acrescentou: “Dia Internacional do Expatriado” foi determinado por uma decisão do Conselho de Ministros Libanês em 4/10/2000, a pedido das associações de expatriados libaneses no Estado do México, e foi determinado no final da segunda semana de março de cada ano. Da mesma forma, a criação da “União Cultural Libanesa Mundial” foi uma resposta de Sua Excelência o então Presidente da República, Major-General Fouad Chehab, à solicitação de associações de expatriados nos cinco continentes, em sua crença na papel dos expatriados. Aqui eu me lembro do que disse o Embaixador General Ahmed Al-Hajj, um dos principais assessores do Presidente Fouad Chehab: “Quando o grande líder atribuiu grande importância ao papel dos expatriados libaneses espalhados pelo mundo, por causa de sua influência no países de expatriação que lhes permite apoiar a sua pátria em vários domínios, a ideia foi estabelecer uma instituição nacional global que visa unificar e fortalecer os laços entre eles, de acordo com o adágio “União faz a força”.

Ele apontou que “para implementar essa ideia, que foi totalmente apoiada pelas partes residentes e expatriadas do Líbano, o Conselho de Ministros, em sua reunião realizada em 29 de agosto de 1959, decidiu realizar uma conferência para expatriados no Líbano, e em 13 de janeiro de 1960, foi constituída uma comissão ministerial para organizar a realização desta conferência, e em 1º de março do mesmo ano foi publicado o Decreto Republicano nº 3.423 que institui um órgão central permanente chefiado pelo Ministro das Relações Exteriores Assuntos e Emigrantes, cuja missão é apresentar as propostas necessárias à sua preparação e organização.

A conferência foi realizada na data mencionada sob os auspícios e presença de Sua Excelência o Presidente Fouad Chehab no Palácio da UNESCO e na presença de uma grande multidão de expatriados de diferentes continentes.

Foi anunciado nesta conferência:
1- Estabelecer a União Cultural Libanesa Mundial (representante legal dos expatriados libaneses e porta-voz deles).
2- Aprovar o Estatuto da União Cultural Libanesa Mundial, cujo artigo 21.º prevê a criação de um gabinete permanente para a conferência chefiada pelo então Ministro das Relações Exteriores e dos Emigrantes, e este gabinete permanente exerce as competências do Conselho Mundial da União Cultural Libanesa Mundial até à sua futura eleição (e foi o que aconteceu em 1964). Em comemoração a este grande evento nacional, o Conselho de Ministros já havia emitido, em 06/04/1960, uma decisão que batizou o verão daquele ano com o nome de “Verão dos Expatriados” e emitiu um selo comemorativo especial simbolizando aquela ocasião estendendo-se da rotatória de Shatila ao Aeroporto Internacional de Beirute  nomeado ” Expatriate Avenue”.

Em 27 de julho do mesmo ano, o presidente Chehab realizou uma cerimônia na residência presidencial de verão em Beiteddine em homenagem aos expatriados. Além disso, o Ministério das Relações Exteriores e Expatriados alocou uma sede para a União Cultural Libanesa Mundial em seu prédio desde sua fundação, e a União Cultural Libanesa Mundial ainda o ocupa até hoje. Continuou: “Eu mencionei o anterior para indicar a especificidade da ideia de estabelecer a “União Cultural Libanesa Mundial” como uma plataforma legal e representativa para os expatriados libaneses, e a especificidade da relação que traz esta “União” em conjunto com as instituições e departamentos do estado libanês, especialmente com o Ministério das Relações Exteriores e Emigrantes. Em 13 de dezembro de 1973, a “União” obteve a licença oficial para estabelecê-la sob a bandeira e o jornal nº 363 / AD, emitido pelo Ministro do Interior da época, Professor Bahij Taqi Al-Din, e assim a “União” tornou-se afiliada à Lei de Associações Libanesas como uma associação legalmente estabelecida no Líbano, e de acordo com seus estatutos, a “União Cultural Libanesa Mundial” realiza suas conferências periodicamente a cada três anos no Líbano.

Fawaz destacou que “durante sua história, a União Cultural Libanesa Mundial realizou dezenove conferências internacionais nos últimos anos, e expatriados de todos os continentes a presidiram sucessivamente. Ela alcançou muitos sucessos e estabeleceu relações amigáveis ​​com altos funcionários dos países de emigração. Mas com a série de dolorosos acontecimentos que afligiram o Líbano, o que deixou repercussões negativas em todos os campos. A “União Cultural Libanesa Mundial” também sofreu um vacilo em seu caminho, alguns saíram sob sua bandeira, mas com a convocação do XVIII Congresso Mundial em 10/10/2019, foi eleito um novo corpo administrativo sob a minha presidência, e de imediato conseguimos entendimentos que levaram a uma renovação.

Acrescentou: “Também realizamos recentemente a décima nona conferência internacional em 11/10/2022, sob o título “unificação”, e nossos esforços ainda estão em andamento para que expatriados (indivíduos e associações de expatriados) se juntem às fileiras da “União Cultural Libanesa Mundial”, e nossa única exigência é o respeito ao sistema básico. Pela “União Cultural Libanesa Mundial”, especialmente seu artigo primeiro, que afirma: “A União Cultural Libanesa Mundial é uma instituição civil, não sectária, não doutrinária e não política” que trabalha para espalhar a mensagem do Líbano no exterior e proteja as comunidades enquanto se esforça constantemente para fazer amigos para o Líbano devido à habilidade extraordinária e sucessos permanentes das capacidades libanesas espalhadas por todas as partes do mundo. Claro, com o fim de nossas conferências globais de acordo com o sistema “União Cultural Libanesa Mundial”, costumávamos obter testemunhos de seus resultados do Ministério do Interior e Municípios, e a bênção do Ministério das Relações Exteriores e Emigrantes, pois os resultados dessas conferências são divulgados para as missões diplomáticas libanesas no exterior.

Fawaz disse: “Apresentei esta rápida visão geral da ‘União Cultural Libanesa Mundial’, as armadilhas que ela encontrou e os esforços feitos para superar os obstáculos, por acreditar no papel confiado ao mundo expatriado libanês, que sempre constituiu um e garantia económica, sobretudo no meio das duras condições sem precedentes – que atravessamos neste momento – através das suas transferências.” Financiamento e seus investimentos permanentes, sabendo que o residente e o expatriado não conseguem obter o que desejam das suas poupanças e depósitos, e assistimos também ao encerramento de muitas instituições e empresas, que afetaram negativamente a situação geral do país, que agudizou as crises econômica e social.

Palavras de Pakradounian
De sua parte, o MP Pakradounian fez um discurso no qual disse: “No Dia Internacional do Expatriado Libanês, uma saudação do fundo do coração a cada expatriado que escolheu, foi forçado ou forçado a deixar a pátria, e voou pelos rincões da terra, levando consigo as preocupações da pátria e o desejo de voltar a ela.” Ele acrescentou: “Muitas designações foram usadas desde os tempos antigos: diáspora, alienação, Líbano residente e Líbano emigrado. Quanto à dolorosa verdade ao longo da história, permanece que o Líbano não foi capaz de atender às necessidades, aspirações e aspirações de sua gente que preferiu deixar a terra e a família e refugiar-se no estrangeiro, trazendo consigo as preocupações da família, da vila e da região de suas famílias e em seu ambiente natural”.

Continuou: “Na escola, costumávamos aprender nos livros de história e geografia que a ajuda financeira dos expatriados às suas famílias contribui relativamente para o seu sustento e a conclusão do seu trabalho. Nas viagens escolares às regiões libanesas, costumávamos ver luxuosas casas e grandes palácios que diziam ser do dinheiro de expatriados. Lembro-me de como costumávamos falar com nossos colegas que, se deixarmos o Líbano e emigrarmos, poderemos ter um vasto jardim, um apartamento luxuoso ou um grande palácio.” Continuou: “Quanto a hoje, e face à amarga realidade, nem mesmo ao doloroso surrealismo em que vivemos, não falamos de um palácio, de um apartamento ou de um terreno, mas sim de uma habitação, meia mensalidade escolar, vale-transporte, uma cesta de pães, um comprimido de remédio e um coletor de leite, e a gente procura a alienação para estender a mão pra gente, e com isso, nós moradores, estaríamos destruindo os sonhos de jovens expatriados e limitando suas aspirações de trabalhar no exterior apenas para ajudar suas famílias”.

Perguntou: “As dificuldades são grandes e os desafios são grandes. Olhamos para os expatriados como parte essencial dos cidadãos ou um grupo deles saiu da cidade e recorremos a eles para recolher donativos e ajudas? Fonte de sustento ou uma energia de integração para um país e um povo? O expatriado está numa situação saudável e na sua relação com a pátria? A mãe é uma relação de parceria ou uma relação de interesse circunstancial? Apesar do grande esforço, existe um expatriado e se planeja organizá-lo? Podemos considerar o expatriado um cidadão libanês em sentido pleno, e o cidadão sente o vínculo da cidadania? E o que nós no Líbano fazemos para reavivar o sentimento de cidadania? Podemos pensar e trabalhar em nome das gerações futuras? Na alienação, seu único vínculo com a pátria, fotos de seus antepassados ​​e uma velha casa no campo?

Disse Pakradounian: “Ninguém nega o papel da cultura na cidadania. É natural que um expatriado seja influenciado pelas culturas e línguas dos países em que vive e aprenda sua história, pois se torna um cidadão de origem libanesa. Podemos pensar e trabalhar para proporcionar formas de divulgar a cultura libanesa, a língua materna e as tradições libanesas?”
Acrescentou: “O expatriado libanês é a energia integrada do residente Líbano, pois não é uma fonte de dinheiro e ajuda, mas sim energia e riqueza. Nossa responsabilidade aqui é cuidar dele, e a responsabilidade deles lá é preservar seu Líbano e cidadania libanesa”. Concluiu: “É verdade que o sol não se põe na bandeira libanesa, e para que a alienação não se transforme em alienação e a distância em estranhamento, devemos preservar a santidade desta bandeira em parceria plena e integrada. Podemos realizar com alienação o que não conseguimos aqui na pátria.”

 

Deixe seus comentários

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar essas HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>