União Libanesa da Diáspora afiliada à União Libanesa Cultural Mundial.   secretaria@uniaolibanesa.net.br

Mikati foi designado como suposto novo Premiê, com 54 votos a favor, 25 votos para Nawaf Salam e 46 abstenções

Beirute – “Al-Quds Al-Arabi” – traduzido por dr. Assad Frangieh

As consultas parlamentares vinculativas conduzidas pelo Presidente Michel Aoun no Palácio Baabda resultaram na nomeação do primeiro-ministro interino Najib Mikati com uma escassa maioria de 54 votos, em comparação com 25 votos para o ex-embaixador Nawaf Salam, um voto para o Presidente Saad Hariri e outro para Rawa’a Hallab e abstenção de 46 ​​deputados pela designação e um pelo boicote de um deputado. Vale ressaltar que Mikati não recebeu nenhum voto druso entre os oito deputados, e os dois maiores blocos cristãos retiveram seus votos. Assim, a dispersão da oposição novamente após as eleições para o Presidente e Vice-Presidente tornou possível ao Primeiro Ministro Mikati retornar pela quarta vez ao cargo de primeiro-ministro, incluindo dois durante a era de Aoun. Imediatamente após o término das consultas, o Presidente Mikati foi convocado ao Palácio Republicano, onde foi informado do resultado em uma reunião tripartite com o Presidente da República e o Presidente do Parlamento Nabih Berri.

As consultas aos deputados

Foram lançadas consultas parlamentares com o Vice-Presidente do Parlamento, Elias Bou Saab, que considerou que “as opções são claras e a maior oportunidade está no Presidente Mikati, mas devido à falta de clareza na fase de composição, decidi não nomear ninguém ”, desejando “a rápida formação de um governo porque a situação é intolerável”.

Depois veio a manifestação do “Bloco Nacional de Moderação”, que inclui 6 deputados de Akkar, e optou por nomear Mikati, esperando que “o período de composição não fosse longo”. O bloco Kataeb, que inclui os representantes Sami Gemayel, Nadim Gemayel, Elias Hankash e Salim al-Sayegh, nomeou o embaixador Nawaf Salam para formar o governo. O chefe das Falanges Libanesas quis “não se submeter à lógica que diz que não há governo antes das eleições presidenciais”, apelando “a tratar com seriedade este direito e a formar um governo rapidamente porque o país não pode esperar meses além disso, as pessoas não podem esperar, nem a economia e a moeda nacional, e não é possível suportar 4 meses adicionais na forma em que estamos.”

Da mesma forma, o “Bloco Nacional Independente”, que inclui os representantes Tony Franjieh, Farid Haykal Al-Khazen, Michel Elias El-Murr e William Tawk, que estava ausente devido a viagem, nomeou o presidente Mikati como designado. O deputado El-Khazen convocou “todas as forças políticas, seja no governo ou na oposição, para que estendam a mão e se abram e saiam de sua posição política, porque pão, trigo e farinha não têm cor ou posicionamento político para eles, como bem como eletricidade, gasolina e economia.”

Por outro lado, o bloco  “Encontro Democrática”, que inclui 8 deputados, indicou Nawaf Salam, e o deputado Taymour Jumblatt relatou o seguinte: “Nosso único pedido é que os funcionários facilitem a formação do governo no qual não participaremos, mas nós ajudaremos na sua formação.” Por seu lado, o bloco “Associação de Projetos”, que inclui dois vice-presidentes, nomearam Mikati, assim como o deputado Imad Al-Hout, como “Grupo Islâmico”, desejando “um governo que lance o país na direção certa. ”

Da mesma forma, o “Bloco Lealdade à Resistência”, que inclui 15 deputados, nomearam Mikati, e o deputado Muhammad Raad falou em seu nome e disse: “O Líbano hoje precisa de um governo eficaz, e em crises o o interesse nacional requer a oferta de oportunidades para formar um governo que cumpra suas obrigações.” E a personalidade do presidente designado aumentaria as oportunidades para isso.”

O bloco “Confronto Norte”, que inclui os deputados Michel Mouawad e Adeeb Abdel Masih, indicou o embaixador Nawaf Salam. Mouawad disse: “Diante das opções disponíveis para enfrentar o sistema, e diante de nomear outro nome que aumenta a dispersão da oposição, consideramos escolher Nawaf Salam a melhor opção para enfrentar o sistema.” Ele acrescentou: O mais importante é que não poderemos continuar à luz de uma oposição dispersa, pois a dispersão da oposição é um grande obstáculo à nossa capacidade de mudar e nos transformará de uma força transformadora em uma força de oposição , e manterá o Líbano sequestrado.

Diferenciação da “República Forte”

Quanto ao “Bloco da República Forte”, que inclui 19 deputados, não nomeou ninguém para designá-lo para formar o governo, e o deputado George Adwan justificou a questão dizendo: “Não nomeamos ninguém porque o bloco estava tentando durante o período passado para reunir as forças que com ele convergem na questão da soberania para ter uma posição unificada para a nomeação, não tivemos sucesso na questão e vamos continuar tentando como os cidadãos querem, e um de nossos deveres como o maior bloco é reunir a nova maioria”. Ele disse: “Nós não escolhemos Mikati porque nosso programa não atende ao seu programa, especialmente na questão dos governos de reconciliação nacional que impedem a prestação de contas e transformam o parlamento em um mini gabinete no governo”. Ele acrescentou: “Quanto à nomeação do embaixador Nawaf Salam, o nome deve estar associado ao conhecimento da pessoa, e ele não se comunicou conosco sabendo que o nomeamos no período anterior e não nos informou sobre seu programa. E toda vez que há um candidato que não anuncia seu programa ao público em questões soberanas, e ele se compromete com isso, não o nomeamos. Conquistamos a confiança das pessoas com base em um programa e não estamos prontos para abrir mão disso.”

Da mesma forma, o major-general Jamil al-Sayed não indicou ninguém e disse: “O que está acontecendo não ajudará o país a sair de sua deterioração, a menos que as eleições presidenciais ocorram com um governo separado do Parlamento”. Ele nomeou o deputado Hassan Murad Mikati, ao contrário do deputado Fouad Makhzoumi, que se recusou a nomear, dizendo que “não ouviu de Nawaf Salam qualquer posição sobre várias questões soberanas”, e disse: “Quanto ao presidente Mikati, ele representa o sistema. Espero que a oposição se une antes das eleições presidenciais”.

Da mesma forma, o deputado de Saida, Abdel Rahman Al-Bizri, não quis ser citar ninguém porque estava convencido de que “o projeto de reforma ainda não foi concluído”. Da mesma forma, fez o deputado Osama Saad, que disse: “O governante falido tem que sair. Não há nada de novo hoje, a não ser a renovação de uma realidade política terrível. Hoje, as contas da cessão e seus custos, se acontecer, e amanhã as batalhas de autoria vacilante.”

Por sua vez, o deputado de Beirute, Jean Taluzian, nomeou o presidente Mikati, “porque este governo terá uma vida curta e é melhor que um governo completamente novo não venha.” O deputado Michel Daher não indicou ninguém e disse: “Sabe-se que o resultado será do interesse de Mikati, e minha objeção a ele é em relação ao plano de recuperação, porque se tornou um plano de andar descalço, e portanto, não suportarei minha consciência para renomeá-lo. ”

Quanto ao  Jihad Al-Samad, que se distinguiu por seu desacordo com o Movimento Futuro, ele destacou o primeiro-ministro Saad Hariri para chefiar o governo, “porque ele é o mais representativo da seita sunita no Líbano”.

“Decidimos dar a voz do deputado Jamil Abboud a Mikati, e abstive-me de nomear”, disse o deputado Neamat Afram, em nome do bloco “Projeto da Pátria”, que inclui dois deputados. Após as consultas retomadas à tarde, o deputado Firas Al-Salloum anunciou a nomeação de Mikati, mas disse: “Minha confiança está condicionada a um programa de reforma para o bem do país e a representação da seita alauíta no governo, como as demais partes”. Por sua vez, o deputado Charbel Massad revelou que não nomeou ninguém, enquanto o deputado Bilal Al-Hashimi disse: Nomeei Mikati porque ele tem uma visão para a próxima etapa em relação ao acordo com o Fundo Monetário Internacional e os dossiês econômicos em seu mãos. O deputado Ghassan Skaf decidiu nomear Salam como “uma nova figura que goza de independência e credibilidade local e internacional”. De sua parte, o deputado Ihab Matar destacou uma mulher desconhecida, Rawa’a Hallab, declarando sua rejeição das “fórmulas que transformam o primeiro-ministro em um ‘Bash Kateb'”. O deputado de Beirute Nabil Badr considerou nomear Mikati para esta fase, e disse, “Nós percebemos que o público está pedindo mudanças, mas hoje não há possibilidade de um candidato de mudança chegar e formar um governo.”

Distribuição dos deputados das “Mudanças”

Quanto aos 13 deputados apelidados de transformadores ou das mudanças, eles foram divididos entre 10 deputados nomeando Salam: Paula Yacoubian, Mark Daou, Najat Saliba, Michel Douaihy, Melhem Khalaf, Yassin Yassin, Wadah Al-Sadiq, Ibrahim Mneimneh, Rami Feng e Firas Hamdan, e três que se abstiveram de nomear alguém, são eles, Cynthia Zarazir, Halima Al-Qaqour e Elias Jaradi.

Hamdan disse: “É inaceitável continuar com as mesmas abordagens e rostos”, frisando que “uma das prioridades do governo é parar o colapso econômico e reestruturar o setor bancário, colocar o crime de 4 de agosto na lista de prioridades, adotar uma política externa que atenda ao interesse supremo do Líbano, e se comprometer com a proteção do cidadão, segurança alimentar, hospitalização e medicamentos, e ativar ofertas sociais para o grupo mais vulnerável e trabalhar pela independência do judiciário.

Por sua vez, o deputado Abdul Karim Kabbara criticou os soberanos e acreditou que “se as coisas continuarem assim, então “Deus ajuda o país”, e nomeei Mikati, que acredito ser o mais capaz de liderar esta etapa”. Por sua vez, o “Bloco Desenvolvimento e Libertação” liderado pelo presidente Nabih Berri, que inclui 15 deputados, nomeou Mikati “como um elo com a abordagem que deve ser seguida pelo governo, especialmente em termos de benefícios futuros”, conforme anunciado pelo deputado Michel Moussa.

Quanto ao deputado Ashraf Rifi, ele foi o único a boicotar as consultas, e confirmou em um comunicado: “A luz do sistema de ruína e da aliança pronta para queimar o país no interesse do genro, a aliança de armas e corrupção renova-se descaradamente, ele é como o Nero do Líbano. Permanecerei com todos os soberanos honestos e livres para salvar nosso querido país deste sistema que escravizou o Líbano e o destruiu. Que Deus proteja o Líbano.”

Deixe seus comentários

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar essas HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>