A União Libanesa Cultural Mundial sediada no prédio do Ministério de Exterior do Líbano é o órgão representativo oficial da Diáspora Libanesa. A União Libanesa da Diáspora é sua filial em São Paulo.    A União Libanesa da Diáspora é uma Associação Brasileira que agrega líderes e membros da Comunidade Libanesa no Brasil com sede em São Paulo.

O resultado da terceira visita do emissário francês Jean Yves Le Drian ao Líbano

Por Ghassan Rifi

O enviado presidencial francês Jean-Yves Le Drian encerrou a sua terceira visita para os partidos políticos, que especularam sobre as eleições presidenciais e que alguns tinham vazado sobre a retirada de nomeações, a apresentação de novos candidatos ou nomes fora de circulação. Le Drian deverá participar na reunião do comité de cinco membros (Arábia Saudita, Qatar, Estados Unidos, França e Egito) na próxima semana e regressará ao Líbano para se encontrar com os representantes a quem enviou cartas para saber as suas respostas e discuti-las com eles.

Antes da sua partida, Le Drian colocou o Presidente do Parlamento Nabih Berri no clima dos resultados de suas reuniões, que dão progresso ao apelo ao diálogo que lançou, já que os círculos de Ain al-Tineh (sede de Berri) fizeram questão de não emitir qualquer posição sobre a reunião , aguardando a declaração que será emitida pela embaixada francesa sobre a visita de Le Drian e seus resultados. Ele também contatou o primeiro-ministro Najib Mikati e o atualizou sobre os resultados das reuniões.

Terminada a terceira rodada do enviado francês, podem tirar-se várias conclusões, das quais as mais notáveis ​​são:

Primeiro: a harmonia franco-saudita em relação ao apoio ao “diálogo de sete dias” solicitado pelo Presidente Berri, que se traduziu na reunião sunita na residência do Embaixador Walid al-Bukhari, com a participação do Grande Mufti da República, Sheikh Abdel-Latif Derian, e a presença de Le Drian, que aproveitou a sua presença na residência do embaixador saudita para divulgar a ideia de diálogo.

Segundo: Integração do apelo do Presidente Berri ao diálogo com a missão de Le Drian, que ele considerou constituir um roteiro para uma solução.

Terceiro: o compromisso de Walid Jumblatt em apoiar o Presidente Berri nesse diálogo.

Quarto: O chefe do Movimento Patriótico Livre, Gebran Bassil, avançou no sentido de participar no diálogo em conjunto com o progresso do diálogo existente entre ele e o Hezbollah, pois a informação indica que o comité emanado dos dois partidos fez grandes progressos na discussão o projeto ampliado de descentralização administrativa.

Quinto: O chefe do Partido das Forças Libanesas manteve a sua posição de rejeição do diálogo, bem como o Bloco de Renovação e vários representantes independentes e de mudança.

Sexto: A maioria dos representantes sunitas decidiu participar no diálogo após a reunião de Yarzeh, que sugeriu que a Arábia Saudita apoiasse o diálogo, independentemente da sua posição neutra nas eleições presidenciais.

Sétimo: O nome de Jihad Azour saiu de circulação, especialmente depois de ter regressado ao seu trabalho no Fundo Monetário Internacional, e a continuação da nomeação do chefe do Movimento Marada, Suleiman Frangieh, foi confirmada pela equipe que o apoiava, o que lhe deu 51 votos na sessão de 14 de junho, além de um avanço na indicação do comandante do exército, General Joseph Aoun.

Oitavo: Alguns partidos recusaram-se a falar em retirar candidaturas ou apresentar novos nomes, tanto mais que as eleições presidenciais só podem realizar-se de acordo com as opiniões dos blocos parlamentares. À luz desta realidade, parece que a crise presidencial permanecerá como está no futuro próximo, com alguns progressos a serem registrados no diálogo e que já está adiado para Outubro.

Deixe seus comentários

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar essas HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>