União Libanesa da Diáspora afiliada à União Libanesa Cultural Mundial.   secretaria@uniaolibanesa.net.br

Um briefing das dimensões econômicas da operação russa na Ucrânia

Por Omar Maarbouni – Escritor e pesquisador em assuntos militares – Tradução Dr. Assad Frangieh

Sem dúvida, o cerco imposto à Rússia e o tamanho sem precedentes das sanções em todos os níveis terão repercussões sobre o Estado russo e sua economia, e é um produto natural para um país que está em guerra, ainda mais com sanções e um cerco que os tempos modernos não testemunharam antes.

Por outro lado, não há quem discorde de que as sanções impostas à Rússia começaram a mostrar resultados negativos em todo o sistema econômico global, especialmente no velho continente europeu, mas o tamanho das repercussões negativas será maior nos países em desenvolvimento, inclusive os países árabes do Levante e do Magrebe em particular, além dos efeitos negativos menores para os estados do Golfo Árabe em razão da presença de enormes reservas financeiras que lhes permitem absorver e superar crises, mas não a grandes custos, como será o caso dos europeus.

Com base nos fatos, as repercussões podem ser esperadas tanto na Rússia quanto no Ocidente como resultados diretos do confronto, e em outros países como resultados indiretos.

A nível russo

1- Repercussões negativas e soluções: As perdas da Rússia devido às sanções podem ser resumidas da seguinte forma: Perdas relacionadas ao congelamento de ativos da Rússia no Ocidente e à diminuição do volume de exportações. O Estado russo está trabalhando para evitar suas repercussões exportando para países alternativos caso o ritmo das sanções aumente e atinja o setor central da economia russa, que é o setor de gás, no qual a Rússia ocupa o primeiro lugar e o setor de petróleo, no qual ocupa o segundo lugar. Note-se que a Rússia possui 10 oleodutos para exportar gás e petróleo em diferentes direções, especialmente para a China.

Perdas temporárias no previsível e no médio prazo no volume de importações russas do Ocidente para que a Rússia encontre alternativas, o que vem sendo percebido desde 2014. Várias tentativas foram feitas para encontrar bases de infraestrutura qualificadas para fabricar alternativas, sabendo que a crise em este aspecto pode levar um curto período de tempo e, portanto, á uma crise. No futuro próximo, será superado.

Perdas do setor de transporte aéreo e marítimo e do setor de turismo, pois isso fará com que a Rússia perca grandes somas devido ao fechamento das linhas aéreas e marítimas da Europa e América para o movimento de aeronaves e navios russos, bem como a expectativa de uma diminuição no número de turistas europeus e ocidentais para a Rússia devido a sanções e política de isolamento, bem como devido à saída de muitas empresas internacionais Grand. Nesse aspecto, pode-se destacar que Moscou iniciou contramedidas para reduzir o impacto das sanções, neste sentido, a decisão do presidente Putin de pagar em rublos russos por gás e petróleo teve um efeito positivo e foi uma resposta sísmica às sanções.

Além disso, o primeiro-ministro russo, Mikhail Mishustin, confirmou que as empresas ocidentais estão tomando decisões devido à “pressão política”. “À luz das atuais sanções ocidentais, o setor russo é forçado à agir para que as empresas estrangeiras não sejam guiadas por fatores econômicos, mas sim apenas tomem decisões sob pressão política, então um projeto de decreto presidencial foi preparado para impor restrições temporárias aos estrangeiros. Referente a saída do setor empresarial dos ativos russos, que será impedido de vender ativos russos, e que o governo está preparando um conjunto de medidas em resposta às sanções ocidentais.

Com base no que foi mencionado de forma breve e concisa, não há dúvida de que a Rússia sofrerá como resultado da continuidade das sanções, e isso resultará em perdas que estão intimamente relacionadas à duração da operação militar. Espera-se que as perdas da Rússia devido ao custo da operação militar, além das perdas resultantes de sanções em vários setores, se as batalhas continuarem por seis meses, atinjam os limites de 600 bilhões de dólares. Esses números são divulgados por partidos ocidentais Não sabemos a extensão de sua credibilidade e impacto, especialmente porque ainda não foi divulgado pelas autoridades oficiais russas. Quaisquer números que possam ser confiáveis ​​e comparados aos números ocidentais.

Efeitos econômicos negativos no Ocidente

2- Em primeiro lugar, os economistas ocidentais alertaram que a operação militar russa inevitavelmente levará a um forte aumento da taxa de inflação e a um aumento significativo dos preços das commodities, que podem ser resumidos da seguinte forma: O diretor de investimentos globais do Credit Suisse, Michael Strubek, diz que as ondas de choque da “invasão russa” foram o “ alvorecer de uma nova ordem mundial” para a economia internacional, onde a alta inflação e a volatilidade do mercado financeiro podem ser tomadas como certas. O Guardian citou Strubek dizendo: “A ‘invasão russa’ da Ucrânia não representa nada além de um afastamento da ordem mundial predominantemente dominada pelos EUA e pelo Ocidente que prevaleceu desde a queda do Muro de Berlim. Os preços do gás aumentaram 70%, enquanto o preço do barril de petróleo atingiu US$ 105, o preço mais alto desde 2014.

Dada a dependência da Europa do gás russo a uma taxa que varia entre 40 a 100%, segundo os países, no caso de parar o bombeamento de petróleo russo, isso afetará diretamente tudo que esta relacionado à produção e levará a uma recessão massiva e sem precedentes inflação. Um aumento significativo nos preços do trigo, grãos e óleos, especialmente porque a Rússia e a Ucrânia fornecem mais de 25% da necessidade mundial, enquanto a Ucrânia exporta 95% de sua produção de cereais e óleos através do Mar Negro, e segundo as informações, a Rússia está programada para completar o controle sobre as águas territoriais da Ucrânia nas margens do Mar Negro, observando que a Rússia controla metade das margens da Ucrânia no Mar Negro, além das chaves dos portos fluviais em Zaporozhye, Kherson e Nikolaev, enquanto o permanece o porto de Odessa, que pode ser sitiado, sabendo que pode perder sua utilidade se as forças russas se estenderem apenas cerca de 70 km ao norte da região de Kherson, de modo que os nós rodoviários de transporte associados às terras agrícolas estratégicas da Ucrânia localizados a leste do rio Dnieper estão sob controle russo

A partir deste resumo acima, e porque a Rússia é o primeiro produtor de gás e o segundo produtor de petróleo, e porque agora controla os portões da agricultura ucraniana, que é chamada de cesta de alimentos da Europa, além das capacidades agrícolas da Rússia e as chaves dos portos, seja por controle direto ou por cerco e isolamento, a capacidade da Rússia de controlar articulações importantes na economia no mundo está pronto, e pode-se dizer que as sanções e contramedidas russas equivalem a morder o dedo, mais d que batalhas de quebrar ossos que, sem dúvida, resultará em transformações geoestratégicas que estabelecerão um novo mundo, independentemente do tamanho das perdas que resultarão desse confronto.

Deixe seus comentários

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar essas HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>