A União Libanesa Cultural Mundial sediada no prédio do Ministério de Exterior do Líbano é o órgão representativo oficial da Diáspora Libanesa. A União Libanesa da Diáspora é sua filial em São Paulo.    A União Libanesa da Diáspora é uma Associação Brasileira que agrega líderes e membros da Comunidade Libanesa no Brasil com sede em São Paulo.

O conflito cristão-cristão no Líbano – o que você não vai ler nos livros da História

Por Peter Germanos – Juiz Libanês

Qual é a causa dos repetidos conflitos sangrentos entre cristãos no Líbano e quais são os seus antecedentes? As razões são muitas e complexas, mas tentaremos esclarecer um aspecto, nomeadamente o conflito de classes sociais.

Tentaremos analisar brevemente o problema devido às suas inúmeras ramificações. Na nossa opinião, existe primeiro uma divisão geográfica entre os residentes do sul e do norte do rio Ibrahim. Já os moradores do sul interagiram com a família em questão e aliaram-se a ela até a completa assimilação, que estabeleceu o moderno estado do Líbano. Quanto aos moradores ao norte do rio Ibrahim, suas vidas eram mais difíceis e miseráveis, dada a tensa relação com os governantes otomanos de Trípoli e com a família Hamadi, encarregada pelos otomanos de arrecadar impostos, além da difícil geografia . Este paradoxo ou diferença entre estas duas regiões geográficas foi redesenhado durante a era da guerra civil pelo que ficou conhecido como posto de controle de Madfoon em Batroun – Norte do Líbano.

Dentro da comunidade cristã também sempre existiu uma luta de classes silenciosa, porque não foi analisada pelos investigadores, como vemos pouco nos escritos de Khalil Gibran.

Voltando à região ao sul do rio Ibrahim, um acontecimento importante ocorreu em meados do século XIX, que foi a revolução da Igreja Maronita, que se tornara desprovida de membros das antigas famílias, chamada Tanios Shaheen, contra os Khazneh, família de Kesserwan. Na nossa opinião, isto foi feito por instigação francesa, visto que as antigas famílias eram símbolos da administração otomana. Esta revolta começará com sucesso no país de Kesserwan e transformar-se-á mais a sul numa guerra sectária entre cristãos e drusos, e os seus efeitos terminarão numa guerra feia e sangrenta e na queda do histórico Monte Líbano nas mãos dos druzos.

Enquanto a região a norte do rio Ibrahim permaneceu longe destes acontecimentos, com exceção do ataque das tribos do Bekaa à Aqoura, aproveitando a guerra que ocorria na montanha, que foi repelida com sucesso. Enquanto o Sul testemunhava um movimento social crescente, o Norte era mais conservador por tradição. Nota-se também que a população do sul do rio Ibrahim beneficiou mais dos missionários e da sua proximidade com Beirute, enquanto a população do norte era mais pobre e menos instruída, o que os levou a migrar precocemente, onde se destacaram no estrangeiro.

Além desta diferença geográfica, a diferença de classe foi reforçada por escolas e missionários estrangeiros, de modo que, a partir de meados do século XIX, as elites cristãs começaram a falar a língua francesa em suas casas enquanto as classes populares continuaram a falar o libanês, então a diferença social também foi traduzida em língua e cultura.

Durante a guerra civil ocorreram guerras e conflitos que raramente são falados e analisados ​​​​no seio da comunidade cristã, primeiro entre os residentes do sul e do norte do rio Ibrahim, e em segundo lugar entre os cristãos ricos e pobres sob vários títulos que não há espaço para mencionar ou explicar aqui, com exceção da guerra feroz que a Falange lançou contra as casas políticas e as revoltas sangrentas que este partido testemunhou primeiro contra a família Al-Gemayel, depois entre partidos deste partido, entre alas pertencentes a o sul e o norte da linha do rio Ibrahim que mencionamos.

Deve-se notar também que o ex-Presidente da República Libanesa, Michel Aoun, gostava muito de imitar Tanios Shaheen e repetir aos seus seguidores a sua intenção de derrubar o “feudalismo” e as famílias do sistema, ou seja, o comerciante e banqueiro classe, recuperando o vocabulário da luta de classes oculta na sociedade cristã. Isso, claro, antes de se tornar euma das pessoas mais ricas estabelecendo o feudo de sua família, ou seja, o governo da família Aoun, que parece ter sido seu objetivo desde o início de sua carreira política.

Sem dúvida, o fracasso dos investigadores e sociólogos em analisar os aspectos desta luta de classes entre os cristãos permitiu que ela explodisse muitas vezes de uma forma sangrenta que é incompreensível para o observador médio. Este clássico ainda existe, e a paixão de alguns líderes em acumular milhares de milhões e a aceitação da sua corrupção pelos eleitores é apenas uma indicação desta mentalidade herdada na mente subconsciente.

 

Deixe seus comentários

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar essas HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>