A União Libanesa Cultural Mundial sediada no prédio do Ministério de Exterior do Líbano é o órgão representativo oficial da Diáspora Libanesa. A União Libanesa da Diáspora é sua filial em São Paulo.    A União Libanesa da Diáspora é uma Associação Brasileira que agrega líderes e membros da Comunidade Libanesa no Brasil com sede em São Paulo.

Estará o mundo se aproximando gradualmente de uma situação semelhante à crise dos mísseis cubanos?

Por Dr. Hassan Ahmed Khalil – advogado libanês, Presidente da Liga pela Restauração do Estado.

Tradução Dr. Assad Frangieh

Em 16 de outubro de 1962, o mundo viveu um período de terror sobre a possibilidade de um confronto direto entre os Estados Unidos e a União Soviética, com a eclosão da Terceira Guerra Mundial, que teria levado ao derretimento térmico que destruiria a vida na Terra. Os Estados Unidos impuseram um bloqueio naval e exigiram o desmantelamento dos mísseis e a retirada dos bombardeiros IL28 de Cuba, caso contrário seriam bombardeados e destruídos. A União Soviética exigiu a retirada dos mísseis Júpiter de Türkiye. O acordo foi alcançado em 28 de outubro e ambas as partes concordaram em neutralizar a crise, assim todos deram um suspiro de alívio.

Será que a possibilidade de explodir o front de Gaza, do sul do Líbano e todos os outros fronts desde a Síria, o Iémen, o Iraque, até Teerã, criará uma crise, semelhante à crise dos mísseis cubanos? Existe uma dimensão religiosa na violência explosiva? Estará o mundo, com o avanço da tecnologia, numa guerra religiosa não declarada? Várias ideologias: Bíblica, Anglo-Saxônica, Ortodoxa e Mahadista?

Militarmente, a capacidade nuclear já não é o único impedimento. A capacidade destrutiva, mesmo que sua capacidade varie, tornou-se presente em diversas partes do mundo. Por outro lado, o mundo ainda depende da energia térmica, como o gás e o petróleo, como fonte básica para a sua vida quotidiana e produção econômica. Poderá o mundo, em caso de confronto militar direto, garantir a proteção dos locais de produção, refino e carregamento de petróleo e gás, além da proteção dos corredores de transporte? Existem ameaças antigas e novas, a maioria delas não declaradas, enviadas através de canais de inteligência. Alguns destes locais estão a poucos passos de alguns países do “Eixo de Resistência” e dos seus sistemas defensivos ou ofensivos.

Durante um jantar há alguns anos, na casa de um embaixador ocidental, um dos líderes libaneses que se opõem a Teerã perguntou ao chefe da delegação britânica sobre às negociações do JCPOA (Joint Comprehensive Plan of Action): por que não é formado um eixo para atacar e disciplinar o Irã? Ele respondeu literalmente: “O Irã ocupava o nono lugar entre as economias do mundo e a sua população é próxima dos 100 milhões, dos quais 60% tinham menos de 28 anos. São entusiastas, educados e produtivos. Foram criados com uma profunda ideologia religiosa, mesmo que nós discordamos disso. O Irã é um país que aprendeu muito com o seu fracasso na guerra com o Iraque. Portanto, concentrou-se muito no desenvolvimento de suas indústrias militares. Sem falar na sua localização geográfica muito sensível, porque pode controlar tanto o Estreito de Ormuz como o Bab Al-Mandab, os dois corredores estratégicos mais importantes de petróleo e gás liquefeito para o mundo. Portanto, a guerra com ele não é um piquenique. O que é certo é que a Europa não está entusiasmada com tal guerra. Alguns países árabes esperam que sim. Mas nenhum deles é capaz. Quem tem esse desejo é Israel, mas é incapaz por si só, e não o fará a menos que os EUA entre com ele, e os EUA ainda não concordaram.”

Hoje, aos EUA e seus aliados estão à beira de um confronto militar com o Irã e os seus aliados. Por que ele mencionou isso hoje?
Porque pode haver a possibilidade de os EUA e os seus aliados entrarem hoje numa guerra com o Irã e os seus aliados.
Apenas uma possibilidade?

Será o mundo capaz, para além do peso da guerra russo-ucraniana e da subsequente crise nos mercados do gás, de suportar a cessação da linhagem arterial da economia global? Será que a Rússia, a China e a Coreia do Norte permanecerão neutras se um aliado estratégico como o Irã for incluído numa Guerra? Sem falar na sua importância estratégica para eles, devido às suas reservas de gás e petróleo. O mundo está começando a diminuir em população? Ou há partidos que insistem na hegemonia devido à diminuição dos recursos naturais de minerais, commodities, petróleo e gás?

O conflito Árabe Israelense já não é apenas um dos pontos de tensão global. Pelo contrário, é um dos pontos de tradução de um conflito global que está a revelar-se nas suas manifestações mais horríveis. Os fronts do Médio Oriente, a guerra ucraniano-russa, o confronto não declarado com a China e os pontos de tensão na África podem tornar-se contínuos entre si, com destinos interligados. A realidade global está a revelar-se para os tipos mais horríveis de racismo e ódio.

Deve haver um novo Kennedy e um novo Khrushchev. Deve haver o surgimento e a influência de pessoas racionais nos centros de tomada de decisão. Todo mundo está jogando arriscando. Mas o jogo não é divertido. É o destino da raça humana? Existem pessoas racionais que conseguem convencer as pessoas religiosas em posições de tomada de decisão de que o aparecimento do Messias, ou o regresso de Cristo com o Imam, não requer o Armagedom? E que a paz e a justiça no mundo não são impossíveis… sem uma “grande batalha”?

Deixe seus comentários

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar essas HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>