União Libanesa da Diáspora afiliada à União Libanesa Cultural Mundial.

O que significa um Acordo – (Suleiman) Frangieh & (Nawaf) Salam

Por Ibrahim Al-AminJornal Al-Akhbar – tradução dr. Assad Frangieh

A entrada do Líbano no vácuo presidencial não surpreendeu ninguém. De fato, se um novo presidente fosse eleito, os libaneses teriam que esperar que haja uma mente na cabeça de alguns de seus governantes. O vácuo, aqui, não é expressão de uma falha em um procedimento constitucional que exige a eleição de um novo Presidente da República. Pelo contrário, é um reflexo da crise política que aflige o país desde o golpe da aliança dos “veteranos de Taif” com o do “Grupo Riad Salameh” sobre o acordo que trouxe Michel Aoun a Baabda, e sua decisão de travar uma batalha que exauriu e rompeu a aliança, antes de eliminá-la.

Eles perceberam, após as recentes eleições parlamentares, que o equilíbrio de poder existente no Líbano não lhes permite reivindicar a capacidade de produzir uma realidade política diferente. Além dos fatores externos prementes, os fatos do Líbano dizem que o Movimento Patriótico Livre e o Hezbollah têm a capacidade de levantar o veto diante de qualquer decisão política que modifique as regras do jogo. É verdade que o presidente Nabih Berri chegou ao que sabia antes das sessões anteriores que não há necessidade de reuniões parlamentares inúteis antes de concordar com um presidente que goza do apoio de uma maioria cristã e de uma maioria islâmica.

Suleiman Frangieh

No entanto, não é apenas sobre o jogo de nomeação que está sendo negociado até agora. Os candidatos fortes são aqueles cujos nomes estão sendo negociados pelos partidos capazes de influência qualitativa, não apenas formal, no processo eleitoral. Até este momento, parece que o Presidente Berri está liderando uma aliança para eleger Suleiman Frangieh como presidente, com a aprovação do Hezbollah, Walid Jumblatt, e um bloco de independentes, desde que ele receba a cobertura de Bkerke e um bloco cristão significativo. Ele está apostando no papel do Hezbollah em persuadir o Movimento Patriótico Livre a votar em Frangieh.

Mas o outro candidato real, que ele ou seus apoiadores claramente evitam usar seu nome, é o comandante do exército, general Joseph Aoun. Que goza de claro e grande apoio dos Estados Unidos, e nenhuma objeção da Arábia Saudita, em troca da falta de comentários do lado francês, que age como se estivesse segurando a senha. Na verdade, é apenas uma ferramenta para implementar o que os Estados Unidos querem. O problema de Joseph Aoun não é que ele não tenha o apoio do Movimento Patriótico Livre, ou do próprio Frangieh, ou que ele se sinta mal-recebido pelo Hezbollah, mesmo Nabih Berri e Walid Jumblatt. O comandante do exército sabe que o argumento usado para transformá-lo em um presidente salvador se baseia apenas em seu papel de chefia do exército, e o assunto está sendo retratado como dizendo que se o comandante do exército viesse ao palácio presidencial, ele poderia impor segurança. Todos aqui ignoram que a liderança do exército não está nas mãos do Presidente da República, por mais influência que ele tenha.

Este assunto começou com o general Emile Lahoud assumindo a liderança do exército com o presidente Elias Hrawi, e este é o caso de Michel Suleiman, que veio contra a vontade do general Lahoud, e é a mesma regra que levou o general Jean Kahwagi à liderança do exército. E se a saída naquele momento fez Suleiman parecer quem o trouxe, e a mesma coisa aconteceu com Joseph Aoun, que foi escolhido pelo Presidente Aoun, e ele se mudou em pouco tempo para outro lado. Como resultado de sua constatação de que a margem de manobra diante do comandante do exército é muito grande, seja pela realidade da administração política local, seja por fatores externos. Como ele expressou sua vontade de cooperar direto e amplamente com os Estados Unidos, que até o último dia continuaram sitiando o general Michel Aoun no Palácio Baabda e perseguindo o Movimento Patriótico Livre com sanções.

Portanto, o comandante do exército deve estar ciente de que, se for eleito presidente da república, não poderá nomear um novo comandante do exército para trabalhar sob seu comando a serviço de seus objetivos políticos ou não políticos. A história, simplesmente, remonta ao fato de que a Constituição, que foi alterada pelo Acordo de Taif, proíbe qualquer autoridade do país de controlar o trabalho e o desempenho das instituições militares e de segurança, mesmo que essa autoridade seja quem escolhe os colaboradores que nelas assumem cargos de responsabilidade. Praticamente, aqueles que afirmam controlar a situação de segurança devem abandonar a ideia de vincular a nomeação do chefe do exército ao seu cargo atual. E se alguém pensa nele, ele o faz com base em sua avaliação de sua posição e papel político durante os últimos anos. E esse papel não é suficiente para que ele seja um presidente excepcional, especialmente porque há uma discussão necessária, ainda que silenciosa, sobre a realidade da instituição militar em termos administrativos e profissionais, além das novas normas que o general Aoun impôs mantendo a influência de oficiais que deixaram o serviço em cargos que perturbam o mecanismo de rodízio em uma instituição como o exército. Além de ter hipotecado todos os armamentos e estratégia militar do exército dos Estados Unidos e seu exército, mesmo que seu argumento fosse que Washington é o único doador de equipamentos e dinheiro, todos sabemos que ele não aceitaria doações de outros países.

Mas a ideia, aqui, está relacionada ao fato de que entre os atores sérios, tanto locais quanto estrangeiros, que pensam que a realidade do Líbano hoje não é semelhante à situação que existia há seis anos. Muito simplesmente, o Hezbollah e sua equipe não podem impor um presidente devido à ausência de consenso real entre as forças que formam essa aliança, além do fato de que elementos externos influentes não levantarão o embargo ao Líbano se o Hezbollah impuser seu candidato. O mesmo se aplica ao outro lado, pois nem os Estados Unidos nem a Arábia Saudita, nem qualquer outro partido, é capaz de impor um candidato presidencial, não importa como se desenvolva a crítica da mídia ao embaixador americano em Beirute ou o número de tweets do Embaixador saudita no Líbano que só aumentam.

Nawaf Salam

No entanto, o resultado desse embate é o que faz alguns sugerirem a ideia de uma solução de compromisso que se adeque aos principais atores, podendo não ser adequada às necessidades do país para superar seu sofrimento. A ideia de compromisso diz que os polos políticos libaneses, que estão politicamente divididas entre dois partidos, e estão ligadas à região e ao mundo por dois eixos antagônicos, devem concordar entre si em uma barganha que diz: O presidente da república é nosso, e o primeiro-ministro está entre vocês. Este é o verdadeiro significado de falar sobre um acordo que levaria Suleiman Frangieh e Nawaf Salam juntos a Baabda e ao Grande Serail!

Deixe seus comentários

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar essas HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>