A União Libanesa Cultural Mundial sediada no prédio do Ministério de Exterior do Líbano é o órgão representativo oficial da Diáspora Libanesa. A União Libanesa da Diáspora é sua filial em São Paulo.    A União Libanesa da Diáspora é uma Associação Brasileira que agrega líderes e membros da Comunidade Libanesa no Brasil com sede em São Paulo.

Se hoje fizéssemos uma enquete global e perguntássemos às crianças: “Vocês sabem quem é Jesus Cristo e quem é Papai Noel?” Muito provavelmente, eles conhecerão imediatamente o Papai Noel. Se observássemos atentamente o que os muçulmanos comem durante o jejum sagrado do Ramadão, descobriríamos que eles gastam mais no mês do ascetismo do que em qualquer outro mês, embora o jejum exija pouca comida e muita adoração e caridade.

A quantidade de extravagâncias durante os feriados religiosos tornou-se enorme, especialmente nas áreas de alimentos, roupas e presentes. Este ano, por exemplo, o Salesforce Center for Christmas espera que as compras atinjam cerca de mil e duzentos bilhões de dólares, um aumento de 7 % em relação ao ano passado. Segundo Al-Khaleej Online, com base em dados divulgados por agências governamentais oficiais em 2018, as taxas de consumo aumentam nos países árabes e islâmicos durante o mês do Ramadã em taxas que variam de 30 a 150%. Os feriados da fé tornaram-se pontes para a ganância dos comerciantes e dos monopólios, para a arrogância e o desperdício das pessoas, e para a extravagância daqueles que podem pagar por isso.

As nossas sociedades afastaram-se da essência da adoração profunda e autêntica. As barbas e os mantos religiosos aumentaram, a fé diminuiu, o extremismo avançou e os conflitos floresceram. As tradições, as celebrações e a fanfarra tornaram-se mais importantes do que o conteúdo real dos eventos. Os livros celestiais vieram para guiar as pessoas ao Criador, mas eles se esqueceram de Deus e discordaram sobre os livros. Na verdade, os seguidores de um livro lutaram em seu nome, e ele era inocente deles. Algumas pessoas começaram a adorar as pessoas, não o Criador, como se tivessem retornado voluntariamente à era do paganismo, mas desta vez o ídolo era feito de carne e sangue, corrupção e injustiça.

Um famoso provérbio francês diz: “L’habit ne fait pas le moine”, que significa: “A batina não cria um monge”. É um provérbio originalmente adaptado de um provérbio que diz: “A barba não faz um filósofo”. As aparências nos mataram neste Oriente oprimido. Quase matamos tudo que é profundo e belo. Alguns chegaram ao ponto de dizer que “um bocado na boca de uma pessoa faminta é melhor do que construir mil mesquitas”. Não há nada de errado com suas práticas religiosas, mas ele se desviou do que pretendia transmitir a mensagem da revelação.

Jesus nasceu numa caverna pobre e viveu uma vida ascética e evangelística em circunstâncias difíceis e opressivas. Será ele o mesmo cujas encarnações vemos transmitidas do Ocidente para o nosso país em celebrações suntuosas e mesas lotadas na véspera de Natal, e no ouro puro e abundante que adorna as vestes do clero e as paredes das igrejas? Enquanto estamos na origem da história? Serão as celebrações extravagantes, os banquetes luxuosos e os presentes que pesam sobre o povo, o que o mestre do amor, da tolerância, do diálogo e da humanidade queria no dia do seu nascimento, enquanto a pobreza assola mais de 70 por cento de algumas sociedades árabes?

Jesus nasceu na Palestina em condições precárias e enriqueceu o mundo com o seu apelo à tolerância, ao amor e à reforma. O seu primeiro campo foi o Oriente. Quantos de nossas famílias cristãs, irmãos e entes queridos permanecem em Belém e em Jerusalém e ao redor da gruta que apresentou à humanidade o Mensageiro do Amor. Quantos deles permanecem em toda a área deste leste? Não mais de 2 por cento permaneceram em Jerusalém e mais de metade dos cristãos migraram da Síria, do Iraque e do Líbano devido a guerras, terrorismo, pobreza ou à procura de uma vida melhor.

Jesus Cristo, assim como o Nobre Mensageiro (Profeta Mohamad), nasceram neste Oriente dilacerado, conflituoso e tentado. Tentaram reformar primeiro as suas sociedades e depois o mundo. Como é que os seus seguidores deixaram que as hienas da noite roubassem a sua riqueza e se infiltrassem nas suas sociedades, e alguns ladrões, ocupantes e invasores não hesitam em falar em nome de Cristo, monopolizando a propagação do bem contra aqueles que ele vê como maus, em a fim de facilitar o saque das suas riquezas, contribuindo assim para o deslocamento dos seguidores daquele que deu a mensagem sagrada.

Onde estão os filhos de Cristo neste Oriente? Se formos a uma cidade da Suécia chamada Sodetelli, que foi completamente transformada num refúgio para cristãos iraquianos e sírios, compreenderemos a magnitude do desastre que este Oriente enfrenta.

Não há nada de errado em festas se quiserem, e mesas cheias se quiserem, e decorar tudo de vermelho, mas bastou-nos decorar um cedro no Líbano, uma oliveira na Síria, uma igreja em Jerusalém, uma palmeira no Iraque, e uma figueira na Jordânia, para que nos sintamos verdadeiramente leais a quem se sacrificou, com o seu corpo e a sua tortura para difundir a mensagem do amor.

Belas coincidências levaram-me, nos últimos anos, às áreas de Wadi al-Nasara, na Síria. Visitei Marmarita, Masyaf e outros, e apreciei os antigos castelos, as casas antigas e a autenticidade das pessoas de lá. Encontrei boas pessoas que amavam a sua pátria, que desejavam permanecer na sua terra. Eles suportaram todas as injustiças da guerra e do terrorismo. Perderam um grupo dos seus melhores jovens defendendo a sua terra. Mas também descobri, infelizmente, que muitos dos seus eles emigraram e podem nunca mais retornar, e este também é o caso em todos os países. Uma parte deste Oriente, para cujo fim, o renascimento, o esplendor, a língua, a gramática, a literatura, a poesia e a luta política e intelectual, os cristãos contribuíram grandemente.

Somos filhos de Jesus Cristo e netos do Profeta Muhammad. Esta terra é nossa, estas santidades são nossas, e todos os rituais devem se espalhar de nossas terras natais para o exterior e não o contrário. Devemos preservar a terra e o seu povo, e devemos construir verdadeiras sociedades civis que protejam todos e não imponham condições religiosas a ninguém. Devemos demolir a estrutura que está na cabeça dos corruptos no caminho para a construção de Estados que respeitem os cidadãos, a liberdade, a justiça, a tolerância e a igualdade de oportunidades, longe do sectarismo, do sectarismo e das quotas.

A mais bela celebração destes feriados, sejam cristãos ou islâmicos, é preservar todo o povo deste Oriente, com todas as suas seitas, filiações e etnias, e construir nações que preservem as religiões e impeçam aqueles que falam falsamente em seu nome de atacar o Estado e a liberdade do cidadão, que só pode ser protegida por uma lei justa.

As mais belas celebrações são para lembrar que se a Palestina fosse perdida, e se os cristãos imigrassem de sua terra e das terras do Líbano, da Síria, do Iraque e da Jordânia, e esses países fossem destruídos, o Oriente se tornaria um corpo doente e exausto, perdendo grande parte de seu espírito e esplendor, e seria em vão espalhado pelos ventos.

Talvez durante estas férias precisemos de um pouco de humildade.

Deixe seus comentários

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar essas HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>