A União Libanesa Cultural Mundial sediada no prédio do Ministério de Exterior do Líbano é o órgão representativo oficial da Diáspora Libanesa. A União Libanesa da Diáspora é sua filial em São Paulo.    A União Libanesa da Diáspora é uma Associação Brasileira que agrega líderes e membros da Comunidade Libanesa no Brasil com sede em São Paulo.

Parlamento do Líbano aprova declaração com unanimidade a respeito dos deslocados sírios

Estas são as recomendações emitidas após a sessão parlamentar dedicada à discussão da doação europeia e do dossiê dos deslocados sírios.

A Câmara dos Representantes emitiu uma série de recomendações após a sessão parlamentar dedicada à discussão da doação europeia e do dossiê dos deslocados sírios:

O Parlamento, reunido na sua assembleia geral em 15/05/2024, e depois de ouvir o Primeiro-Ministro e os representantes sobre o tema do pacote de ajuda europeu e do dossiê dos deslocamentos sírios, decidiu por unanimidade a seguinte recomendação:

O Líbano sofre há mais de 13 anos com o problema do deslocamento sírio, já que o número de pessoas que nele entraram ultrapassou dois milhões de deslocados, constituindo 44% da população, sem que restrições precisas e completas fossem organizadas para eles pelo oficial competente. autoridades, e assim não foi possível controlar e organizar o seu movimento devido à falta de cooperação da Comissão das Nações Unidas para os Refugiados, sob várias desculpas em termos de entrega dos regulamentos que tem a seu respeito, e sob motivos morais de alguns países e organismos, os mesmos que incentivaram a sua permanência no Líbano, quer por objetivos políticos, quer porque não está disposto a absorver uma parte deles.

A deslocação síria afetou o Líbano a nível económico, financeiro, social, de segurança e ambiental, e na sua estabilidade geral, com um sentimento crescente de ansiedade entre todos os libaneses relativamente às mudanças demográficas e sociais. Na verdade, a questão que mais une os libaneses, transformou-a de um ponto de vista nacional e rejeitou abordá-la com antecedentes racistas ou com ataques fora dos quadros jurídicos.

O Líbano, por muitas considerações sociais, econômicas e demográficas, e porque não é um país de asilo, não está preparado para o ser constitucional, legal e realisticamente, e isto é confirmado pelo memorando de entendimento assinado entre o governo libanês, representado pela Direção Geral de Segurança Pública e pelo escritório regional do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados Datado de 09/09/2003 e publicado no Diário Oficial nº 52 de 13/11/2003, que ainda está em vigor e regula a relação entre o Estado e a Comissão, que confirma o regresso dos deslocados ao seu local de origem ou a sua reinstalação num país terceiro.

Com base nesta introdução e no papel do Conselho de Supervisão Parlamentar, e em conformidade com a Constituição, as leis e o acordo acima mencionado, e com o objetivo de devolver ao seu país os sírios ilegais que entram e residentes no Líbano, num prazo máximo de um ano a contar da sua data, o Conselho recomenda ao governo o seguinte:

1- Formar uma comissão ministerial chefiada pelo Primeiro-Ministro e composta pelos Ministros da Defesa, do Interior, dos Deslocados, dos Assuntos Sociais, do Comando do Exército, da Segurança Pública, da Segurança Interna e da Segurança do Estado para comunicação direta e estreita e acompanhamento com os organismos internacionais e órgãos regionais e vários órgãos, especialmente com o governo sírio e estabelecendo um programa detalhado e cronograma para o retorno dos deslocados, exceto em casos especiais protegidos pelas leis libanesas e determinados pelo comitê.

2- Confirmar o compromisso do Líbano com o conteúdo do acordo referido na introdução como base para o tratamento e obrigar o ACNUR, através de meios diplomáticos, a implementar integralmente as suas disposições e tomar as medidas necessárias para a implementação e submeter as estatísticas e ficheiros sobre os deslocados na sua posse e solicitando-lhe que coordene com o seu escritório na Síria para facilitar o processo de regresso ao seu país.

3- Um compromisso claro com a implementação das leis aplicáveis ​​que regulam o processo de entrada, residência e saída do Líbano, especialmente a lei emitida em 10/07/1962 e os decretos de implementação relevantes, especialmente o Decreto nº 10.188 de 7/10. 28/1962, e a Lei e leis trabalhistas libanesas. Impostos, taxas municipais, etc.

4- Realizar os procedimentos legais necessários para entregar os prisioneiros deslocados às autoridades sírias, de acordo com as leis e procedimentos aplicáveis.

5- Apelando à comunidade internacional e às agências doadoras para que ajudem o governo na atribuição das capacidades necessárias aos serviços militares e de segurança, a fim de controlar as fronteiras terrestres e coordenar com o lado sírio para ajudar o outro lado e limitar o movimento de entrada e sair pelas passagens legais entre os dois países.

6- Solicitando a todas as agências das Nações Unidas, especialmente o ACNUR, e às agências doadoras internacionais e europeias, que aprovem o pagamento de incentivos e assistência financeira e humanitária para encorajar o regresso dos deslocados ao seu país, através do estado libanês e das suas instituições, ou com a sua aprovação, e não permitir que este assunto seja explorado para sugerir a aprovação da sua estadia no Líbano e encorajar estas partes a garantir tais contribuições dentro da Síria.

7- Beneficiando das decisões emitidas pelas Nações Unidas, incluindo a sua resolução sobre o plano de recuperação antecipada emitida em 2021, uma vez que poderia constituir a porta de entrada para acelerar o regresso ao interior da Síria através da ajuda à reabilitação das infraestruturas sem expor os países doadores a as sanções da Lei César.

8- Transmitir uma mensagem clara aos países e organismos que trabalham no dossiê dos deslocamentos de que o Líbano não pode mais tolerar que seja uma barreira ao movimento de pessoas deslocadas para outros países e que, em qualquer caso, a sua missão não será proteger o fronteiras destes países da possibilidade de deslocação para lá daqueles deslocados que desejam ou tentam deixar o Líbano por qualquer meio É possível e, portanto, a principal responsabilidade é desviar o apoio para melhorar o movimento dos deslocados e garantir a sua estabilidade nos seus países. país, além de garantir as necessidades de suas vidas.

9- O compromisso do governo com esta recomendação e a apresentação trimestral de um relatório ao Parlamento sobre as etapas de implementação do que ela inclui.

Deixe seus comentários

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar essas HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>