A União Libanesa Cultural Mundial sediada no prédio do Ministério de Exterior do Líbano é o órgão representativo oficial da Diáspora Libanesa. A União Libanesa da Diáspora é sua filial em São Paulo.    A União Libanesa da Diáspora é uma Associação Brasileira que agrega líderes e membros da Comunidade Libanesa no Brasil com sede em São Paulo.

O que de fato acontece em Israel e quais as perspectivas de uma Guerra Interna ou de uma Agressão Externa?

Por Issam Naaman – Publicado originalmente nos jornais Al-Quds Al-Arabi (Londres) e Al-Binaa (Beirute) em 6 de março de 2023

A guerra civil dentro de Israel… Será que vai se espalhar para o exterior?

O Estado de Israel foi fundado e desenvolvido por judeus Ashkenazi (europeus), cuja vanguarda são membros do partido de esquerda Mapai (Trabalhadores) liderado por David Ben-Gurion. Hoje, os judeus sefarditas (orientais) e sua vanguarda são os partidos Haredim (judeus ortodoxos) como Shas, Judaísmo da Torá e Noam, e os partidos “sionistas religiosos” que os apóiam. Em meio ao violento conflito entre os judeus religiosos e seus aliados sionistas religiosos, racistas e fascistas, por um lado, e os judeus seculares de todos os seus partidos e grupos por outro lado, Israel está mergulhada em conflitos agudos que estão escalando e atingiram o nível de uma guerra civil como descrito pelo jornal israelita “Maariv”.

Ninguém é mais preciso do que o Presidente do Estado de Israel, Isaac Herzog, ao descrever sua atual crise fatídica, dizendo: “O Estado de Israel e a sociedade israelense, todos nós estamos passando por um momento difícil em uma crise interna profunda e perigosa. Uma crise que ameaça a todos nós, assim como ameaça a firmeza de Israel e sua solidariedade interna”.

Quais são as causas desta crise crítica?

A primeira, e talvez a mais intensa causa, é a profunda e explosiva disputa sobre o governo de coalizão de direita liderado por Benjamin Netanyahu apresentando vários projetos de lei para alterar e reduzir os poderes do judiciário, especialmente os poderes da Suprema Corte e a pressão do Knesset (parlamento) para aprová-los. Essas leis impediriam o judiciário de invalidar leis aprovadas pelo Knesset e consideradas pela Suprema Corte como violadoras da democracia, dos direitos humanos, da segurança e do interesse nacional de Israel, de sua imagem e posição internacional, ou legitimar ações contra palestinos que violem a direitos humanos mais básicos, e despojando-os de sua cidadania.

A segunda é a ampliação dos poderes dos tribunais religiosos judaicos para incluir a decisão sobre as “Dívidas de Memonot”, ou seja, as leis monetárias que estão originalmente sob a jurisdição dos tribunais civis, e em primeiro lugar entre elas estão questões de natureza econômica e dimensões como parceria, vizinhança, danos e bens, não submetendo, portanto, o juiz do tribunal religioso judaico senão ao disposto na Torá, o que leva a uma queda nos investimentos estrangeiros na entidade e estreitando as perspectivas de crescimento econômico.

Em terceiro lugar, os partidos religiosos ultra ortodoxos que participam da coalizão governamental tendem a impor mais disposições religiosas e punir seus infratores, além de ampliar o benefício desses partidos de ajuda financeira e impedir o recrutamento de seus membros para as forças armadas, o que contraria o princípio da igualdade dos cidadãos perante a lei.

Em quarto lugar, a oposição da maioria dos judeus israelenses a promulgar leis no Knesset que imponham as disposições da lei judaica sobre eles, além da oposição de alguns deles a incitar os palestinos a expulsá-los e confiscar suas propriedades, o que leva a confrontos com eles.

Quinto, o sentimento da maioria dos israelenses sujeitos às disposições das leis civis de que leis para reduzir os poderes do judiciário, especialmente da Suprema Corte, não teriam sido propostas e aprovadas se não fosse pela insistência de Netanyahu nelas como condição para apaziguar os partidos religiosos e de direita e garantir seu consentimento para participar do governo e, portanto, a aprovação dessas leis no Knesset para permitir que Netanyahu evite ser julgado por acusações relacionadas a corrupção e aceitação de subornos.

A evidência da oposição da maioria dos israelenses às leis que expandem os poderes dos tribunais religiosos e reduzem os poderes do judiciário civil é que recentes pesquisas de opinião indicam o seguinte:

Mais de cinquenta por cento dos que votaram em Netanyahu e seu partido nas últimas eleições agora se opõem a emendar o atual sistema judicial. Se as eleições gerais forem realizadas hoje, a coalizão governista de direita obterá apenas 55 das 128 cadeiras do Knesset, ou seja, sem a maioria absoluta (61 cadeiras) necessária para se manter no poder. Além disso, as repercussões do conflito violento não se limitam a “Israel”, mas se estendem para fora dele. O jornal “Haaretz” (28/2/2023) revela, com pena de seu analista de assuntos árabes e regionais, Zvi Barel, que a reunião realizada em Aqaba (Jordânia), e na qual representantes do Egito, Jordânia, os Estados Unidos, “Israel” e a Autoridade Palestina participaram, não foi uma reunião política, mas sim uma reunião de segurança, e que seu objetivo é discutir formas de cooperação para parar de ser arrastado para uma escalada de segurança na Cisjordânia e na Faixa de Gaza , e que as partes da reunião estão interessadas em alcançar um objetivo comum, não apenas para evitar que a Cisjordânia pegue fogo, mas também para espalhar o fogo para os países vizinhos.

Porque? Briel responde:

  • Porque o recente encontro de Netanyahu com o rei Abdullah não tirou as dúvidas das autoridades jordanianas, já que o primeiro-ministro israelense limitou suas discussões ao relacionamento das duas partes com os assuntos da Mesquita de Al-Aqsa e ignorou os violentos desenvolvimentos ocorridos na Cisjordânia, especialmente em Jenin e Hebron, que levaram suas repercussões ao Reino Jordaniano.
  • Porque o Egito acredita que Netanyahu não pode cumprir os acordos concluídos entre os países, o que leva a que o Cairo não seja autorizado a desempenhar o seu papel de mediador com o “Hamas”, e à escalada de prisioneiros palestinos nas prisões, pressionando ambos os “Hamas” e “Jihad Islâmica” à escalada junto as operações da resistência palestina.
  • Porque os Estados Unidos condenaram o plano do golpe judicial em “Israel” e alertaram para as suas consequências, e porque “também temem, como o Egito, a Jordânia, a Autoridade Palestiniana, a Arábia Saudita e os Emirados, o estopim do fogo que começou a se inflamar na Cisjordânia e em Jerusalém e pode se espalhar para suas capitais.” Parece que todas as partes participantes da reunião de Aqaba duvidam do desejo de Netanyahu, e mesmo de sua capacidade, de conter os conflitos e inquietações que prevalecem na entidade sionista neste momento. Talvez alguns deles temam que recorrerão a tentar conter e desafogar as “guerras judaicas” em casa, travando uma guerra no exterior na periferia do eixo de resistência, todos ou alguns deles, o que eles acham que levará à mobilização de o público e se reunir em torno dele.

Assim, parece que “Israel” está brilhando e se fragmentando, assim como o resto dos países da região. Foi por esta razão que Washington despachou às pressas o Chefe do Estado-Maior da Comissão Conjunta de seus exércitos, General Mark Milley, para Israel? Sua missão visa conter Netanyahu ou apoiá-lo no auge da crise fatídica da entidade, transferindo a guerra para uma das arenas do Eixo da Resistência? Ou talvez ele tenha sido enviado para dizer aos líderes sionistas que a luta entre vocês é uma oportunidade sedutora para o eixo da resistência atingir todos vocês com um golpe retumbante, após o qual vocês não terão ressurreição?

Perguntas em busca de respostas…
issam.naaman@hotmail.com

Deixe seus comentários

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar essas HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>