A União Libanesa Cultural Mundial sediada no prédio do Ministério de Exterior do Líbano é o órgão representativo oficial da Diáspora Libanesa. A União Libanesa da Diáspora é sua filial em São Paulo.    A União Libanesa da Diáspora é uma Associação Brasileira que agrega líderes e membros da Comunidade Libanesa no Brasil com sede em São Paulo.

O que espera “Israel” no dia seguinte? por Charles Abi Nader

Há hoje um conflito ocorrendo na entidade de ocupação, dentro dos seus componentes políticos e funcionários, por um lado, e, por outro lado, com alguns dos seus patrocinadores ou servidores externos na região que são geograficamente adjacentes à Palestina ou relativamente distantes da Palestina. O título é: Como será o dia seguinte à guerra em Gaza? O que isto significa é a fase após o fim desta guerra e a realização dos seus objetivos exatamente como os estabeleceram, de acordo com as suas expectativas.

O que é surpreendente e estranho é que estejam discutindo isto com total confiança de que a guerra terminará e de que alcançaram os objetivos que estabeleceram para ela. O que é surpreendente é que a maior parte das suas diferenças giram em torno do futuro de Gaza e do seu destino após a guerra. Será esse destino com ou sem o Hamas? Com a meia independência do setor como era antes das cheias, ou dentro de um acordo gerido pela Autoridade Palestiniana? Que forma assume esta autoridade? Que condições de vida serão dadas a Gaza? Continuará sitiado ou permitir-lhe-ão entrar num porto ou aeroporto? Com que país será a sua ligação logística? Com Chipre, Grécia, Turquia ou Egito? Irá o povo de Gaza aceitar qualquer associação com o Egito depois de hoje, que juntamente com “Israel” formou a segunda parte do cerco à Faixa de Gaza durante os seus momentos mais difíceis de angústia e crise?

Mas, fora estas ilusões… algum destes criminosos sionistas pensou no que os espera no dia seguinte?

Tornou-se claro e certo que uma sociedade desintegrada, dividida e chocada os espera, e os seus dirigentes lançarão bolas de responsabilidade, ou mesmo bolas, de responsabilidade pela maior bofetada a que foram submetidos na história: a bofetada do Dilúvio do Al-Aqsa .

Em troca, haverá uma sociedade Gaza Palestina, carregando na sua consciência uma grande crença no Deus Todo-Poderoso e na santa causa da Palestina, e flutuando em rios caudalosos de dignidade, heroísmo e sentimento patriótico e nacionalista.

Os sionistas esperarão por uma sociedade que perdeu a confiança nos seus responsáveis ​​políticos e militares, depois de estes responsáveis ​​terem demonstrado um nível sem precedentes de fraqueza, perda, hesitação e fracasso, primeiro na retificação do que lhes aconteceu com o Dilúvio do Al-Aqsa, e segundo na gestão da sua guerra em Gaza e na determinação do seu curso, repercussões e resultados. Então será impossível aceitar que qualquer judeu será convencido ou achará fácil imigrar para a “Terra Prometida” na Palestina, como eles construíram como um título para as suas mentiras e crimes, e “Israel” perderá então a filosofia da sua existência, continuidade e ocupação.

Um exército fraco e em colapso os aguardará, com muitas mortes, a maioria delas oficiais e membros de unidades especiais que custam muito equipamento e treinamento. Um exército chocado que sofreu muito nos orgulhosos bairros e ruas de Gaza. será a sua principal preocupação durante talvez décadas. Como irá mudar a sua doutrina de combate e miná-la desde os seus alicerces? Como ele irá virar seu equipamento, táticas, estilo de luta e operações de cabeça para baixo? Depois que a resistência palestina destruiu tudo isso e transformou-o num exército invencível… por excelência.

Pelo menos dois problemas intratáveis ​​os aguardarão – para uma grande parte dos colonos assustados e aterrorizados da entidade – o primeiro na Faixa de Gaza e o segundo no norte da Palestina ocupada, e uma vez que é impossível que estas pessoas aceitem voltar a viver em nessas áreas sem uma mudança radical nos locais e posições atrás dessas fronteiras, o povo de Gaza e do sul do Líbano construirá o que foi demolido pela máquina israelita de matança e destruição, mesmo antes de regressar à Faixa de Gaza e ao norte da Palestina para inspecionar os seus casas e assentamentos.

Isto é um pouco do que os israelitas estão à espera, no dia seguinte à sua guerra em Gaza, e isto, apesar do horror e dos flagelos que os afetam, será muito fraco em comparação com o destino inevitável que os espera no que diz respeito à sua existência, e no que diz respeito à impossibilidade da sua ocupação continuada na nossa terra santa, na orgulhosa Palestina.

Deixe seus comentários

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar essas HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>