A União Libanesa Cultural Mundial sediada no prédio do Ministério de Exterior do Líbano é o órgão representativo oficial da Diáspora Libanesa. A União Libanesa da Diáspora é sua filial em São Paulo.    A União Libanesa da Diáspora é uma Associação Brasileira que agrega líderes e membros da Comunidade Libanesa no Brasil com sede em São Paulo.

Por que Samir Geagea e Gibran Bassil recusam eleger Suleiman Frangieh como Presidente?

Por Marcel Al Turss

O intenso conflito entre os líderes maronitas na ocupação da Presidência da República, algo restrito aos maronitas, não é o resultado do momento, mas existe desde o momento em que foi acordado atribuir este cargo aos Maronitas às margens da independência, e foi consagrado no Acordo de Taif. Infelizmente, mesmo durante a “Guerra dos Dois Anos” (1973-1975), o conflito assumiu um carácter claramente político, até que mais tarde se transformou numa luta pelo poder que por vezes culminou em sangue!

O que é surpreendente hoje é que, exatamente quinze meses após o vácuo constitucional em Baabda – sede do Palácio Presidencial, o chefe do “Movimento Patriótico Livre”, deputado Gebran Bassil, e o chefe do partido “Forças Libanesas”, Samir Geagea, seguidos por partidos com menos parlamentares no poder, insistem em rejeitar a nomeação do chefe do “Movimento Marada”, Suleiman Frangieh, porque é apoiado pela “dupla xiita” (Movimento Amal e Hezbollah), embora digam nas suas declarações que “não têm problemas com a pessoa de Suleiman Frangieh”.

Geagea disse estas palavras publicamente numa aparição na televisão, enquanto Bassil o visitou em sua casa em Bnachi, mas eles estavam tentando abrir espaço para seus seguidores declarando: “Nós abandonamos o apoio à nomeação do chefe do Partido Movimento de Independência, deputado Michel Mouawad, a favor da nomeação do antigo ministro Jihad Azour, então porque é que a “dupla xiita” se apega ao apoio de Frangieh? Que ele nos exorte a abandoná-lo e a nomear outro nome!”

Se a pessoa de Frangieh não é o problema para os líderes cristãos “mais representativos”, como dizem, então qualquer nome que o “Hezbollah” anuncie “apoio à sua candidatura” enfrentará o mesmo problema e, portanto, por que deveria o “Hezbollah” satisfazer os desejos dos seus adversários na política, quando está fortemente convencido da justeza do seu apoio a Frangieh, que não manobra nas suas posições e não apunhala pelas costas, como outros fizeram, seja à margem da guerra de 2006, ou depois de alguns anos em quem era apoiado para ser Presidente da República e que se voltou contra eles?

É claro que aqueles que se opõem a Frangieh têm agendas muito especiais. Porque depois que o Campanha Presidencial foi para quem mais se apresentasse como candidato, a questão virou para o princípio “eu ou ninguém”. Ou seja eles mesmos candidatos, e é isso que eles procuram de forma ambígua, ou alguém como candidato que seja uma marionete nas mãos com base no fato de que “o Presidente precisa ser é um provocador do Hezbollah”, como o chefe das “Forças” disse com a boca cheia!

Deste ângulo, Geagea apareceu, e ficou abalado com as notícias vindas do Reino da Arábia Saudita, através dos deputados Melhem Riachi e Wael Abu Faour, sobre o Comité dos Cinco Países (EUA, Saudita, França, Egito e Qatar) não se limitar a nomes, ou apoiar um candidato específico, mas sim apoiar quem quer que seja. Os libaneses que escolham. Portanto, Geagea rapidamente retrucou: “Se o Comitê dos cinco membros quer Frangieh, deixe-os elegê-lo”.

Geagea percebe que estas palavras constituem um desafio claro para o Comitê e para quem quer que ele represente. É verdade que a comissão não será eleita pelos votos do Comitê, mas tem a capacidade de virar o leme como quiser quando chegar a hora!

Deixe seus comentários

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar essas HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>