União Libanesa da Diáspora afiliada à União Libanesa Cultural Mundial.   secretaria@uniaolibanesa.net.br

Palavra do Ministro do Exterior do Líbano Abdallah Bouhabib na Conferência da Liga Árabe

Estou satisfeito, desde o início, enquanto o Líbano conclui sua presidência dos trabalhos desse estimado conselho em sua 157ª sessão, de estender meus agradecimentos e gratidão a todos os estados membros da Liga dos Estados Árabes pela coordenação e cooperação com a Presidência Estado, ressaltando que o Líbano continua apoiando tudo que visa fortalecer o processo de ação árabe conjunta em todos os níveis. Também estendo meus agradecimentos e apreço a Sua Excelência Sr. Ahmed Aboul Gheit, Secretário-Geral da Liga dos Estados Árabes e ao Secretariado pelos esforços apreciados que fizeram durante o período da presidência da República Libanesa do trabalho desse estimado conselho.

A presidência do Líbano do Conselho Ministerial Árabe testemunhou a visita do Ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sr. Sergey Lavrov, e do Presidente do Conselho de Liderança Presidencial do Iêmen Rashad Al-Alimi, a sede da Liga, onde cada um deles proferiu um discurso perante o Conselho da Liga em nível de delegados. O enviado do presidente ucraniano ao Oriente Médio, Maxim Sobh, dirigiu-se ao Conselho de Delegados por meio de tecnologia de comunicação por vídeo. Além disso, o Líbano presidiu a reunião de coordenação árabe em preparação para a reunião com a União Europeia e a nona reunião de delegados permanentes da Liga dos Estados Árabes e embaixadores do Comitê Político e de Segurança do Conselho da União Europeia.

Da mesma forma, o Líbano teve a honra de sediar a reunião consultiva do Conselho Ministerial Árabe em Beirute, na qual tentamos continuar a experiência de participar de discussões livres, francas e transparentes. Os libaneses receberam com prazer e acolhimento a presença dos irmãos ministros árabes. A reunião foi uma oportunidade para aprender com Sua Excelência Ramtane Lamamra, Ministro das Relações Exteriores da República Popular Democrática da Argélia, os distintos preparativos para sediar a Cúpula Árabe e a vontade da liderança argelina em fazer da Cúpula Árabe uma cúpula abrangente e bem-sucedida. Nesse contexto, reafirmamos a posição do Líbano sobre a necessidade e importância da Síria reconquistar seu assento na Liga dos Estados Árabes, da qual é um estado fundador.

Mudanças internacionais após a retirada dos EUA do Afeganistão, a guerra ucraniana no que simboliza no confronto russo-atlântico que pode trazer as sementes de uma nova ordem internacional, impuseram grandes desafios adicionais aos nossos países e povos. Não está relacionado apenas às crises energética e alimentar em nível global, mas também vai além dos processos de polarização em curso no contexto de redesenho da paisagem geopolítica na região e no mundo. Em mais de uma estação, os chanceleres árabes manifestaram sua consciência desses desafios e da necessidade de elevar o nível de coordenação entre eles para melhor enfrentá-los de forma conjunta e coordenada e preservar os interesses de nossos países e povos. Nesse contexto, tomo nota da recomendação do Conselho Ministerial, que enfatizou a não politização dos organismos internacionais, que estabeleceu uma atuação conjunta dentro de muitos organismos internacionais.

Esta tendência de elevar o nível de coordenação ao mais alto grau possível provou sua eficácia e a necessidade disso é confirmada dia após dia. no supremo interesse árabe. Não são apenas os novos desafios globais que exigem a formulação e coordenação de políticas conjuntas para enfrentá-los. As questões e desafios da região, como a ocupação israelense, o terrorismo e os imperativos de desenvolvimento e estabilidade, também exigem que procuremos tratá-los em conjunto. O mesmo vale para as crises na Síria, Iêmen e Líbia, e o objetivo de estabilidade no Iraque, Líbano e outros países, sem mencionar o agravamento da situação palestina. Esperamos poder nos inspirar nas experiências de outras nações na gestão das diferenças e contar com a própria carta da Liga Árabe para sair desse círculo fechado e abrir novos horizontes para todos nós. A partir da carta, ele deve ser o pioneiro de nosso caminho comum para enfrentar os desafios emergentes.

Isso elevará a diplomacia árabe e ativará seu papel com base nos mecanismos de ação conjunta e suas referências, e o potencial que ela armazena suficiente para dedicar uma nova abordagem para lidar com as diferenças, assim como fazemos com nossos parceiros de países amigos ou organizações internacionais ou regionais. Deixe que o interesse, não as emoções, seja a base da ação conjunta, e quando os interesses conflitam, a diplomacia é o meio de enfrentá-los com base no respeito mútuo pela soberania e pelos interesses nacionais no contexto de garantir o interesse árabe comum.

O Líbano ainda está sofrendo violações israelenses e violações diárias e crescentes de uma maneira que aterroriza os libaneses em todas as áreas povoadas, sem dissuasão regional ou internacional, pois Israel insiste em sua política agressiva, pressionando por escalada e usando o espaço aéreo libanês para atacar a Síria. Também ainda se recusa a retirar-se dos territórios libaneses ocupados de acordo com as resoluções de legitimidade internacional nº 425 e 1701 nas Fazendas Libanesas de Shebaa, nas Colinas de Kfar Shuba e na parte norte da vila de AlGhajar. O silêncio internacional encoraja Israel a perseverar e continuar suas violações, agressões e violações das resoluções de legitimidade internacional. Contamos com a posição árabe unificada em apoio ao Líbano para enfrentar esta realidade.

Quanto à Palestina ocupada, a ocupação israelense continua a persistir em suas práticas hostis contra o povo palestino e a confirmar suas políticas destinadas a minar os fundamentos da solução final para a questão palestina, o que confirma que ainda é um fator de ameaça à segurança e estabilidade na região.

O Líbano enfatiza a importância da unidade palestina como uma necessidade para pressionar por uma solução baseada na Iniciativa de Paz Árabe declarada na Cúpula de Beirute 2002 em todos os seus aspectos, que preserve os direitos legítimos do povo palestino, e as Resoluções das Nações Unidas, especialmente a Resolução nº 194. Não há paz ou estabilidade na região sem encontrar uma solução completa e abrangente para a questão palestina. Aproveitando a presença do Sr. Lazzarini conosco, reafirmamos, com base nas discussões e resultados das reuniões do Comitê Consultivo da UNRWA em Beirute, nossa adesão à necessidade de estender o mandato da UNRWA durante a próxima reunião da Assembleia Geral das Nações Unidas e não comprometer seus poderes e escopo de trabalho ou transferir algumas de suas funções para terceiros.

Na conclusão dos trabalhos da 157ª sessão do Conselho da Liga dos Estados Árabes em nível ministerial, convido Sua Excelência a Ministra das Relações Exteriores e Cooperação Internacional do Estado irmão da Líbia, Sra. Najla Al-Manqoush, para presidir o Conselho da Liga, em sua 158ª sessão, desejando-lhe todo o sucesso e que esta reunião atinja seus objetivos.

Fonte: Al-Hiwar Newstradução dr. Assad Frangieh

Deixe seus comentários

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar essas HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>