A União Libanesa Cultural Mundial sediada no prédio do Ministério de Exterior do Líbano é o órgão representativo oficial da Diáspora Libanesa. A União Libanesa da Diáspora é sua filial em São Paulo.    A União Libanesa da Diáspora é uma Associação Brasileira que agrega líderes e membros da Comunidade Libanesa no Brasil com sede em São Paulo.

Estudos relatam a origem do idioma Karchuni falado pelos primeiros maronitas

Por Fadi Keyrouz – traduzido pelo Dr. Assad Frangieh

Durante a invasão mameluca do Monte Líbano em agosto do ano 1305, as pessoas que escaparam dos massacres das regiões central e sul do Monte Líbano buscaram refúgio em Jubbet Besharri e Wadi Qannoubine, que se tornaram seu refúgio no Norte Líbano nas décadas seguintes. No entanto, uma pequena parte dessas pessoas fugiu para o mar através do porto de Jbeil e de lá para Chipre, onde formaram uma comunidade sendo o núcleo dos atuais Maronitas de Chipre.

Entre esses residentes estão aqueles que foram deslocados da cidade de Kour em Batroun e estabeleceram a aldeia de Kour Majit em Chipre, em memória de sua cidade natal. Quando esses residentes se refugiaram em Chipre, eles também transmitiram com eles sua língua falada no Monte Líbano naquela época, que permaneceu a mesma e não mudou com o tempo de geração em geração, como aconteceu mais tarde na Pátria. Porém, com o tempo, essa linguagem foi se desvanecendo, e apenas alguns idosos a dominavam.

Durante nossa pesquisa em Wadi Qannoubine, e durante nossas explorações de algumas cavernas difíceis porque suas entradas foram parcialmente obscurecidas por terremotos e fatores naturais, especialmente o terremoto do ano 1200, com a ajuda de algumas missões europeias especializadas, encontramos muitos manuscritos, e nós os documentamos em várias universidades americanas e europeias para preservá-los para as gerações futuras e o desinteresse das autoridades locais libanesas em lançar luz sobre a história do povo cristão libanês.

Durante nossa apresentação desses manuscritos aos monges especializados na língua siríaca, como mencionei anteriormente, eles não conseguiram traduzi-los, embora estivessem na letra siríaca. Mais tarde, buscamos a ajuda do Instituto Alemão de Estudos Arqueológicos e Línguas Antigas, e eles nos ajudaram a traduzir a maior parte. No entanto, palavras vagas e incompreensíveis permaneceram presentes. Então, um dos monges especializados no Mosteiro de São Eliseu em Qannoubine nos aconselhou a ir a Chipre e encontrar o padre maronita Michailidis, pároco da paróquia de Kour Majit, e ele era um dos poucos remanescentes que ainda estavam familiarizados com o antiga língua falada dos habitantes do Monte Líbano.

Então fomos encontrá-lo, e ele nos ajudou a decifrar aquelas palavras intratáveis. Pedimos a ele que nos fornecesse o maior número possível desse vocabulário para ser usado em nossa pesquisa subsequente. Ele atendeu ao nosso pedido e esse assunto nos ajudou a esclarecer muitas coisas que encontramos.

A população deslocada do Líbano para Jubbet Bsharri e Wadi Qannoubine permaneceu cercada por décadas, como mencionamos. E era que, se quisessem sair da área de cerco, eram submetidos a abusos e assassinatos por causa de seu idioma. Era fácil conhecê-los porque não eram fluentes na língua árabe. Portanto, os monges ensinaram-lhes a língua árabe e como pronunciá-la escrevendo-a na letra siríaca. Isto é o que é conhecido como Karchuni.

Quanto à antiga língua falada no Monte Líbano, ela foi definida nos Centros de Estudos de Línguas Antigas como um dialeto de fusão. É uma língua cananeia em termos de estrutura, e é incrustada com vocabulário cananeu e siríaco, e mais tarde com vocabulário árabe ou arabesco, para formar a língua coloquial libanesa falada hoje.

Os antigos habitantes do Monte Líbano eram pagãos e analfabetos, e permaneceram obstinados e apegados à sua religião cananeia pagã até o século V com a chegada de missionários cristãos pelas mãos dos monges da Casa de Maroun. Assim, os livros sagrados se comunicaram com eles em siríaco, e eles aprenderam siríaco nas mãos dos monges. Os rituais de oração eram siríacos. Mais tarde, eles se tornaram a comunidade maronita.

Quanto aos habitantes da costa fenícia, eram intelectuais, e dominavam as línguas latina e grega, além da língua materna cananeia. Assim como os libaneses agora que dominam o francês e o inglês. O cristianismo os alcançou desde o primeiro século, quatro séculos antes dos habitantes da montanha. O clima deles era grego. Mais tarde, eles formaram as comunidades ortodoxa grega e melquita. Karalowski, o historiador da Igreja Ortodoxa de Antioquia, diz:

“O povo cristão do Líbano é um só povo com duas liturgias, a grega e a siríaca”… e isso foi antes das conhecidas divisões históricas.

#Aloho_ro7ém_lokh_wof_éno_Éno_bro_dmaryam_malkto_da_shlomo

 

Deixe seus comentários

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar essas HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>