A União Libanesa Cultural Mundial sediada no prédio do Ministério de Exterior do Líbano é o órgão representativo oficial da Diáspora Libanesa. A União Libanesa da Diáspora é sua filial em São Paulo.    A União Libanesa da Diáspora é uma Associação Brasileira que agrega líderes e membros da Comunidade Libanesa no Brasil com sede em São Paulo.

Ministro da Economia do Líbano oficializa a precificação dos produtos em Dólar, o problema é em qual intercâmbio da moeda?

O ministro da Economia e Comércio do governo interino, Amin Salam, anunciou que “será feito um edital para que os preços no supermercado passem a ser em dólares”. Após uma reunião para discutir o dossiê de combustível liderado pelo primeiro-ministro interino Najib Mikati, na qual o ministro da Energia e Água Walid Fayyad, representante dos distribuidores de combustível Fadi Abu Shakra, secretário do Sindicato dos Postos (de Gasolina) Hassan Jaafar e chefe da Associação de Empresas Importadoras de Petróleo Maroun Shammas participou, Salam disse: “Esse assunto é um pouco diferente da questão Energia, porque não podemos precificar 38.000 produtos alimentícios na questão do supermercado. O dólar é usado como ponto de referência para que as pessoas possam seguir um índice específico, e isso é a diferença entre esta questão e a questão da energia”

Ele explicou que “o Líbano importa cerca de 98% do que consome, incluindo alimentos e combustível. Estamos tentando encontrar uma maneira diante desse caos para tirar a máscara da moeda libanesa em relação ao dólar, porque todas as matérias-primas e alimentos são importado em dólares, e a moeda libanesa é hoje explorada por cambistas, mercado negro e comerciantes de crise.” E as coisas estão sendo exploradas para causar inflação, então precisamos encher sacolas para comprar combustível ou necessidades do supermercado.” Ele acrescentou : “Isso é a inflação em si. É usado para comprar e vender todas as necessidades, então criamos inflação e imprimimos mais moeda adicional, e a crise ocorre no país.”

Salam salientou que “todas as soluções em que estamos a trabalhar têm um carácter excepcional e ninguém aposta nos ministros ou no setor privado que estamos a dolarizar o país. Ninguém está mais interessado na nossa moeda nacional do que nós, mas há uma circunstância excepcional que não sabemos quanto tempo vai durar, seis meses ou um ano. Essa circunstância excepcional existe. Temos que cooperar uns com os outros para aliviar o ônus do cidadão e do consumidor, e as decisões que são tomadas são não é inadmissível.”

Em resposta a uma pergunta, indicou que “estamos com a realização de uma sessão do Conselho de Ministros porque é o assunto mais urgente hoje, e foi isso que comuniquei a Miqati”. Salam concluiu dizendo: “Há um problema em vários setores porque não há clareza na questão monetária e financeira, e esse assunto requer uma sessão de emergência do Conselho de Ministros para estabelecer controles e ter misericórdia de nós mesmos e ter misericórdia sobre as pessoas, pois os assuntos não devem ficar assim indisciplinados, e é surpreendente que os primeiros responsáveis ​​por isso recorram ao silêncio total, e culpem os outros, não havendo qualquer indicação ou intenção de abordar esta questão.”

Deixe seus comentários

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar essas HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>