A União Libanesa Cultural Mundial sediada no prédio do Ministério de Exterior do Líbano é o órgão representativo oficial da Diáspora Libanesa. A União Libanesa da Diáspora é sua filial em São Paulo.    A União Libanesa da Diáspora é uma Associação Brasileira que agrega líderes e membros da Comunidade Libanesa no Brasil com sede em São Paulo.

Pobreza e fome aumentam no Líbano com desparecimento gradual da classe média

Por Marina AndasAl-Diyyar 

O Líbano vive numa situação muito difícil há mais de quatro anos, depois de o Banco Mundial ter descrito como “uma das piores crises económicas e financeiras do mundo desde meados do século XIX”. Sofre de um dilema econômico e social que ameaça a subsistência dos cidadãos e os faz viver num estado de miséria e tristeza, como resultado do descaso do Estado.

Ontem, um dólar americano valia 1.500 Liras Libanesas. Hoje, o dólar passou de 89.000 Liras Libanesas. Ontem, todos os serviços educativos, incluindo escolas, universidades e institutos, eram pagos em moeda libanesa, mas hoje são todos pagos em dólares. Ontem comprávamos remédios locais porque eram mais baratos que remédios estrangeiros, hoje, se não foram contrabandeados, ou vencidos, compramos remédios estrangeiros mais baratos, mesmo sendo todos em dólares.

Além disso, as pessoas não conseguem garantir as suas necessidades diárias mais básicas, como comida, bebida, vestuário, pagar a renda da casa, garantir as contas da Internet, etc. 55% são pobres. Quando o salário mínimo era de 675 mil Liras Libanesas, a situação teria sido muito mais fácil hoje se o salário mínimo fosse de US$ 600. Um professor, um jornalista, um funcionário público e um trabalhador de hotéis, restaurantes e piscinas, cujo salário não ultrapassa 300 ou 400 dólares. Isso é justo?

Segundo a Agência de Dados Internacionais confirmou ao jornal Al-Diyyar, “55% dos libaneses residentes no Líbano são considerados pobres. Segundo Muhammad Shams Al-Din há dois milhões e cem mil libaneses são pobres no Líbano. Após a crise econômica e a revolução, o povo libanês foi dividido em duas classes: a classe rica, capitalista, que são aqueles com influência, poder e comerciantes, e os pobres, ou seja, funcionários que trabalham em empresas que recebem um salário que não é o suficiente para eles por uma semana ou desempregados.

A taxa de desemprego atingiu 47,8% no Líbano em resultado da deterioração das condições nas empresas, segundo as últimas estatísticas divulgadas há poucos dias no relatório da Organização Internacional do Trabalho, colocando o Líbano em primeiro lugar no mundo árabe, com os jovens libaneses a sofrerem com o desemprego, especialmente entre as idades de 18 e 28 anos. Segundo as estatísticas, “dos jovens que trabalhavam antes da crise, 27,7% perderam o emprego, enquanto para aqueles que ainda trabalham, os seus salários diminuíram para metade ou mais”.

Paralelamente, o último relatório da Organização Internacional do Trabalho monitorizou “uma diminuição na proporção do número de empregados em relação à população total do Líbano, atingindo 30,6% no ano de 2022, em comparação com 43,3% no ano de 2019. A taxa de desemprego passou de 11,4% em 2019 para 29,6% no final do ano.”

O cidadão libanês perdeu a capacidade de suportar os difíceis encargos econômicos e de vida, como resultado de todo o sofrimento que vive em termos de pagamentos, aluguel, medicamentos, educação dos seus filhos, etc., e a vida tornou-se muito mais difícil do que era antes. Como resultado destes encargos e dos preços exorbitantes no Líbano, as taxas de suicídio aumentaram e saltaram 16% em 2023 em relação a 2022, de acordo com estudos realizados pela “Information International“. A taxa de suicídio atingiu 170 casos, em comparação com 138 casos em 2022.”

O Líbano está testemunhando um aumento de crimes e roubos

A sociedade libanesa enfrenta os desafios dos roubos, como se estes se tivessem espalhado por todos os subúrbios e cidades libanesas no período recente. A principal razão por detrás disto é a difícil situação económica e a carência da maioria dos libaneses depois da moeda nacional ter perdido o seu valor face ao dólar americano.

Segundo a Information International, “Na comparação dos anos de 2022 e 2023 (de janeiro a abril), os indicadores de segurança registaram um aumento dos crimes de roubo de automóveis em 8,4%, dos crimes de roubo em geral em 38,3% e dos crimes de sequestro em 74,2%. Observando que existem incidentes de roubo que não foram comunicados às forças de segurança e, portanto, os números reais podem ser superiores aos números mencionados nestas estatísticas oficiais.”

Neste contexto, uma fonte de segurança explicou a Al Diyyar: “A violência doméstica contribuiu em grande medida para a propagação das taxas de criminalidade. Deve-se notar aqui que a pobreza e o desemprego são dois fatores principais para a desintegração de uma família, o que pode levar a disputas que se transformam em tiroteios, pedidos de resgate, etc.

Deixe seus comentários

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar essas HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>