União Libanesa da Diáspora afiliada à União Libanesa Cultural Mundial.   secretaria@uniaolibanesa.net.br

Upcoming Events

  • Nenhum evento encontrado com esta tag
  • Sem Comentários
    1. Ótimo Victor Mauad

      Responder
    2. Só para lembrar – Em 22 de outubro de 1989 foi feito o acordo de reconciliação nacional em Taef na Arábia Saudita e que acabou com os 16 anos de guerra civil. Nele se definiu a criação de um Senado libanês composto por sectarismo igualitário entre cristãos e muçulmanos e que se restringiria aos assuntos maiores da nação e também se manteria um Parlamento (Câmara de Deputados) com redução significativa do sectarismo e a eleição de deputados num distrito único nacional (algo meio, one man one vote)…. e se passaram os anos, e tal deliberação deixou de ser aplicada. Esta era uma das propostas apadrinhada pelos Estados Unidos, Arábia Saudita e a Síria para o fim da Guerra Civil e veio o Rafik Hariri com esse propósito. A fase seguinte seria fazer a Paz entre a Síria e Israel e que foi acordada em Madri na Espanha. Nesse meio tempo, o Itshak Rabin – premiê de Israel foi assassinado por um judeu radical e o processo de Paz dançou….. e o Oriente Médio deixou de ter a esperança de paz…..

      Responder
    3. O chefe da delegação libanesa de negociação sobre a questão da demarcação das fronteiras marítimas, General Brigadeiro, Bassam Yassin, respondeu ao que foi noticiado no jornal Al-Akhbar, sábado 12/02/2022.

      Um artigo do jornalista Nicolas Nassif publicado no jornal Al-Akhbar em 12 de fevereiro de 2022 afirmava que o Presidente da República afirmou durante sua entrevista que “algumas pessoas apresentaram a linha 29 sem argumentos para prová-la” e que “nossa linha é a linha 23, que seriam as nossas fronteiras marítimas”, e que “nosso direito real e efetivo”, e que o Decreto Modificativo 6.433 deixou de ser relevante diante dos novos dados.

      O chefe da delegação de negociação técnico-militar, General Bassam Yassin, está muito surpreso com o que foi relatado por Sua Excelência o Presidente, e pede à Presidência da República que esclareça a veracidade desta declaração, especialmente porque não houve desmentido emitidos até agora a este respeito. Relativamente a esta questão, importa recordar que o Presidente da República designou a delegação e deu orientações básicas para o lançamento do processo de negociação com vista à demarcação das fronteiras marítimas com base na linha que parte do ponto de Ras Naqoura por terra e se estende por mar de acordo com a técnica da linha central sem calcular qualquer efeito sobre as ilhas costeiras da Palestina ocupada, ou seja, a Linha 29, e essas diretrizes foram redigidas em comunicado emitido pela Presidência da República em 13 de outubro de 2020.

      Esta atribuição veio baseada em sua plena convicção e após uma explicação detalhada da legalidade desta linha que preserva os direitos do povo libanês, através de palestras e apresentações científicas realizadas no Palácio Presidencial no primeiro semestre de 2020. O General Yassin informa ainda que em todas as reuniões da delegação com Sua Excelência o Presidente durante o período de negociação que se iniciou em 14/10/2020 e terminou em 5/4/2021, Sua Excelência sempre enfatizou a necessidade de manter o início negociações da Linha 29 e ele se recusou a limitar a negociação entre a Linha 1 e a Linha 23 que eram as exigências do inimigo israelense, e anunciei isso com franqueza em comunicado emitido pela Presidência da República em 05/04/2021 no qual recomenda que a continuação das negociações não esteja ligada a pré-condições.

      Quanto ao fato de não haver argumentos para provar a exatidão da Linha 29, o Brigadeiro General Yassin confirma que em 23/09/2021, o Presidente Aoun recebeu um relatório detalhado que foi meticulosamente preparado e assinado pelos membros da delegação negociadora, incluindo as etapas das negociações desde o seu início até hoje, e uma estratégia integrada para a próxima etapa, de forma a garantir o interesse supremo do Líbano em preservar seus direitos sobre suas riquezas na zona econômica exclusiva. A Presidência da República anunciou em comunicado que recebeu este relatório, bem como outro relatório que mostra a elegibilidade e legalidade da Linha 29 à luz da decisão do Tribunal Internacional de Justiça sobre o litígio fronteiriço marítimo entre o Quénia e a Somália, que em tese apoia e confirma os argumentos jurídicos para a adoção da Linha 29.

      Quanto à linha 23, o chefe da delegação está interessado em sublinhar que esta linha não é técnica, ilegal e maculada por muitos defeitos, pois não pode ser defendida em negociações, e que existe uma decisão da Autoridade de Legislação e Consulta no Ministério da Justiça que confirma esses defeitos e propõe a sua substituição, alterando o Decreto 6.433 do Conselho de Ministros.

      Responder
    4. Legal Orlando. O Cedro você pode encontrar em Campos do Jordão em São Paulo e são árvores relativamente antigas. Não cheguei perto mas acredito que o cheiro ou o aroma da madeira deve ser o mesmo. Na verdade a maior floresta de Cedro fica hoje na China.

      Responder
    5. São respiradores artificiais (Modelo ZXH 550 – Cristal Líquido), peso bruto de 2.156 kgs, no valor total de 1.222.533,00 U$ (um milhão duzentos e vinte dois mil e quinhentos e trinta e três dólares americanos) doados pela empresa Lifemed, indicada da Câmara de Comércio Líbano-Brasileira do Rio Grande do Sul, através do seu presidente Samir Barghouti, e destinados exclusivamente a hospitais libaneses que se encontram com escassez de recursos e equipamentos, notadamente ventiladores, e por enfrentarem graves problemas gerados pela crise econômica e pela pandemia do SARS-CoV-2.

      Os hospitais que receberam os equipamentos são: Hospital público de Trípoli / Hospital Público Syblin/ Hospital Makassed/ Hopsital Francês do Levante/ Hospital Islâmico Dar El ammal / Hospital Beneficente Islâmico/ Hospital Dar El Chefaa/ Hospital Albert Haikal/ Centro Médico Labib/ Hospital Coração de Jesus/ Hospital de Batroun/ Hospital Público de Tannourine/ Hospital Fattouh keserwan- Al Bouar/ Hospital de Al Koura/ Hospital Rizk- Centro Médico da Universidade Libanesa-americana/ Hospital Saint John- Centro Médico da Universidade Libanesa-americana/ Hospital Mazloum Al jadida/ Hospital Público Seir El Dounieh/ Hospital de Al Mayss/ Hospital Kahlaf El Habtour/ Centro Hospitalar Youssef / Hospital Público de Marjeyoun/ Hospital Universitário Rafic Hariri- centro Emirados-Líbano Xeique Mohammad Bin Zayed al Nehyan/ Hospital Público de Halba.

      Responder
    6. Me parece que os números são exagerados, porém a ideia é trazer o que acontece na prática. Segundo o Prof. Jaafar Abdulkhalek “Com certeza os números são muito exagerados … Quer dizer, do jeito libanês, mesmo que você não perceba, a diferença entre 100 mil e um milhão é apenas um zero. Recordemos o que disse o Dr. Salim El-Hoss (ex-premiê ): “No Líbano há muita liberdade e pouca democracia… Os números são apenas um ponto de vista”

      Responder
    7. Como falar da culinária libanesa sem o Snubar? Indescritível e saboroso!

      Responder
    8. Concordo

      Responder
    9. Muito bem dito Alex!
      O fato de termos que ler artigos e comentarios e de acompanhar noticias sobre guerras no mundo em pleno sec XXI è algo preocupante para a sociedade quando temos todos a sensacao de que “NADA MUDOU “ e como voce mesmo disse: O HOMEM SEM DISSERNIMENTO PARA ENTENDER QUE GOVERNAR UMA NACAI NAO QUER DIZER SER OPRESSOR EGOCENTRICO E TRAIDOR!

      Responder
    10. Excelente análise e procede!

      Responder
    11. Mais uma razão dos EUA e a Europa assinarem às pressas o acordo com o Irã.

      Responder
    12. Ficou sensacional!!!!
      Quando tiver mais por favor me inclua.
      Impressionante ver um texto tão cheio de emoções e ao mesmo tempo tão divertido.
      Adorei!!
      👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻

      Responder
    13. Que maravilha hein! o que era o Líbano e o que é hoje! INACREDITÁVEL essa situação.

      Responder
    14. Muito boa a explicação.

      Responder
    15. Pergunta: Será que somos Luz?

      Resposta do Alex Hammoud: Não sabemos quem somos! Podemos especular que somos talento cósmico. Um micro organismo conhecendo outras dimensões do macro cosmos. Nas palavras de Carl Sagan: somos feitos da mesma substancia que as estrelas. Desconhecemos quem somos, mas temos certeza que não somos nossos egos, cargos, ou possessões. O produto da mente é o pensamento, um instrumento poderoso que pode fazer danos imensos ou bem incalculável.

      O que aprendemos é circunstancial e se torna memória que se reproduz ao longo da vida. Mas hoje um computador tem mais memória que o maior cérebro humano. Saber somente não basta, se não encontramos o equilíbrio como outras espécies. O privilégio de viver é uma celebração que não tem que ser desperdiçada. O maior fraude contra a humanidade é o monoteísmo e todas as ideologias e crenças falidas. A fé é algo absurdo, significa acreditar em aquilo que desconhecemos, sem saber se de fato existe. A doutrinação usa o medo como instrumento e impede o livre e espontâneo desenvolvimento da inteligência humana.

      Ninguém ensina a semente como brotar debaixo da terra. O planeta terra, nem as galáxias aparentam estar em conflito ou crise, mas a humanidade está por causa dos pensamentos e das crenças humanas. O império da lei é imperativo para viver na sociedade. Nenhum Deus, líder religioso ou político vai salvar a humanidade. Um indivíduo depende das suas circunstâncias de nascimento, cresce com as experiências vividas e tem a opção de fazer o bem, ou o mal, no tempo que lhe corresponde viver.

      Responder
    16. Hoje qualquer conflito militar envolve ingerências internacionais. O gás que Israel está querendo extrair não é para consumo interno e sim para entrar numa rede de fornecimento composta pelo Egito, Israel, Chypre e Grecia para suprimento a Europa que não consegue se livrar do gás russo em curto ou até medio prazo. De imediato, a Turquia, a Russia e até paises do Golfo em específico o Qatar “torceriam” para uma açao militar do Líbano para que interrompa a ação de Israel. A Turquia, que nao faz parte desta rede de fornecimento, enfraqueceria suas disputas pelos postos com a Grecia, o Golfo perderia os monopolios dos preços e a Russia seu status de grande fornecedora à Europa.

      Portanto comparar isso a um pavio seria mais correto do que um simples conflito entre o Estado de Israel e o Líbano.

      Responder
    17. Gosto muito da culinária Libanesa. Além de muito saborosa é muito rica em variedade de ingredientes e saudável. Tudo muito bom.

      Responder
    18. Gosto muito da culinária Libanesa. Além de muito saborosa é muito rica em variedade de ingredientes e saudável.

      Responder
    19. As inscrições rupestres nas rochas de Ingá, na Paraíba, contribuíram indiretamente para a lenda da presença nos fenícios no Brasil.

      Segundo informações da arqueóloga Gabriela Martin, em sua obra Pré-História do Nordeste do Brasil, as inscrições rupestres de Ingá se “converteram”, na segunda metade do século XIX, em inscrições fenícias. Isso se deu, em parte, porque a grande autoridade em arqueologia no Brasil naquela época, Ladislau Netto, acreditou que isso pudesse ser verdade.

      Netto teve contato com uma suposta transcrição de inscrições fenícias que teriam sido encontradas por alguém chamado Joaquim Alves da Costa, no município de Pouso Alto, no vale do Paraíba, e enviadas ao Marquês de Sapucaí, diretor do IHGB (Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro) na época.

      Sabe-se hoje que o município de Pouso Alto e Joaquim Alves da Costa jamais existiram e que as supostas inscrições fenícias eram, na verdade, as itacoatiaras de Ingá, referidas acima. Provavelmente alguém que conhecia o Marquês de Sapucaí e Ladislau Netto lhes enviou a transcrição de um texto fenício qualquer, sugerindo, de má-fé, que tivesse sido encontrado em rochas da Paraíba. Ladislau Netto havia estudado na Europa e foi aluno do grande arqueólogo Ernest Renan, especialista em arqueologia fenícia, o que dava ainda mais credibilidade à história da presença dos fenícios no Brasil.

      Entretanto, em 1875, num artigo intitulado “Inscrição Phenicia”, L. Netto admitiu que tinha sido vítima de uma fraude e reconhecia que não havia provas concretas sobre a presença de fenícios no Brasil.

      Responder