A União Libanesa Cultural Mundial sediada no prédio do Ministério de Exterior do Líbano é o órgão representativo oficial da Diáspora Libanesa. A União Libanesa da Diáspora é sua filial em São Paulo.    A União Libanesa da Diáspora é uma Associação Brasileira que agrega líderes e membros da Comunidade Libanesa no Brasil com sede em São Paulo.

Os cristãos têm realmente o interesse no federalismo e no abandono da Presidência e da Paridade Política?

Por Nasser Kandeel – Traduzido por Dr. Assad Frangieh
A maioria dos que adotam o federalismo no Líbano pertencem aos agrupamentos cristãos, e alguns deles apresentam um conteúdo federal para soluções constitucionais e evitam chamá-lo de federalismo, e alguns ignoram que há muito federalismo no Líbano e em seu sistema político , então o que há de novo que os defensores do federalismo querem acrescentar ao que existe, e ao que foi aprovado?
Através das leis eleitorais parlamentares, há feições federais ao tornar os deputados cristãos em geral eleitos pelos votos dos eleitores cristãos, dos 54 em 64 deputados, segundo as grandes bancadas parlamentares de maioria cristã ou titulação cristã, que consideram representar politicamente os cristãos, e o que essas bancadas estão tentando impor por meio da eleição presidencial? Praticamente pedindo que o presidente da república seja cristão, praticamente eleito pelos votos dos deputados cristãos?
O pano de fundo da apresentação do federalismo nas duas fórmulas internacionalmente conhecidas, o modelo suíço de federalismo geográfico baseado em divisões administrativas de estados com maiorias sectárias, e o modelo belga de federalismo demográfico, ao dividir verticalmente o Líbano político em dois grupos sectários, islâmico e cristão, sobre toda a área do Líbano unificado, é dizer aos cristãos que sua condição de minoria populacional aumentará em presença e força, e a paridade não será mais uma fórmula que possa ser defendida contra a grande ocupação numérica entre a porcentagem de muçulmanos e a porcentagem de cristãos, e que o interesse cristão está representado na construção de uma entidade cristã e de uma entidade muçulmana sob as sombras de uma entidade libanesa, e se esforçando para expandir a base de poderes das entidades cristãs e muçulmanas às custas de o estado unificado, e então não há mais valor para os saldos numéricos entre muçulmanos e cristãos, e os acréscimos de falar sobre diferenças de cultura, costumes sociais e estilo de vida constituem meros aperitivos para o prato federal, porque todos os países do mundo sabem essa pluralidade e diversidade na composição de sua população.
Nos próprios estados federados, elas são perseguidas pela diversidade dentro de estados menores que a metrópole, como é o caso entre os descendentes de europeus e os afrodescendentes nos Estados Unidos da América ou nas federações do mundo, e como é o caso da caso dos muçulmanos em todos os países europeus de maioria cristã. É preciso lembrar que a fórmula política do sistema libanês extraiu muito do federalismo, segundo o qual grupos religiosos denominados seitas e seitas gozam de independência nos tribunais de status pessoal, e possuem universidades, escolas, hospitais, escoteiros e instituições de mídia próprias, e formam a base aprovada para a distribuição dos cargos estaduais, teoricamente desde o nível de presidentes da República, Câmara dos Deputados, governo, ministros, deputados e cargos de primeiro escalão, e praticamente ao nível de todos os cargos estatais abaixo aos guardas florestais e por meio da Lei de Eleições Parlamentares em suas duas versões de 2008 e 2017, foram acrescentadas emendas ao mecanismo de eleição de representantes que permitem aproximar a paridade do federalismo, pois cada seita elege seus deputados por meio de seus eleitores, a uma taxa de até 90%, e permaneceu uma cobertura nacional formal que conecta e reúne os eleitores e sua participação de todas as seitas na eleição de todos os deputados, e o que se deve saber é que se não fosse o papel do Hezbollah em pressionar seus parceiros muçulmanos a aceitar esses emendas em resposta ao desejo de seu aliado cristão, o Movimento Patriótico Livre, não teriam essas emendas sido aprovadas, especialmente porque aqueles que viveram o nascimento do Acordo de Taif, incluindo o primeiro-ministro Rafik Hariri, afirmaram que a essência da filosofia da paridade decorre da recusa em convertê-la em discriminação racial que dá a um libanês um voto e a outro um quarto de voto e, portanto, não há objeção à representação dos eleitores independentemente dos saldos numéricos entre eles muçulmanos e cristãos, desde que compartilhem igual poder de voto, ou seja, que um deputado cristão chegue a uma cadeira com poder de voto de eleitores, na maioria muçulmanos, não prejudica os muçulmanos, mas expressa seu compromisso com a coexistência, quanto a tornar o representante da cadeira cristã eleito exclusivamente por eleitores cristãos, isso é o oposto de Taif e da filosofia de justiça e o risco de se transformar em um sistema de apartheid, pior que o federalismo.
A certeza do conceito de federalismo é que ele não anula a existência de um Estado inclusivo que assume política externa, autoridade monetária, segurança e responsabilidade militar, com o conceito de uma diplomacia, um exército e uma lira, e portanto, o federalismo não fornece uma resposta às questões controversas que os defensores do federalismo falam como razões para seu chamado, e é isso que levou os líderes cristãos seniores historicamente a não pedirem o federalismo, e alguns deles pediram a divisão, como as Forças Libanesas fez em períodos anteriores, e não pelo federalismo, mas a maioria rejeitou o federalismo, porque transfere a representação sectária do estado central para o estado sectário em favor de um estado central no qual não há lugar para o sectarismo, então quando os estados são formados em base de seitas, o estado mãe é 100% não sectário. Não há presidência, nem paridade no Parlamento e no governo, nem cargos distribuídos de forma sectária, como governador do Banco Central, comandante do exército, o chefe do Conselho Judicial Supremo e outros, e eles acreditavam que esses ganhos da fórmula sectária para um estado unificado são muito mais importantes.
A visão da liderança espiritual e política cristã sobre essa equação mudou? Devem os líderes cristãos temer um momento em que o federalismo se torne uma exigência para os muçulmanos, desde que seja sinônimo de um estado centralizado e não sectário, e os cristãos se tornem praticamente autônomos administrativos dentro de um estado no qual não podem ter altos cargos?
O interesse dos cristãos e o interesse de todos os libaneses, saindo deste pântano intelectual e sua lama estagnada, e caminhando para a amplidão do pensamento nacional, construindo um estado de cidadania que preserve alguma privacidade para seitas dentro do Senado e sectários presidências. Um estado não sectário por si só será um estado de direito igualitário entre seus cidadãos, e eles subirão em suas instituições com suas competências, e serão responsabilizados igualmente perante o judiciário. Só o estado de cidadania presta serviços aos seus cidadãos como um dever que lhe é devido, não como um favor dos líderes das seitas que os cidadãos mendigam às suas portas. Só o estado de cidadania constrói uma economia de produção, não de renda, e o estado de cuidado e proteção não é um estado de clientelismo e nepotismo.

Deixe seus comentários

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar essas HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>